Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Milex garante a permanncia

DANIEL MELGAS, no Luena - 23 de Outubro, 2017

Maquisardes tiveram em casa forte determinao para garantir continuidade no convvio dos grandes

Fotografia: Jose Soares | Edies Novembro

Com golo do médio trinco Milex, o FC Bravos do Maquis ganhou ontem, no Luena, ao Progresso do Sambizanga, por 1-0, e conseguiu a tão almejada permanência no Gorabola ZAP.
Antes do jogo um minuto de silêncio foi observado em homenagem ao passamento físico de um dirigente desportivo da Associação Provincial de Futebol, na província do Bié e, no que ao desafio diz respeito, a primeira ficou caracterizada de um equilíbrio, apesar de um ligeiro ascendente do Progresso do Sambizanga, que mostrou-se mais compacto e avassalador no sector ofensivo e intermédio.
O avançado Fofó sambila mostrou acutilância ofensiva da equipa quando rasgou todo o meio campo até a linha final e rematou em jeito para o seu colega Bruno, ex-maquisardes que subiu e com um toque subtil de cabeça atirou para o lado.
O Bravos do Maquis, não obstante ter lançado o ponta-de-lanca Chole no lugar de Quinzinho, aos 30 minutos, não fez muito para acalmar os adeptos, salvo a resposta do  médio Alex, que rematou forte para seu colega Etah à entrada da grande área mas o último não deu conta do recado, razão que levou para o 0-0 ao intervalo.
SEGUNDA PARTE
No reatamento, o avançado Chole, do Bravos do Maquis, continuou ineficiente. Numa jogada típica de golo, conseguiu apenas entrar na grande área e quase no encalço de remate, atirou para figura de um defesa contrário.
Kito Ribeiro, técnico sambila, mostrou uma clara intenção de vencer o jogo quando substitui Fofó pelo capitão e goleador Yano, que estreou com um remate a queima roupa fora da grande área dos visitados.
A segunda parte ficou muito equilibrada, com o Maquis a chegar mais vezes a baliza do Progresso do Sambizanga.
Aos 69 minutos o Maquis chegou ao golo da permanência, na transformação de uma grande penalidade concretizada por Milex, seu primeiro golo.
Um cruzamento de canto levou a bola a Chole que rematou para a mão de Sergé, tendo, o árbitro, Benjamim Andrade, auxiliado por José Sily e Bernabé Ngulo, assinalado penalty e consequente advertência.
Com a vantagem, Zeca Amaral introduziu Pataca no lugar de João e Lelo rendeu Djo, ambos trinco, com clara intenção de defender o importante resultado que mantém o FC Bravos do Maquis no Girabola2018, facto confirmado aos 90 minutos regulamentares, ao atingir 32 ponto.

SOBREVIVÊNCIA
Estudantes complicam as contas


  De nada valeu a festança vivenciada no Lobito um dia antes do jogo de ontem, tudo por ocasião do resultado registado no Huambo. Os lobitangas rejubilaram-se à brava, julgavam que estavam criadas as condições para os estudantes assegurarem à marcha pela manutenção no GirabolaZap.
Ledo engano, porque a alegria redundou numa autêntica desolação para quem ontem não viu a Académica do Lobito tirar proveito dos desaires dos seus directos oponentes da luta pela sobrevivência.
Diante do Interclube de Angola revelou-se impotente de fazer jus à sua condição de anfitriã ao deixar-se derrotar, por 1 a 2. Um resultado que, para a sua infelicidade, pode atrapalhar as contas, que bem poderiam ser evitado, caso vencesse, ontem, aos polícias. O desafio até tinha tudo para dar certo. O adversário entrou receoso e, depressa, remeteu-se à defesa, de onde partia ao contra-ataque perigoso.
 Com alguma ingenuidade a mistura, a Académica do Lobito deixou-se levar na sonolência e deixou-se amansar. Caiu no jogo do adversário, um adversário que, diga-se de passagem, revelou maturidade e maturidade no jogo. Inclusive, induziu o técnico pele a confusão.
Num ápice estragou tudo e acabou por facilitar o triunfo dos polícias que, apesar de não se empenharem ao fundo, foram assertivos na estratégia que montaram.
Tal se explica pela forma como, de maneira incompreensível, o técnico da Académica, numa altura em que a sua tomou de assalto o ultimo reduto do adversário, resolve tirar o central Lito Kapunge, para lançar Miguel, que de resto, revelou-se mais anedótico para a assistência que um verdadeiro jogador de futebol.
A situação não estava para menos. A derrota estava mesmo destinada e a festa prometida aos apoiantes, mas uma vez, frustrada. O Interclube de Angola decidiu não participar de um banquete que faltou de tudo um pouco. O público deixou o estádio aborrecido e ciente de que, os próximos jogos serão a doer e que nada indica que a tarefa será facilitada.
O triunfo do Interclube de Angola foi construído por Richa (3’) e Mano Calesso (63’), enquanto a Académica do Lobito reduziu com o golo de Germano, no minuto 88. Um golo que serviu apenas para consolar os ânimos acabrunhado dos adeptos que esperavam mais pela actuação da sua equipa. Infelizmente, o pior aconteceu. A festa prometida redundou num fiasco.
JÚLIO GAIANO, no Lobito

