Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Nacional de Benguela apresenta recurso

22 de Novembro, 2011

Nacional de Benguela não está conformado com a decisão da FAF e vai recorrer

Fotografia: Jornal dos Desportos

O vice-presidente do Nacional de Benguela para a área jurídica, Manuel Fortunato, anunciou, no domingo, que a equipa vai interpor recurso junto do Conselho Jurisdicional da Federação Angolana de Futebol, contra o acórdão de sexta-feira última do Conselho Técnico Desportivo da FAF, que julgou procedente o protesto do Desportivo da Huíla.

O protesto, apresentado na última segunda-feira pelo Desportivo da Huíla ao Conselho Técnico Desportivo (CTD) da FAF, refere-se a uma alegada má utilização do atleta Paulino Vasco Macuva, no jogo da 17ª jornada do Grupo B do Zonal de Apuramento à I Divisão, em que os huilanos consentiram derrota por 2-3 frente ao Nacional de Benguela.

O Desportivo da Huíla somou “na secretaria” 29 pontos e ascendeu ao segundo posto da série B do Zonal de Apuramento ao Girabola’2012, até então ocupado pelo Nacional de Benguela, que baixou para a sexta posição na classificação, com 18 pontos, face às quatro derrotas decorrentes do castigo da FAF.

O vice-presidente do clube alvi-negro de Benguela, que falava em conferência de imprensa, afirmou que a agremiação possui argumentos necessários e já começou a trabalhar com afinco no sentido de formalizar, ainda ontem, a reclamação no Conselho Jurisdicional da FAF, em Luanda.Manuel Fortunato afirmou que o Nacional de Benguela estava a trabalhar com base legal para recorrer da decisão tomada na sexta-feira pelo Conselho Técnico Desportivo da FAF, para que a verdade desportiva seja reposta.

“Esperamos provavelmente até à tarde de segunda-feira que dê entrada na FAF o nosso recurso para que se faça de facto a justiça desportiva”, sublinhou o dirigente desportivo, notando que os sócios e amigos do Nacional de Benguela estão com as atenções voltadas ao órgão reitor do futebol no país. O Nacional de Benguela foi surpreendido pelo protesto apresentado pelo Desporto da Huíla, na segunda-feira passada, através dos órgãos de Comunicação Social a partir da província da Huíla, que noticiaram primeiro que se tratava da má utilização do atleta Bobista.

A direcção do Nacional de Benguela optou por consultar o departamento de futebol para ver sobre o que, na verdade, se estava a passar, ao invés de vir a público para comentar a respeito do assunto, pois, estava tranquila, até porque a informação veiculada não constituía verdade, afirmou.

Apesar disso, prosseguiu, a direcção do Clube Nacional de Benguela recebeu, no sábado à tarde, de forma oficial, o acórdão do Conselho Técnico Desportivo da FAF, no qual o atleta em causa não era o Bobista, como havia sido noticiado, mas Paulino Vasco Macuva. O secretário-geral da Federação Angolana de Futebol, José Cardoso, contactado a meio da tarde de ontem pelo Jornal dos Desportos, disse que, até àquela altura, não havia dado entrada na FAF qualquer recurso do Nacional de Benguela.

Director provincial
pede solução


O director provincial da Juventude e Desportos, Pedro Garcia, pediu no domingo à Federação Angolana de Futebol a revisão, de modo flexível, da situação do Nacional de Benguela, impedido de disputar a última vaga de acesso ao Girabola’2012 pelo acórdão do Conselho Técnico, que julgou procedente o protesto do Desportivo da Huíla sobre a alegada má utilização do atleta Paulino Vasco Macuva.

Falando durante uma conferência de imprensa convocada pela direcção do Clube Nacional de Benguela, o responsável afirmou estar a acompanhar o caso com a esperança de que haja um desfecho que permita à província estar representada na fina-flor do futebol nacional na próxima época.

Para o director provincial da Juventude e Desportos, todos os esforços vão ser feitos a fim de que a província de Benguela esteja em 2012 a participar na primeira divisão, através do Clube Nacional.O dirigente desportivo afirmou que situações como estas “são vergonhosas e nada abonam a imagem do futebol angolano”.

“Desde 2002 até ao momento, tem sido difícil, no futebol angolano, encontrar-se o campeão. Por isso, o novo elenco directivo da FAF deve rever este problema”, destacou, lembrando que outrora o campeão era encontrado em campo e quem descesse de divisão, fazia-o com dignidade.Na sua óptica, a causa do Nacional não é apenas da sua direcção, sócios e adeptos, mas de todos os benguelenses, que se uniram em volta da agremiação, que demonstra capacidade para ascender à primeira divisão.

Sem especificar o tipo de acção, o dirigente desportivo salientou que tudo vai ser feito para a busca de uma solução justa contra o afastamento do Nacional do torneio, aventando a hipótese de se ir até às últimas consequências para se repor a verdade desportiva.O protesto apresentado na última semana pelo Desportivo da Huíla faz alusão à utilização do atleta Paulino Vasco Macuva, no jogo da 17ª jornada da série B do Zonal de Apuramento à I Divisão, em que os huilanos perderam por 2-3 frente ao Nacional de Benguela.

O Desportivo da Huíla somou “na secretaria” 29 pontos e ascendeu ao segundo posto da série B do Zonal de Apuramento ao Girabola de 2012, até então ocupado pelo Nacional de Benguela, que baixou para a sexta posição na classificação, com 18 pontos, face às quatro derrotas decorrentes do castigo da FAF.

O acórdão do Conselho Técnico Desportivo da FAF afasta o Nacional de Benguela da disputa da “liguilha” diante da equipa do Norberto de Castro de Luanda, para a última vaga do Girabola do próximo ano, dando ao Desportivo da Huíla a possibilidade de lutar pela ascensão à primeira divisão.Por isto, adiantou que a agremiação tem os argumentos necessários para trabalhar já na compilação de dados para criar as condições objectivas para interpor recurso ao Conselho Jurisdicional da FAF, visto que, neste caso, o Nacional só deveria perder dois pontos.

Atlético do Namibe
ganha sede social


A formação do Atlético Petróleos do Namibe inaugurou, no passado domingo, a sua sede social.O empreendimento, inaugurado pelo vice-governador da província do Namibe para a área económica, Alcides Cabral, possui 24 camas, uma sala de reunião, área de lazer e escritório. Na ocasião, o presidente do clube do Atlético Petróleos do Namibe, Pedro Pache, que felicitou a iniciativa do governo local, frisou que a sede social, além de servir o plantel namibense, vai albergar também equipas vindas de outras províncias para disputar partidas do Campeonato Nacional da I Divisão, em 2012.

“Em sete meses, conseguimos pôr a equipa na primeira divisão, fruto de uma grande mudança da direcção e do novo plantel”, disse.O vice-governador Alcides Cabral prometeu que o governo local, em parceria com a classe empresarial da província e amantes do desporto, vão fazer de tudo para apoiar o clube do Atlético do Namibe, de modo a obter bons resultados no campeonato.

Inter da Huíla vence
prova de iniciados


O Interclube da Huíla sagrou-se campeão provincial de futebol em iniciados, após ter empatado, no domingo, a uma bola, com o Ferroviário local na última jornada do campeonato.A equipa afecta à Polícia Nacional terminou a prova com 22 pontos e destronou o Desportivo da Huíla, que ficou na segunda posição com menos dois pontos.Nos lugares seguintes classificaram-se Desportivo da Chibia, Sporting do Lubango, Ferroviário e Benfica do Lubango, com 12, 10 e nove pontos, num campeonato disputado no sistema de todos contra todos a duas voltas.