Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

"Pasto" dos Palancas s deu terceiro lugar

A. FLIX - 26 de Março, 2018

Djalma Campos (no meio) voltou a mostrar faro de golo no ltimo jogo

Fotografia: M.MACHANGONGO /EDIES NOVEMBRO

Os Palancas Negras tiveram sempre que correr  \"atrás do prejuízo\", como se diz, para, no final, poderem terminar na terceira posição e subirem ao pódio do Torneio das Quatro Nações, disputado de forma animada e renhida no estádio Levy Mwanawasa, na cidade de Ndola (Zâmbia).
Na sua primeira partida, os Palancas Negras começaram por perder aos penáltis (6-7) diante da África do Sul, após terem empatado a uma bola no tempo regulamentar e, para remediar, no segundo jogo, teve de suplementarmente, vencer (também aos penáltis) o Zimbabwe, por 6-5, após igualdade a dois golos nos 90 minutos regulamentares.
Neste jogo, só para lembrar, os golos que levaram Angola aos penáltis saíram  dos pés quentes de Djalma, aos 44 minutos, e Yano (90’), quando os Palancas Negras estavam já em desvantagem. Os ,Guerreiros do Zimbabwe marcaram aos 22’ e 54’, por Amido e Piwa. Nas penalidades, por Angola, foram certos na \"pontaria\" Carlinhos, Ary Papel, Job e Bastos. Mira falhou.
O torneio, de um modo geral, foi uma rara ocasião para as quatro selecções não apenas lutarem pela conquista, mas, também, para testarem os respectivos jogadores, que actuam nos  campeonatos nacionais e no exterior, tendo em conta os futuros compromissos internacionais.
São selecções do mesmo \"campeonato\", isto é, no mesmo nível, embora estejam actualmente em lugares diferentes do ranking da FIFA. A Zâmbia está na 76ª posição, a África do Sul (75ª), Zimbabwe (105ª) e Angola (141ª).
As prestações de cada selecção, despertou cada técnico para o que farão nos compromissos imediatos, como, por exemplo, o de ter-se jogado dois meses antes do torneio da Taça Cosafa,prova regional que será disputada em Maio próximo, na África do Sul.
Depois seguir-se-ão os jogos para a corrida ao CAN de 2019, nos Camarões, para onde estão viradas as atenções maiores, depois dos insucessos anotados no sonho de marcar presença no \"Mundial\" da Rússia. Como se sabe, e só para recordar, a Zâmbia e a África do Sul foram eliminados já  fase de qualificação, numa altura em que Angola já tinha \" caído\" desta corrida, ainda nas preliminares, em que o Zimbabwe esteve ausente, devido a questões financeiras enfrentadas pela federação.      

SUB-18
Selecção pode contar com Banza do Leixões

 
O jovem avançado Chico Banza, internacional angolano pela selecção nacional de sub-20 disse ao Jornal dos Desportos que quer aproveitar a sua boa forma no Leixões de Portugal para continuar a reforçar e a servir a equipa nacional nas frente competitivas em que representará o País.
\"Quero aproveitar esta fase boa da minha carreira . Agora tenho a companhia de Vá, meu colega da selecção. Estamos optimistas em relação ao futuro da nossa carreira aqui em Portugal. Queremos estar bem para ajudar a selecção no futuro\", disse Chico Banza.
O jogador está a viver um dos melhores momentos da sua curta, mas promissora carreira, ao serviço do Leixões de Portugal.
Depois de ter chegado a Portugal no início do ano passado, ao abrigo de um protocolo entre a SAD do Leixões e o Real Sambila, válido por duas temporadas, o avançado confessou ontem ao Jornal dos Desportos estar muito feliz com os últimos desenvolvimentos da sua carreira no campeonato português da segunda divisão de honra.
 \"Estou bem, tenho me dado muito bem. Todos os dias trabalho o máximo para conseguir os melhores resultados. O que mais quero agora é ajudar a equipa a subir à primeira divisão. Tenho marcado golos e isso tem sido importante para valorizara minha presença cá\", disse o talento.
Segundo o site do Leixões, Chico banza encontra-se protegido por uma cláusula de rescisão de um milhão de euros (cerca de um milhão e trezentos dólares). Foi uma das surpresas preparados pelo técnico Fernando Chaló no recente desafio com o Sporting B, tendo sido lançado no «onze», sem nunca antes ter somado qualquer minuto pela equipa principal de Matosinhos, já que trabalhava pela equipa B.
Mas a verdade é que o angolano, de 19 anos, mostrou bons pormenores que agradaram aos responsáveis, de tal modo que continuará a trabalhar com o plantel de Chaló até ao final da temporada. Até porque pode ser mais-valia para uma equipa que está a sete pontos da zona de subida.
Contribuiu para o sucesso de Chico Banza e o interesse do Leixões a experiência produtiva no Torneio de Toulon de 2017, onde marcou quatro golos no torneio de Toulon, um frente ao Japão e três frente a Cuba, tendo sido o melhor marcador da prova, a par de dois jogadores ingleses.
Durante o percurso pelo Leixões B, o internacional angolano marcou 12 golos e  chegou a ser esporadicamente chamado aos treinos da equipa principal, mas desde há quatro semanas que trabalha assiduamente no plantel principal. Capaz de actuar quer no centro do ataque como nas faixas, tanto à direita como à esquerda, Chico Banza prima pela velocidade de ponta, irreverência com a bola nos pés e uma compleição física potente.