Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Palancas evitam Bafana na fase de grupos

Srgio V.Dias - 28 de Março, 2019

Angola disputa pela oitava vez o Campeonato Africano das Naes

Fotografia: Contreiras Pipa | Edies Novembro

A Selecção Nacional de futebol de honras vai conhecer no dia 12 de Abril, data reservada ao sorteio da 32ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), os adversários a defrontar na prova agendada para o Egipto, no período de 21 de Junho a 19 de Julho, com uma certeza: não defronta na fase de grupos a sua congénere da África do Sul, com quem mais enfrentou nas sete participações para as fases finais da competição.  

Os Palancas Negras e os Bafana Bafana estão no pote 3, por isso, não têm quaisquer hipóteses de medir forças, pelo menos, na primeira fase do torneio, depois de o terem feito em quatro ocasiões, com vantagem de duas vitórias para os sul-africanos, nos outros dois jogos resultaram em empates.A primeira vez, que Palancas Negras e Bafana Bafana se defrontaram para a fase final do CAN,  foi na estreia dos angolanos em 1996, prova acolhida pela África do Sul. Os anfitriões venceram, por 1-0, edição em que vieram a conquistar o troféu. 

Na segunda presença, em 1998, no Burkina Faso, angolanos e sul-africanos voltaram a cruzar-se e empataram a zero. Repetiram pontos novamente em 2008, no Ghana (1-1). No último jogo, entre ambas, os sul-africanos a jogar em casa venceram, por 2-0, em 2013. O combinado nacional garantiu presença pela oitava vez no CAN, está no pote 3,  não  defronta igualmente na fase de grupos, as selecções do Uganda, Guiné -Bissau, Zimbabwe e Burundi. 

A selecção angolana garantiu a oitava presença no Campeonato Africano das Nações, ao vencer na sexta-feira, em Francistown, a similar do Botswana, por 1-0, jogo a contar para a última jornada do grupo I. Angola terminou na primeira posição do grupo, com 12 pontos, os mesmos da Mauritânia que perdeu com o Burkina Faso (1-0). Os burkinabes têm dez pontos e os tswaneses, com apenas um ponto, ficam de fora do CAN.  

Durante a campanha, Angola teve uma prestação aceitável, foi a sétima equipa a somar mais pontos, das 24 apuradas. O Senegal lidera  ao somar 16 pontos, o grupo A, seguido da Tunísia com 15 pontos, na série J. Segue-se o Mali com 14 pontos (C), Nigéria, com 13 pontos (E), Uganda tem 13 pontos (L) e o Egipto tem 13 pontos (J) Além de Angola e Mauritânia (I), terminaram, também com 12 pontos, a África do Sul (E) e a Guiné - Conacri (H). 

Cinco cidades do Egipto vão albergar a competição, nomeadamente, Cairo, Suez, Alexandria, Ismailia e Port Said. Os restantes potes são constituídos pelas seguintes selecções: Egipto, Ghana, Tunísia, Costa do Marfim, Camarões e Senegal (pote 1), Marrocos, Nigéria, RD Congo, Argélia, Mali e Guine-Conacri (2) e Mauritânia, Namíbia, Benin, Quénia, Madagáscar e Tanzânia (4).

PREPARAÇÃO PARA O CAN 2019
Angola vai estagiar na África do Sul


A Selecção Nacional de futebol de honras vai efectuar um estágio na África do Sul, tendo em vista o Campeonato Africano das Nações (CAN) que o Egipto alberga entre 21 de Junho e 19 de Julho próximo. A garantia foi dada pelo presidente de direcção da Federação Angolana da modalidade (FAF), Artur Almeida e Silva, em Francistown, Gaberone, palco do último jogo de qualificação à competição continental.  

O número “um” da FAF sublinhou, por outro lado, que os Palancas Negras vão efectuar uma ‘tournée’ por alguns países europeus, isto para que o conjunto se adapte ao clima que vai encontrar no Egipto, dada à proximidade destes com esta nação do Magreb.

Artur Almeida e Silva deixou subjacente nas entrelinhas, que tudo passa por uma componente financeira capaz de satisfazer estes objectivos. 

“Tudo isto tem uma implicância financeira muito forte para cumprir-se”, disse o líder da FAF

Com a qualificação à fase final da 32ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), Artur Almeida e Silva tornou-se no quarto presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF) a assumir o “consulado” em que as honras asseguram a qualificação para a principal prova continental a nível de selecções. 

