Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Militares suplantam contrariedades

Betumeleano Ferro - 31 de Dezembro, 2018

Fotografia: Vigas da Purificao| Edies Novembro

A época do 1º de Agosto esteve longe, de ser um mar de rosas, algumas lesões  \"crónicas\", como a de Geraldo, impediram o técnico de contar sempre com o considerado craque da equipa. Ainda assim, a equipa cumpriu com o estabelecido.
Outros atletas influentes, acabaram por sair do onze, por lesão ou abaixamento da forma desportiva, as experiências ajudaram Maki a não vacilar. O vasto conhecimento do campeonato foi determinante, para manter o equilíbrio da equipa.
Os militares sabiam o momento exacto para o assalto final. Quando o fizeram, ninguém mais viu a equipa a trocar o mau com o bom, a sequência de resultados positivos acabou por calar os detractores de Zoran Maki.
Os percalços que a equipa teve, antes da consagração, são próprios de quem estava ansioso demais, em soltar o grito de revolta, que estava entalado há muitas jornadas.
A glória africana podia juntar o domínio caseiro, ao inesperado no continente, a razão principal por que o título acabou por não ser a cereja no topo do bolo. Até podia ser, às meias-finais da Champions, recorde do clube na competição, fez com que o tri tivesse um sabor agridoce nas hostes rubro -negras.
Ainda assim, o 1º de Agosto acabou por ser um digno vencedor no ano que hoje termina e a sua conquista não merece qualquer contestação.