Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Palancas podem passar outra fase

Paulo Caculo - 15 de Abril, 2019

Ex-presidente da FAF e tcnicos de futebol antevem possibilidades de Angola no grupo E da Taa das Naes

Fotografia: Santos Pedro | Edies Novembro

O desfecho do sorteio da  XXXII edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), que se vai disputar de 21 de Junho a 19 de Julho, no Egipto, e a integração de Angola no grupo E, ao lado das selecções da Mauritânia, Mali e Tunísia, continua a merecer as variadas reacções dos agentes desportivos nacionais. 

 Em declarações ao Jornal dos Desportos, Armando Machado, presidente honorário da FAF, Miller Gomes, técnico de futebol e David Dias, ex-médio dos Palancas e actual treinador do Recreativo da Caála, foram unânimes em afirmar, que a Selecção Nacional vai disputar a Taça das Nações, num grupo difícil, em que se deve ter atenção ao potencial das selecções do Mali e Tunísia, duas equipas com tradição na competição.  

"Todas as equipas que vão a um CAN, têm as suas motivações. É certo, que há algumas que pela sua presença regular na prova, são consideradas favoritas. Mas quem me diz, que os favoritos também não perdem jogos?", adiantou-se a questionar Armando Machado, na avaliação aos adversários de Angola. 

"Os favoritos, também perdem, de certeza absoluta. A bola é redonda e por ser redonda,  entra onde efectivamente a gente apontar melhor. Assim, vou dizer que o nosso grupo que muita gente considera acessível, é bom e não há dúvidas, que tem duas grandes equipas", avaliou e justificou porquê;

" O Mali, toda a gente sabe das potencialidades dessa selecção, pois, tem a maioria dos jogadores a evoluírem no exterior do seu país, e a Tunísia continua  a ser, quer queiramos quer não, um adversário tremendamente difícil", sustentou Machadinho, como é carinhosamente tratado. 

 Miller Gomes corrobora em pleno com a análise do presidente honorário da FAF, mas acrescenta que Angola vai medir forças com selecções que chegam a este CAN, com enorme ambição. Destacou a Tunísia, que arrebatou o troféu em 2004, e o Mali que garante ser sempre um adversário complicado de ultrapassar. 

"Deve-se atribuir algum mérito à todas as selecções, sobretudo, pelo facto de conseguirem estar presentes na competição. É óbvio, que existem sempre aquelas selecções que se colocam numa posição de favoritas, em relação às demais, pelo histórico que acumulam de participações anteriores e também, pelo potencial do seu futebol", comentou. 

Sublinhou, que "em teoria podemos afirmar que as grandes favoritas a passarem à fase seguinte, serão as selecções do Mali e da Tunísia, mas na prática Angola também tem chances de seguir em frente na competição",  disse, para tal, basta que seja um dos quatro melhores terceiro classificado.

 Quem acredita, igualmente, que as Águias e as Taranga, por coincidências duas selecções que têm a mesma ave como símbolo, lideram os vaticínios como candidatos à passagem da fase de grupos, na série dos Palancas Negras, é o treinador do Recreativo da Caála, David Dias.

Ainda assim, afirmou que nesta oitava presença no CAN, Angola tem a obrigação de repetir os feitos (quartos-de-final) alcançados em 2008, no Ghana, e em 2010, na prova que organizou. "Posso considerar que a Selecção Nacional está num grupo bastante difícil, em que vai ter de dar o seu máximo, para passar da fase de grupos", precisou. 

"Conhecemos o potencial da Tunísia e do Mali, duas grandes selecções do continente, porque já defrontamos no passado, apesar de não termos muito boas recordações. A Mauritânia é um dos adversários que não está ao nível destas duas selecções", esclareceu, mas alertou que não existem vencedores antecipados.  

"Apesar do favoritismo que se deve atribuir à estas duas selecções, sabemos que temos também uma palavra a dizer neste grupo, porque já provamos que podemos fazer melhor. Fizemos uma boa campanha de qualificação e isso, permite-nos aspirar a altos sonhos", revelou David Dias, antigo médio dos Palancas Negras.

 

HIPÓTESES DE ANGOLA

 Qualquer um dos nossos entrevistados garantem, que caso Angola comece a disputa do CAN do Egipto, com uma vitória sobre a Tunísia, muito dificilmente deixa escapar as hipóteses de ir além da primeira fase.

