Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Militares "amassam" lees

Joaquim Suami, em Cabinda - 18 de Abril, 2019

Campe�o foi mais forte na visita aos verde e branco de Cabinda na 25� jornada

Fotografia: Ant�nio Soares | Edi��es Novembro

A ousadia do Sporting de Cabinda em querer jogar olhos nos olhos diante do 1º de Agosto acabou por ser fatal para os verde e branco. Os leões, que ainda chegaram a provocar calafrios à defesa militar, principalmente depois do golo de honra, acabaram por cair tipo \"patinhos\" na emboscada montada pelo conjunto às ordens de Dragan Jovic.
Os militares tiveram uma forte entrada no jogo e que assustou os leões do Norte, por isso a vantagem de duas bolas, quando eram jogados apenas 20 minutos - golos de Mongo e Dago - acaba por ser justa, pois o campeão fez por merecer.
Os golos do 1º de Agosto resultaram da forte pressão exercida sobre o Sporting. O primeiro tento, marcado por Mongo, resultou da cobrança de uma falta à entrada da grande área, ao passo que o segundo foi apontado pelo avançado Dago, depois de passar pelos defesas leoninos.
Contudo, os militares, como que se tivessem contentes com a vantagem de duas bolas a zero, a partir do 25º minuto relaxaram no jogo. Com isso agradeceu o Sporting de Cabinda que procurou dar volta ao texto, porém nem sempre da melhor maneira, pois faltou consistência nos fundamentos.
Ainda assim, os leões do Norte conseguiram colocar os militares de sentido, quando Fundo, aos 44´, reduziu o marcador para 2-1. Um golo que espevitou os donos da casa que no tempo de desconto poderiam ter igualado o jogo, porém o remate de Castro roçou o poste esquerdo da baliza defendida por Tony cabaça. 
O intervalo acabou por fazer bem ao campeão, pois o Sporting terminou a pressionar o 1º de Agosto. As alterações efectuadas pelo técnico Emena Kwazambi e a mudança de estratégia fez com que o campeão sentisse imensas dificuldades no recomeço da partida, aliás, os militares foram obrigados mesmo a recuar       posições no terreno de jogo.
O recuo efectuado pelos militares pareceu estratégico, pois os comandados de Dragan Jovic tarde colocaram os leões no \"bolso\" e marcaram dois golos por intermédio de dois homens da defesa: Massunguna e Paizo, aos 50´e 55´, o que acabou com as dúvidas de quem, de facto, era mais forte.  
O Sporting de Cabinda, mesmo perdendo por quatro bolas a uma, não baixou os braços e  procurou encurtar a diferença no marcador, o que aconteceu aos 65´, por Gláucio Rosa.
O internacional António Caxala, bem coadjuvado pelos árbitros assistentes Evandro Rocha e Aldair Carmelino, fez um excelente trabalho. Nota bom.