Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Palancas ainda dormem enquanto os Lees rugem

Antnio Flix - 04 de Dezembro, 2017

Finalistas entram hoje em campo com o objectivo de erguerem o trofu desta poca

Fotografia: Vigas da Purificao| Edies Novembro

A faltar já pouco menos de um mês para o início da fase final do CHAN (13 de Janeiro a 4 de Fevereiro) no Marrocos, a direcção da Federação Angolana de Futebol (FAF) guarda a \"sete chaves\" o nome de quem será o próximo treinador dos Palancas Negras e, na sequência desse cepticismo, sequer avança uma data para a apresentação do mesmo, com todos os prejuízos que deste mutismo possam resultar.
Sabe-se apenas que, eventualmente, o anuncio venha a acontecer na semana que está a correr, não se podendo, ainda assim, advinhar se aposta reverterá para a \"prata da casa\", isto é, sobre um técnico nacional, ou se, pelo contrário, a alguém que venha de \"fora de portas\", um estrangeiro, portanto, nesta altura em que o presidente da FAF, Artur Almeida, vai dizendo que, no capítulo financeiro, falta pecúlio para uma contratação de peso.
Pelo menos, neste sentido, é o que o próprio revelou no limiar deste mês.\"Continuamos a bater as portas, não temos verba para o CHAN, mas estou em crer que as pessoas vão ajudar. Sei que não seria agora, deveria ser antes, não foi antes porque temos dificuldades\".
A  verdade porém é que os Palancas Negras desde que apontaram, através de Dani Massungula, o golo da vitória, por 1-0, sobre o Madagáscar, e assim ter ditado o apuramento para a fase final do CHAN, tudo voltou a estaca zero: a selecção não está convocada, não há treinador mas, enquanto isso, fica-se apenas ao corrente dos que os outros adversários do Grupo D já estão adiantadamente fazer nos seus países e, inclusive, com estágios programados no exterior.
Diante deste quadro fica difícil acreditar que os Palancas Negras venham a ter, com se diz, uma prestação \"cor-de-rosa\" naquela que será a sua terceira presença numa fase final do CHAN, depois do Sudão, em 2011, onde foi consagrado vice campeão e, em 2016, no Rwanda.

CAMARÕES

Rigobert Song, seleccionador dos Leões Indomáveis, concedeu, há dias, uma conferência de imprensa, na sede da Federação Camaronesa de Fuetbol, um encontro com os jornalistas em que o antigo craque da defesa camaronesa anunciou já a lista dos vinte e cinco (25) jogadores para iniciarem a preparação para a fase final do CHAN, onde a sua equipa está no Gruipo D, com os Palancas Negras (Angola), Cavalos (Burkina Faso) e Diabos Vermelhos (Congo Brazaville).
O técnico deu a conhecer o esboço do programa de preparação, que compreende duas fases. A primeira vai decorrer em Yaondé, capital dos Camarões, e a segunda em Rabat (capital do Marrocos), esta de 2 a 11 de Janeiro, local em que efectuará uma partida amigável com uma selecção estrangeira, com a qual está a \"negociar\".
Rigobert Song já definiu, inclusive, a meta para o CHAN: \"Já conhecemos os adversários da primeira fase. Vamos à competição não com a ambição clara. O título é a meta que nos levará a abordar todos os jogos como finais a ganhar, para trazermos o ouro ao país\", disse.\"Camarões nunca conquistou o CHAN. Trabalho todos os dias para ver o país a erguer o troféu\" , reforçou o antigo capitão dos Leões Indomáveis.O treinador, mal terminou a Liga Camaronesa, apostou nos seguintes jogadores: Anye Fru, que joga no Union Sportive de Douala; Ebembe (Aigle); Tiencheu (Eding); Kaou Fabril (Cotonsport Garoua); Omossola Loti (Cotonsport Garoua); Moussa (Cotonsport Garoua); Touffic (Eding); Moukoko (Colombe Sangmelima); Salomon Charles (Colombe Sangmelima); Eto’o Pierre (Union Sportive de Douala); Akupia (Unisport Bafang);Abate Lionnel (Fortuna Yaoundé).
Pangop Frantz (Union Sportive de Douala); Gwot (Eding de Yaoundé); Bonny Stève (Dragon de Yaoundé);Bawak Etta (Union Mouvements Sportifs de Loum); Messi Eric (APEJES de Mfou); Namedji (Union des Mouvements Sportifs de Loum); Abouem Gravier (Union des Mouvements Sportifs de Loum);Otia Elan (Union des Mouvements Sportifs de Loum); Bitang Junior (Union Sportive de Douala); Awono Junior (Yong Sport Academy); Owundi Bertrand (Les Astres de Douala); Andoulo Serge (New Stars de Douala); Ngoun Dokouoh e Bille Black William (New Stars de Douala).


