Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Palancas comeam a esboar esta noite jogo com as Zebras

Srgio V.Dias - 18 de Março, 2019

Vasiljevic orienta esta noite primeiro treino dos Palancas tendo em vista o importante jogo com as Zebras do Botswana

Fotografia: M. Machangngo | Edies Novembro

A Selecção Nacional de futebol em honras dá hoje início a sua preparação para o jogo com a similar do Botswana, referente a sexta e última jornada do Grupo I da campanha de apuramento ao Campeonato Africano da Nações (CAN) deste ano no Egipto.Depois do anúncio da convocatória pelo técnico sérvio Srdjan Vasiljevic em conferência de imprensa na passada sexta-feira, na sede da Federação Angolana de Futebol (FAF), o conjunto começa a esboçar este importante jogo hoje, à noite.Na convocatória feita pelo seleccionador nacional saltam à vista, entre outras, as ausências de Mateus Galiano, do Boavista de Portugal, e de Job, do Petro de Luanda.
O jogador da equipa lusa falha a convocatória por ter sido punido com um jogo de suspensão devido acumulações de cartões amarelos, ao passo que o profícuo médio tricolor embora esteja a atravessar um bom momento de forma, não mereceu a confiança de Srdjan Vasiljevic para este importante jogo da corrida ao Egipto-2019. Outra ausência a assinalar é a de Gelson Dala, autor de três dos oito golos dos Palancas Negras nesta campanha de apuramento a 32ª edição da Taça de África das Nações.
O avançado do Rio Ave, que na passada quarta-feira deu início aos trabalhos de campo pela sua equipa e depois de ter estado acometido com uma lesão durante três meses, não foi convocado pelo técnico sérvio por, provavelmente, estar sem ritmo competitivo. Clinton da Mata, do Club Brugge da Bélgica, nesse momento confrontado com problemas físicos, também ficou de fora da lista de convocadas.
Contudo, depois se terem concentrado ontem, à noite, no Hotel Samba, em Luanda, os pupilos de Srdjan Vasiljevic  cumprem hoje, a partir das 18h30', no Estádio dos Coqueiros, a primeira sessão de treina. A mesma será subdividida  em duas fases: uma direccionada para a recuperação do grupo de trabalho e a outra consubstanciada nos esquemas tácticos de conjunto, idealizados pela equipa técnica.
Amanhã o grupo volta a concentrar-se, igualmente, às 18h30', no Estádio dos Coqueiros, numa sessão que se deverá incidir no entrosamento dos movimentos defensivos e ofensivos, sem descurar-se, todavia, os esquemas de saídas pelas laterais.
É importante lembrar que a opção de treinar no período nocturno, pela equipa técnica, visa sobretudo fazer com que os jogadores adaptem-se à luz artificial, já que o jogo no Estádio de Francistown, a 400 quilómetros de Gaberone, acontece ao cair da tarde.Quarta-feira, dia que acontece a viagem para o Botswana, o grupo tem agendado mais uma sessão de treino as 9h00', mas já na antiga catedral do futebol nacional, o Estádio Nacional da Cidadela. A mesma estará focada na correcção de alguns detalhes tácticos e aprimoramento dos aspectos de finalização, tendo em vista o jogo com os tswaneses.Quinta-feira, já em solo-pátrio tswanês e particularmente na cidade de Francistown, por sinal a segunda maior do país, Srdjan Vasiljevic orienta o treino de adaptação ao relvado do palco do desafio. Na conferência de imprensa em que se divulgou a convocatória para este importante jogo, o técnico sérvio destacou a necessidade das cautelas a ter no Botswana.
“Temos de nos preparar bem para este jogo que será decisivo e estou convicto que iremos fazer este trabalho em conjunto, não temos muito tempo, aguarda-nos um trabalho sério contra uma selecção que perdeu todas as partidas, mas que, de certeza, está motivada”, disse.
Recorde-se que a lista de convocados por Srdjan Vasiljevic para este duelo que vai opor o Botswana à Selecção Nacional é integrada pelos guarda-redes Tony Cabaça (1º de Agosto), Ndulo (Desportivo da Huíla), Lando (Interclube) e JB (Kabuscorp do Palanca); os defesas Eddie Afonso, Wilson, Mira, Tó Carneiro (Petro de Luanda), Paizo, Issac, Dany Massunguna (1º de Agosto), Bastos (Lazio de Itália), Jonathan Buatu (Rio Ave); os médios Herenilson (Petro de Luanda), Show, José Ganga (1º de Agosto) e Stélvio Cruz (F 91 Dudelange da Holanda); e pelos avançado Nelson da Luz, Mabululu (1º de Agosto), Vá (Petro de Luanda), Chico (FC Bravos do Maquis), Geraldo (Al Ahly do Egipto), Wilson Eduardo (Sporting de Braga), Igor Vetokele (Charlton Athletic da Inglaterra), Djalma Campos (Alanyaspor), Freddy (Antályasport), estes dois últimos emblemas do futebol turco.