ARBITRAGEM
Actuação positiva


A actuação da arbitragem de Miguel Julião Mateus pautou-se pela positiva. Entrou bem no jogo e mostrou autoridade em campo. Controlou a desordem perpetrada por alguns jogadores do Interclube, tendo inclusive expulsado e bem Pirolito que, em função da sua atitude (mal educação) acabou apupado pelo público.

Fabrício mostrou
classe na defesa


O defesa do Interclube, Fabrício, esteve em grande. Mostrou classe e competência na sua posição. Foi um verdadeiro batalhador, anulou por completo os atacantes da Académica (Giresse e Ben Traoré) que terminaram em branco. Em suma, revelou-se num autêntico patrão e, por isso, foi determinante no triunfo suado da sua equipa, remetendo o adversário numa situação difícil para se manter na prova.

DECLARAÇÕES DOS TÉCNICOS
Ivo Campos
/Adjunto  do Maquis/

“Jogo impróprio
 para cardíacos”

\"Foi um jogo impróprio para cardíacos e com uma primeira parte mal feita. Mas foi um jogo muito intenso e estamos satisfeitos pela permanência e estamos super satisfeitos. Vamos repousar e pensar na taça, vamos tentar chegar na final. Esse é o objectivo\".

Dione Pedro
/adjunto do Progresso/

“Nós sabíamos
que seria difícil”


O jogo acabou por se resumir com o golo do Maquis, sabíamos que em casa do adversário e do seu forte público encontrariamos dificuldaades, mas que contornámos. Agora vamos tentar ganhar o próximo desafio com o forte Recreativo do Libolo\".

FICHA TÉCNICA

Académica do Lobito: 1
Germano (88’).
Interclube de Angola: 2
Richa, 3’; Mano Calesso (63’)
 Estádio do Buraco, no Lobito
Assistência: 3 mil espectadores;
Comissário: João Gonçalves
Árbitro: Miguel Julião Mateus;
Árbitros assistentes: Celso António e Celestino Kalombole;
4º Árbitro: Nuno Eduardo Sumbo.
 Académica do Lobito (4x4x2): Mig; Poko, Lito Kapunge, Zebedeu e Projecto; Filipe, Claúdio, Jorge Kadú e Chiló; Ben Traoré e Giresse. Treinador: José Silvestre “Pelé”.
Substituições: Saiu Poko e entrou Lourenço (30’); saiu Lito Kapunge, entrou Miguel (61’); e saiu Jorge Kadú, entrou Germano (72’).
Suplentes não utilizados: Bombasa, Cassule, Cebola e GTI.
Acção disciplinar: Cartolina amarela a Projecto (80’)
 Interclube de Angola (5X4X1): Nelson; Chonene, Valdez, Fabrício e Miguel; Caleby, Beiby, Mano Calesso e Kiloy; Richa.
Treinador: Paulo Torres.
Substituições: Saiu Kiloy e entrou Ady (38’); saiu Caleby, entrou Paty (51’); saiu Miguel, entrou Filipe (54’).
Suplentes não utilizados: João Baptista (JB), Ronaldo, Karanga e Moco.
Acção disciplinar: Cartolina vermelha a Pirolito (25’ e 34’); cartolina amarela a Beiby (35’)
Ao intervalo: 0 a 1;
Resultado final: 2 a 1.