Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Palancas prolongam pausa do Girabola

Paulo Caculo - 17 de Maio, 2017

Compromissos da selecção de honra obriga o campeonato a nova paragem

Fotografia: Santos Pedro |Jornal dos Desportos

O Girabola Zap, principal campeonato de futebol do país, regista a partir do  dia 22 do corrente mês, o segundo interregno. A curta paragem tem por objectivo criar as condições para que os Palancas Negras preparem o desafio com o Burkina Faso, agendado para os dias 5 e 13 de Junho, referentes à primeira jornada do Grupo I das eliminatórias de acesso ao CAN de 2019, nos Camarões.

Depois do primeiro interregno que aconteceu em Março, por altura dos jogos amistosos com Moçambique (derrota, 0-2) e África do Sul (empate, 1-1), enquadrados na primeira Data FIFA do ano, e que marcaram a estreia de Beto Bianchi no comando técnico dos Palancas Negras, em substituição de José Kilamba, é dado adquirido que a prova registe mais uma pausa.

Segundo apurou o Jornal dos Desportos, o seleccionador nacional, Beto Bianchi, deve anunciar nos próximos dia a lista de convocados, e por conseguinte agendar o inicio da preparação, para um arranque auspicioso na campanha.

Dos eleitos do treinador hispano -brasileiro, são certas as ausências de Isaac e Geraldo, por lesão, e a grande probabilidade de novidades no grupo recentemente convocado, com destaque para o promissor avançado Gelson Dala, actualmente a \"dar cartas\" ao serviço do Sporting Clube de Portugal.

O internacional angolano chegou aos 12 golos, em 16 jogos disputados na II Liga Portuguesa, conta com uma média de 0,75 por cento de golos por encontro, superior à dos restantes concorrentes, números sem igual no que toca ao top20 dos melhores marcadores da competição portuguesa. Espera-se, no entanto, que o seu bom momento se repercuta também ao serviço dos Palancas Negras.

Integraram a última convocatória, da Selecção Nacional, os seguintes \"palancas\": Gerson Barros e Neblu (guarda-redes), Bastos, Nari, Eddie Afonso, Lunguinha, Natael, Mira (defesas), Herenilson, Jonathan Buatu, Dudu Leite, Manguxi, Paty, Buá e Ary Papel (médios) e Vá, Yano, Nandinho, Freddy e Manucho Gonçalves (avançados). Relativamente a Isaac, do 1º de Agosto, e Pirolito, do Interclube, chegaram a ser convocados neste grupo, mas foram excluídos por problemas de saúde.  

Angola disputa o acesso ao próximo CAN, ao lado das congéneres do Burkina Faso, Botswana e Mauritânia. A selecção burkinabe é apontada como  a mais forte candidata a vencer o agrupamento, embora, não se afaste a possibilidade de surpresas.

Entretanto, ao contrário do que sucedeu nas eliminatórias da prova passada, apenas o primeiro classificado de cada grupo se apura para a competição, e todos os jogos da selecção anfitriã, Camarões vão contar para as contas finais, facto que obriga aos três cenários possíveis.

Se a equipa anfitriã do CAN for o vencedor do grupo, o segundo classificado pode ser automaticamente qualificado para o CAN; caso os Leões Indomáveis forem  segundo classificado do grupo, apenas o vencedor se qualifica para a fase final. O último  cenário é, se a equipa anfitriã terminar em 3º ou 4º lugar, o vencedor do grupo está automaticamente  qualificado, e o segundo classificado deve ser elegível para qualificar-se como um dos melhores segundos classificados.

São apurados igualmente para a Taça das Nações de 2019, as três selecções melhores classificadas nos 12 grupos.

Os 12 grupos de apuramento, para a próxima Taça das Nações, são constituídos pelas seguintes selecções: Senegal, Guiné Equatorial, Sudão e São Tomé e Príncipe/Madagáscar (A); Camarões, Marrocos, Malawi e Ilhas Comores/Ilhas Maurícias (B); Mali, Gabão, Burundi e Djibuti/Sudão do Sul (C); Argélia, Togo, Benim e Gâmbia (D); Nigéria, África do Sul, Líbia e Ilhas Seychelles (E); Gana, Etiópia, Serra Leoa e Quénia (F); Congo Democrático, Congo, Zimbabwe e Libéria (G); Costa do Marfim, Guiné Conacri, República Centro Africana e Ruanda (H); Tunísia, Egipto, Níger e Suazilândia (J); Zâmbia, Moçambique, Guiné Bissau e Namíbia (K) e Cabo Verde, Uganda, Tanzânia e Lesoto (L).