Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Militares marcam passo lento na Taa

26 de Outubro, 2017

1 de Agosto embalado, na Taa

Fotografia: Jornal dos Desportos/ Edies Novembro

A falta de eficácia penalizou mais uma vez a equipa do 1º de Agosto, que podia ter feito um resultado memorável diante do Progresso do Sambizanga. A vitória por 3-2 valoriza a réplica dada pelos sambilas numa tarde de bom futebol,  deixando a questão do primeiro finalista da Taça de Angola para a próxima quarta-feira no desafio da segunda mão.
Os militares adiantaram-se no marcador aos 14´por Diogo Rosado, numa jogada de entendimento do ataque agostino, com assistência de Natael, quando o desafio já estava mais inclinado para o conjunto rubro e negro.
A vantagem deu mais ânimo aos militares que tomaram conta do desafio, e podiam ter marcado em mais duas ocasiões, por Diogo Rosado, que esteve em destaque no ataque, mas os cabeceamentos do avançado foram parados pelo travessão e pela má direcção.
O 1º de Agosto detinha as melhores oportunidades para marcar, podia ter resolvido o dérbi na primeira mão desta eliminatória, mas voltou a mostrar falta de eficácia, acabando por dar azo aos sambilas que acreditaram e foram atrás do prejuízo. Yano e Vá eram duas setas apontadas para a baliza de Nuno. Faltava sorte a estes avançados que em várias tentativas não acertavam no alvo.
Contudo, depois de despertar os pupilos de Kito Ribeiro chegaram à igualdade, aos 39´, através de Almeida, numa jogada de insistência na área dos agostinos, em que a defesa foi perdulária e Nuno podia ter feito melhor.
Nos cinco minutos antes do intervalo os sambilas assumiram o desafio, colocaram os rubro e negros numa condição defensiva e quase foram para os balneários em vantagem. No reatamento Dragan Jovic mexeu no xadrez da sua equipa, lançou Buá, com o objectivo de dinamizar a zona do meio-campo que havia perdido.
Foi assim que Diogo Rosado bisou aos 47´, confirmando a tarde de inspiração que teve, após uma falha do guarda-redes sambila. Os agostinos regressaram ao comando do jogo e os seus adeptos nas bancadas pediam mais. Gogoró aos 55´ouviu e respondeu com um lance individual, fez o que quis dos defesas e atirou a contar.
Apesar da desvantagem os pupilos de Kito Ribeiro não cruzaram os braços e corriam atrás do prejuízo, criaram oportunidades para visar a baliza de Nuno, mas esbarravam na má pontaria ou na defesa militar, que começou a fazer jus ao estatuto de menos batida no campeonato nacional.
O jogo corria num ritmo electrizante, as duas equipas não se limitavam a defender, aliás atacavam na ânsia de marcar, os militares em busca da tranquilidade na eliminatória, enquanto os sambilas lutavam para minimizar os danos para abordar o jogo da segunda mão com maior esperanças.
Com o passar do tempo Yano e companhia "alugaram" o meio campo do 1º de Agosto e numa oferta de Nuno, antes do Natal, os sambilas não tiraram proveito e remataram ao lado. O guarda-redes agostino pediu desculpas aos seus colegas. Todavia, Sergé saiu do banco para diminuir a desvantagem aos 69´, num remate de fora da grande área, traindo Nuno.
Parecia uma repetição do sucedido no final do primeiro tempo, pois os sambilas voltaram a encostar o 1º de Agosto às cordas, mostrando que estavam bem vivos e que dispostos a vender bem cara a derrota, infelizmente o tempo não permitiu.
ARBITRAGEM
O árbitro João Goma realizou um trabalho sem influência no resultado final. Apesar de ter evitado mostrar cartões amarelos em algumas faltas que se justificam, o juiz esteve sempre em cima dos lances. Não houve situações de polémicas, nem mesmo quando anulou o golo a Bobó, a bola já havia passado a linha do fundo. Os assistentes Júlio Lemos e Evanildo Martins estiveram atentos e sancionaram de forma correcta as jogadas de fora-de-jogo para ambas as equipas. 

HOMEM DO JOGO
O avançado do 1º de Agosto, Diogo Rosado, destacou-se pelos dois golos marcados e pela boa exibição. Podia ter feito uma tarde memorável se concretizasse as outras duas oportunidades que teve para bater Titi, mas no cômputo geral cumpriu com o papel que lhe foi dado pela equipa técnica. Em jeito de reconhecimento os adeptos militares aplaudiram, pela primeira vez o jogador.

IVO TRAÇA  
1º de Agosto

“Foi uma grande partida”


"Foi uma grande partida de futebol, as duas equipas apresentaram-se bem. Fizemos uma boa estratégia, pese embora sofrermos dois golos que não esperávamos. Sabíamos que iria ser um jogo muito difícil, diante de uma boa equipa. Felicito os meus jogadores pelo esforço que fizeram neste desafio. Agora vamos descansar e começar a pensar no jogo de domingo contra o ASA, que será igualmente difícil e temos de nos empenhar muito para ganhar".

DIOGO PEDRO  
PROGRESSO

“Acreditamos
na qualificação”


"Essa derrota não estava nas nossas previsões. Queríamos ganhar ou pelo menos empatar para decidir na nossa casa, mas vamos trabalhar para ganhar na próxima quarta-feira no jogo da segunda mão. Os golos que sofremos foram desatenções na nossa equipa e quando se joga com equipas como o 1º de Agosto, os erros pagam-se caros. Mas acreditamos que é possível nos qualificarmos".