Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Os talentos existem nos bairros

Betumeleano ferrao - 29 de Novembro, 2017

Acadmica assegura que nmero reduzido de pelados devia fazer os clubes olharem para outras direces

Fotografia: Contreras Pipas|Edies novembro

O renascimento do futebol angolano depende de duas “combinações de factores”, revelou Rosa Tavares, directora - geral do Instituto Superior de Educação Física e Desportos. Ela assegurou ao Jornal dos Desportos que há apenas “dois caminhos” a seguir, “o bairro ou a escola secular, porque o futebol tem a origem associada a esses dois sítios”.
A vivência dos bairros dá a possibilidade aos miúdos de começarem a “praticar futebol desde pequenos”, como sucede na maioria dos casos. A destreza demonstrada nos areais pode ser determinante para dar o salto para o futebol federado, desde que a captação seja bem feita, garantiu Rosa Tavares.
Os pelados estão a desaparecer dos bairros, sobretudo de Luanda, a directora do Instituto Superior de Educação Física e Desportos defende que o governo devia tomar duas medidas práticas para preservar o talento do areal.
“É fácil ver o que se deve fazer, deve haver aposta nas infra-estruturas, devem existir políticas do Ministério da Juventude e Desportos e dos governos provinciais para que a prática não seja mais aleatória, tem de ser mais organizado com os clubes nos bairros, para se desenvolver o futebol, em particular, e o desporto no geral, nos bairros”, enfatizou.
O desaparecimento dos pelados é um falso problema, na opinião de Rosa Tavares, ela argumentou que as pessoas perderam o foco de tanto olharem para essa questão ultrapassável, mesmo no contexto actual, que não afecta só o futebol.
“As sociedades são dinâmicas, o que se passa é que já não existem muitos espaços para a prática do desporto, não podemos falar só do futebol, lá onde ainda dá para fazer-se alguma coisa,  dá para fazer um trabalho condigno desde que existam infra-estruturas e monitores para orientar os miúdos desde tenra idade”, alertou.
A ambição de Rosa Tavares é ver o país futebolístico a aproveitar, ao máximo possível, todos os talentos que podem ser lapidados para a alta competição.
“Nos bairros, os espaços para praticar são limitados, é verdade, algo tem de ser feito para descobrir onde se encontram os que têm potencial para que possam ser trabalhados\", afirmou.
 Sem muitos pelados para o futebol, a solução imediata seria o desporto escolar, mas o que Rosa Tavares constata é que as instituições de ensino angolanas não parecem ser concebidas para dar chances aos alunos de praticar nenhum tipo de modalidade.
“As escolas seculares podiam ser parte da solução, por causa do desporto escolar, mas o problema é que as nossas escolas não têm infra-estruturas para a prática do desporto”, lamentou.

APOSTA NA FORMAÇÃO
Tavares defende técnicos licenciados


A licenciatura em Educação Física e Desportos deve ser um dos itens que os técnicos nacionais deviam preocupar-se a preencher, para serem mais bem-sucedidos nas suas carreiras, aconselhou a directora Rosa Tavares.
À semelhança de outras partes do mundo, a nossa interlocutora mostra-se convicta de que essa aposta pode trazer bons resultados, nos outros países houve um salto qualitativo quando os treinadores decidiram sentar-se de novo na carteira.
Sem receio de vaticinar, Rosa Tavares lembrou que o futebol tornou-se numa das indústrias mais lucrativas do mundo, mas esse passo significativo não foi dado em vão. \"O desporto hoje é uma ciência, a Educação Física é uma ciência, então, quando falamos dos treinadores que devem ser licenciados, o que queremos é que as pessoas percebam que isso é uma solução, é por que o técnico para ter bons resultados precisa sempre de conhecimentos científicos\", argumentou.
O Instituto Superior de Educação Física e Desportos está atento às necessidades do mercado e pretende fazer algumas inovações, para ajudar os técnicos de futebol, e de outras modalidades.
\"A formação académica é essencial por causa do lado científico, é com isso em mente que nós se tudo der certo, no próximo ano vamos ter um curso pós -laboral mais virado para os treinadores, e outros desportistas que estejam interessados\", anunciou.
A directora Rosa Tavares revelou que a instituição está prestes a \"lançar no mercado os primeiros licenciados em Educação Física e Desportos\", mas ao contrário das outras modalidades, o futebol ainda não apareceu para recrutar um finalista sequer. \"Apareceram clubes a recrutar apenas para o voleibol e a natação, uns apareceram a recrutar para o dirigismo\", afirmou.
Um treinador licenciado em futebol podia ser mais-valia para atingir a etapa do futebol escolar, que nos últimos tempos tornou-se uma das conversas predilectas de muitos protagonistas da modalidade no país.
“Quando se fala do desporto escolar é necessário que hajam monitores para orientar os miúdos que jogam, eles também (monitores) podem trabalhar com os miúdos nos bairros”, afirmou.                                        
                                                                   
 ISEFD
Directora quer
melhores escolas


A directora - geral do Instituto Superior de Educação Física e Desportos (ISEFD), Rosa Tavares, lamentou na entrevista que concedeu ao Jornal dos Desportos, o facto dos clubes não receberem muitos talentos que podiam despontar nos campeonatos inter-escolares, pelo facto das escolas nacionais não disporem de espaços para os petizes jogarem a bola.
“Como se começa desde pequeno, mesmo que passe pelo jardim de infância, ao ser matriculado  traz uma vivência de bairro que vai ser aperfeiçoada na escola, e depois no clube”, realçou.
A aposta no desporto escolar é boa, mas tem riscos. Por isso, a directora do Instituto Superior de Educação Física e Desportos alertou que ninguém pode fechar os olhos à realidade angolana ou africana.
Segundo Rosa Tavares, deve haver uma politica conjunta entre o Ministério da Juventude e Desportos e os governos provinciais para que as crianças talentosas que não estão inseridas no sistema de ensino, sejam enquadradas para frequentarem a escola. 
“Ainda há regiões em que existem crianças fora do sistema de ensino, muitas dessas crianças são talentosas, muitas delas praticam nas ruas, então, é importante ir ao encontro delas não podem ser colocadas de parte, mas para isso, tinha de haver uma política conjunta entre o Ministério (da Juventude e Desportos) e os governos provinciais\", concluiu.

Malanje
Professores estão em acção formativa


Com vista a capacitar os professores de educação física, de modos a dar resposta aos novos desafios consubstanciado em massificação do desporto escolar, a direcção provincial da Juventude e Desportos em Malanje procedeu na segunda-feira a abertura do cíclo de formação de professores da referida área, que arrancou a 27 do corrente mês e termina a 2 de Dezembro. Durante a formação, os docentes desportivos vão abordar temas ligados às seis modalidades,  futebol, basquetebol, andebol, voleibol, atletismo e ginástica, este é o primeiro nível de formação. Na abertura do ciclo formativo, o director provincial da Juventude e Desportos, Cristóvão Fernandes,  disse ser importante a formação dada a dinâmica que se impõem, para a reorganização da actividade física e do sistema desportivo. O responsável referiu que o governo provincial  de Malanje atravéz da direcção provincial da Juventude e Desportos, está  a trabalhar no sentido de tornar sistemático e organizar melhor o desporto escolar, com a criação de comissões encarregadas de  formar  equipas nas escolas, o que torna a formação de professores de educação física, disse.
                       Osvaldo Ferraz - Malanje