O líder do órgão reitor do desporto-rei no país logra esse feito na primeira tentativa como mais alto mandatário do organismo e isto por obra da vitória da Selecção Nacional na passada sexta-feira, em Francistown, Botswana, sobre a similar local, por 1-0, em desafio pontuável para a derradeira ronda da corrida ao CAN deste ano no Egipto.

Além de Artur Almeida, com o técnico sérvio Serdjan Vasiljevic no comando dos Palancas Negras, Augusto Machado (em 1996, com o luso cabo-verdiano Carlos Alhinho, e 1998, com o português Manuel Gomes “Neca”); Justino Fernandes (em 2006 e 2008, com o angolano Oliveira Gonçalves; 2010, com o português Manuel José; e 2012, com o luso-angolano Lito Vidigal) e Pedro Neto (em 2013, com o uruguaio Gustavo Ferrín), são os outros líderes da FAF que colocaram Angola num CAN.

O sorteio da 32ª edição da maior montra do futebol africano está prevista para 12 de Abril próximo, no Cairo, Egipto, mas Angola, apesar de terminar na primeira posição do Grupo I da campanha, está afastada do pote dos cabeças-de-série. 

                                                                  A Selecção Nacional de futebol de honras vai efectuar um estágio na África do Sul, tendo em vista o Campeonato Africano das Nações (CAN) que o Egipto alberga entre 21 de Junho e 19 de Julho próximo. A garantia foi dada pelo presidente de direcção da Federação Angolana da modalidade (FAF), Artur Almeida e Silva, em Francistown, Gaberone, palco do último jogo de qualificação à competição continental.  

O número “um” da FAF sublinhou, por outro lado, que os Palancas Negras vão efectuar uma ‘tournée’ por alguns países europeus, isto para que o conjunto se adapte ao clima que vai encontrar no Egipto, dada à proximidade destes com esta nação do Magreb.Artur Almeida e Silva deixou subjacente nas entrelinhas, que tudo passa por uma componente financeira capaz de satisfazer estes objectivos. “Tudo isto tem uma implicância financeira muito forte para cumprir-se”, disse o líder da FAF

Com a qualificação à fase final da 32ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), Artur Almeida e Silva tornou-se no quarto presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF) a assumir o “consulado” em que as honras asseguram a qualificação para a principal prova continental a nível de selecções. 

O líder do órgão reitor do desporto-rei no país logra esse feito na primeira tentativa como mais alto mandatário do organismo e isto por obra da vitória da Selecção Nacional na passada sexta-feira, em Francistown, Botswana, sobre a similar local, por 1-0, em desafio pontuável para a derradeira ronda da corrida ao CAN deste ano no Egipto.

Além de Artur Almeida, com o técnico sérvio Serdjan Vasiljevic no comando dos Palancas Negras, Augusto Machado (em 1996, com o luso cabo-verdiano Carlos Alhinho, e 1998, com o português Manuel Gomes “Neca”); Justino Fernandes (em 2006 e 2008, com o angolano Oliveira Gonçalves; 2010, com o português Manuel José; e 2012, com o luso-angolano Lito Vidigal) e Pedro Neto (em 2013, com o uruguaio Gustavo Ferrín), são os outros líderes da FAF que colocaram Angola num CAN.O sorteio da 32ª edição da maior montra do futebol africano está prevista para 12 de Abril próximo, no Cairo, Egipto, mas Angola, apesar de terminar na primeira posição do Grupo I da campanha, está afastada do pote dos cabeças-de-série. 

ARTILHARIA
Mateus Galiano fez a diferença

Mateus Galiano, avançado angolano que enverga a camisola do Boavista FC de Portugal e que falhou o jogo de Francistown, frente ao Botswana, por acumulação de cartões amarelos, fez a diferença na artilharia durante a campanha de apuramento a Taça de África das Nações deste ano, no Egipto, ao apontar quatro dos nove golos do conjunto nacional, no apuramento à fase final da grande cimeira do futebol continental, que acontece entre 21 de Junho e 19 Julho próximo.

O craque do Boavista estreou-se na artilharia ao bisar no jogo em que Angola goleou a Mauritânia, por 4-1, a 12 de Outubro de 2018, no 11 de Novembro, em Luanda, proeza que repetiu no triunfo de 2-1 sobre o Burkina Faso no mesmo recinto a 19 do mês seguinte.

Gelson Dala, do Rio Ave de Portugal , apontou três golos.Os demais golos foram rubricados por Djalma Campos, que capitaneou o conjunto no jogo de Francistown, que ditou a qualificação de Angola pela oitava vez a um CAN, e por Wilson Eduardo, que se estreou nesse mesmo duelo de Palanca ao peito.