Formação
País tem cento e trinta
treinadores nacionais


Cento e trinta personalidades concluíram neste sábado passado, em Luanda, uma formação em treino de futebol, numa acção promovida pelo Movimento Nacional Espontâneo, com o suporte técnico da Associação dos Treinadores de Futebol de Angola (ATEFA)
Tendo como palco a sala de reuniões do Comité Paralímpico Angolano (CPA), no complexo da Cidadela Desportiva, o curso potenciou treinadores e antigos praticantes.
Quanto aos ex-atletas destacaram-se Love Cabungula (ASA), Zé Calanga (Bravos do Maquis), Mendonça (1º de Agosto) e alguns treinadores já consagrados como Bodunha (Petro de Luanda e Kabuscorp do Palanca) e o argentino Fernando Avalos, ex-atleta do Bravos do Maquis do Moxico e actualmente e exercer funções na equipa técnica.
Participaram igualmente profissionais do treino que militam em equipas do Girabairro-A Taça do Presidente.
 Com duração de 40 horas em 15 dias, a formação, a primeira de iniciativa do Movimento Nacional Espontâneo, teve como prelectores instrutores da  CAF, nomeadamente, Miller Gomes e Zeca Amaral.
Além de matérias sobre a ciência do treino, o currículo do curso abrangeu as áreas da medicina desportiva e da arbitragem.
O encerramento do \"clinic\" foi prestigiado pelo presidente da FAF, Artur de Almeida que, em conjunto com o secretário-geral do Comité Paralímpico Angolano, António da Luz, entregou os 10 primeiro de um total de 130 certificados de participação.


OUTRO ADVERSÁRIO DOS ANGOLANOS
Cavalos do Burkina também já trabalham a “galope”


Os Palancas Negras enquanto nem se quer a \"trote\" se fazem aos treinos, porque não têm treinador, devem saber também que o Burkina Faso, que carimbou o passe à fase final do CHAN a 20 de Agosto passado, já arregaçou as mangas, e trabalha a \"todo galope\", sob a orientação do técnico Drissa Malo Traoré.
Desde que os Calavos burkinabes bateram-se (2-2) no seu último jogo com os Blacks Stars do Ghana, buscam agora forma ideal para um equipa forte que, ao Marrocos, quer, como se diz...chegar, ver e vencer todos as adversários, a começar no Grupo D, ao lado de Angola, Camarões e Congo Brazaville.Há uma renovação a oitenta por cento, feita pelo o técnico.
 Já mexeu, contra todas a previsões, na estrutura da equipa que tinha cumprido toda a campanha de qualificação.
 Mohamed Sylla e  Hermann Nikièma são, desde logo, jogadores que os adversários hão de ter em conta, num conjunto, alguns dos habituais titulares foram \"riscados\" pelo técnico Drissa Malo Traoré.
São os casos de  Blaise Yaméogo, Narcisse Bambara, Jean Noel Lingani, Yaya Sanou e Bakary Ouattara. \"Vamos ao CHAN jogar futebol de forma profunda. Queremos ser uma equipa sólida, capaz de superara todas as adversidades no plano técnico e táctico e, para isso, requer-se uma boa preparação\", disse o técnico à imprensa do seu país.
A selecção burkinabe vai, no entanto, reforçar-se ainda com  alguns jogadores que estavam na equipa principal, sob a orientação no técnico português, Paulo Duarte, durante a fracassada campanha para o \"Mundial\" da Rússia, em que, no último jogo, venceram, copiosamente, os Tubarões de Cabo Verde, por 4-0, a 14 deste mês de Novembro.

CONGO

Poucas informações estão ainda disponíveis sobre o que os Diabos vermelhos do Congo Brazaville estão a fazer.Tendo, no entanto, em conta, o que a selecção do país vizinho protagonizou na corrida á fase final, é de crer numa preparação, para um conjunto que venha a ser um \"osso duro de roer\".
Isto ficou, sobretudo, patentes, na forma como, em casa e em Kinhshasa, defrontou sem receio os Leopardos da República Democrática do Congo (0-0 e 22) que ditou dos primeiros à fase final do CHAN, para a qual, com toda a certeza já arregaçaram as magas nesta altura em que a Federação Angolana de Futebol tarde a indicar o seleccionador nacional que, diga-se, terá a missão de esboçar, em pouco tempo já, um plano de preparação e os objectivos da disputa ( ou mera participação?) da prova a decorrer no Marrocos.                                                            A.FÉLIX