PERCURSO
Angola espreita  nona qualificação 

Quando ao cair da tarde da próxima sexta-feira, no Estádio de Francistown, cidade que dista a cerca de 400 quilómetros de Gaberone, capital do Botswana, Angola enfrentar a sua similar local, o conjunto às ordens de Srdjan Vasiljevic, vai tentar chegar a sua nona qualificação a uma grande montra do futebol africana. E quis o acaso do destino que mais uma vez os Palancas Negras jogassem uma cartada decisiva extra-muros.
Estamos ainda recordados que há sensivelmente 14 anos, o combinado nacional esteve envolvido na dupla campanha de apuramento ao Mundial da Alemanha e ao Campeonato Africano das Nações (CAN), tendo, para o efeito, atingido o êxito.
É verdade que hoje a campanha a que Angola está submetida resume-se apenas à grande montra do futebol que a pátria das majestosas pirâmides este ano volta a albergar. Porém, tal como aconteceu a 8 de Outubro de 2005, no Estádio Amahoro (Liberdade em português), em Kigali, Rwanda, em que os angolanos jogavam uma cartada decisiva para o apuramento quer do Mundial, quer do CAN, do ano seguinte, no próximo dia 22 podemos testemunhar mais um momento marcante da história do nosso futebol.
É que para lá da própria rivalidade que se espera do adversário, que mesmo já não tendo nada a perder e nem a ganhar, vai querer, na certa, estorvar os intentos angolanos nesta caminhada para o Egipto-2019. Na verdade, vitória é o quanto basta para Angola lograr a sua nona qualificação a uma grande montra do futebol africano.
Qualquer outro resultado que não o triunfo pode deitar por terra o sonho do conjunto regressar ao Egipto treze anos depois de marcar presença na edição do CAN que este país albergou. E isto porque neste momento com nove pontos, na segunda posição do Grupo I, Angola pode vir a ser ultrapassada pelo Burkina Faso, actual terceiro com sete e que era rotulado como o mais sério candidato a conquista do primeiro posto.
O Grupo I é liderado pela Mauritânia com 12 pontos e já qualificada para a 32ª edição da Taça de África das Nações e que se desloca nesta última ronda a Ouagadougou para jogar com a congénere burkinabe. O Botswana segura a “lanterna-vermelha” com um. 
Vale lembrar que Angola marcou presença nas edições do CAN de 1996 (África do Sul e em que se estreou), 1998 (Burkina Faso), 2006 (Egipto), 2008 (Ghana), 2010 (na prova que o país organizou), 2012 (co-organizada pelo Gabão e Guiné Equatorial) e finalmente em 2012 (igualmente com palco na pátria sul-africana).     

ARBITRAGEM
Quarteto egípcio vai dirigir o desafio 
Para este importante desafio que Angola efectua para a corrida ao Campeonato Africano das Nações de 2019, o órgão que superintende o desporto-rei no continente indicou um quarteto de árbitros egípcios.
Nessa conformidade, a Confederação Africana de Futebol (CAF) nomeou Amin Mohamed Omar, como árbitro principal, ao passo que Tahssen Abo El Sadat Bedyer e Ahmid Tawfik Teleb Ali foram designados como primeiro e segundo assistentes. Mohamed Adel Elsaid Hussein         é o quarto árbitro designado pelo organismo reitor do futebol continental, enquanto como comissário ao jogo, a eleição da recaiu para Nohan Jonh Sentso John, originário do Lesotho.