 "Depois do primeiro jogo, tudo começará a desenhar-se em relação as nossas possibilidades de qualificação. Acredito, que se vencermos, teremos mais chances de sonhar com a outra fase da competição", assegurou David Dias, para em seguida Armando Machado acrescentar:  

"Temos possibilidades de qualificação, mas temos de reconhecer , efectivamente, o valor da Tunísia e do Mali. Não podemos ignorar isso. Temos de incutir um espírito de viragem, disto tudo. Não tenho dúvidas nenhumas, que Angola tem hipótese de seguir em frente, mas vai depender do crer de todos", despertou. 

Disse mais adiante, que vai ser necessário as pessoas de direito incutirem esta mentalidade. "A equipa técnica e a direcção da Federação devem mentalizar os atletas, para esse objectivo. É um conjunto de esforços bem unido, de mãos bem dadas, para que Angola faça um brilharete e alcance a segunda fase do CAN", avançou. 

O técnico Miller Gomes adverte, por isso, para a importância da Selecção Nacional cumprir um "plano de preparação, em que os jogos de controlo sejam com adversários do nível das equipas que vamos defrontar" na Taça das Nações e que a nível das condições, "a Federação garanta que nada falte à equipa técnica" e que "os jogadores estejam disponíveis para o seleccionador à tempo e hora", aconselhou.

 Ainda nesta esteira, Armando Machado admite que tudo vai depender do primeiro jogo com a Tunísia. O antigo «número um» da FAF recordou, que temos contas a ajustar com a Tunísia e apontou o jogo com o 1º de Agosto frente ao Esperance de Tunis, como motivo para o saldar de contas entre os dois países. 

 "Vai ser um jogo de um querer e de uma vingança, daquilo que fizeram ao nosso 1º de Agosto. Isso, deve ser incutido aos atletas, porque temos de saber vingar e se este jogo correr minimamente bem, vamos nos vingar e com um bom resultado. Por isso, é possível conseguir a qualificação à outra fase", perspectivou.

 David Dias reforçou a ideia de que favoritismos não decidem jogos, razão pela qual, alimenta o discurso de que quer Angola quer a Mauritânia, têm condições de discutir o passe da fase seguinte do CAN. "Tudo pode acontecer", realçou. 

 É tudo muito imprevisível no futebol, mas é preciso que no primeiro jogo, a selecção mostre que está no grupo para bater-se de igual para igual, com todos os adversários".  

PRESIDENTE HONORÁRIO DA FAF
Machado quer Angola a jogar olhos nos olhos

O presidente honorário da Federação Angolana de Futebol (FAF), Armando Machado, é um 'conhecedor' da Taça das Nações Africanas. Foi durante o seu consulado que os Palancas Negras alcançaram, pela primeira vez, em 1996, a qualificação à maior competição de selecções organizada pela CAF.Machadinho tem, por isso, a receita para a Selecção Nacional conseguir o êxito na competição. Considera ter quase a certeza de que o Mali, Tunísia e Mauritânia, adversários de Angola no grupo E, do CAN do Egipto, estão igualmente com receio e alertados para a capacidade dos angolanos de surpreenderem na competição.

 "Estas equipas, também estão receosas connosco, porque quando a gente vai ao CAN, é porque tem o mínimo de qualidade e de condições para fazer frente e surpreender, quem quer que seja", afirmou, sem evasivas, o carismático dirigente desportivo. "Vamos a este CAN, com o melhor que temos. Devemos jogar com os nossos adversários, olhos nos olhos e de igual para igual. É isso, que a nossa selecção deve fazer. É assim, que comigo, no meu tempo, sempre fez a selecção. Lutou, sempre, com todos os pergaminhos, vontades e Angola deve fazer isso", acrescentou. 

 A finalizar, Armando Machado deixou rasgados elogios à equipa técnica da Selecção Nacional, assegurou que os Palancas estão a ser muito bem orientados, por um seleccionador  competente que conhece bem e que tem acompanhado o trabalho que faz na selecção. "A equipa técnica é boa, ponderada, sabe o que quer, sabe de certeza avaliar a competência e o poder dos nossos adversários", disse.