Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Petro de Luanda empata e deixa tudo em aberto

08 de Março, 2018

Quem vencer o jogo do dia 16 segue em frente, mas qualquer empate com golos, coloca o conjunto angolano na eliminatória da Taça da Confederação.

Fotografia: Jornal dos Desportos

Um empate sem golos (0-0) consentido pelo Petro de Luanda na terça-feira, no jogo com o SuperSport United da África do Sul , no Estádio 11 de Novembro, não permitiu vislumbrar  perspectivas de qualificação, mas deixou em aberto o desfecho da eliminatória de acesso para a fase de grupos da Taça da Confederação.
 Diante de um adversário que se sabia, à priori, ser muito difícil de ultrapassar, as incidências do jogo desta primeira mão e as dificuldades evidenciadas pela equipa petrolífera durante quase todo o jogo para chegar ao golo, foram provas inequívocas disso mesmo. Os tricolores tudo fizeram para violar as redes da baliza contrária, mas do outro lado do relvado, esteve uma equipa organizada defensivamente e boa fisicamente.
Apesar, de provocar algumas situações de perigo junto à baliza contrária, sobretudo por Manguxi, que chega a ver o poste negar-lhe o golo na segunda parte do jogo, o Petro teve inúmeras dificuldades de transpor a defesa do SuperSport. A equipa sul-africana mostrou ser um conjunto experiente e com qualidades técnicas e físicas impressionantes, aliás, reconhecidas pelo técnico Beto Bianchi no final do jogo.
O futebol rápido, intenso, dinâmico e de alta pressão evidenciado pelo SuperSport deve ser um sério recado a ter em consideração, para o desafio da segunda mão, agendado para o dia 16, em Pretória. Se, por um lado, se deve realçar o facto do Petro não sofrer qualquer golo neste jogo, facto acalentador , por outro, destaca-se também a particularidade do ataque tricolor se ter manifestado impotente para marcar . Assim, é crível que no desafio da segunda mão, em casa e diante do seu público, os sul-africanos  assumam outra postura, seguramente muito mais ofensiva, com objectivo de chegarem ao golo mais cedo e arrumar com a eliminatória. Contudo, nessa altura, pode ser determinante para o sucesso do conjunto angolano a capacidade de surpreender o dono da casa, marcar um golo que pode inverter o desfecho da qualificação a seu favor.
Um empate com golos pode ser na pior das hipóteses, o melhor resultado que o Petro consiga no terreno do SuperSport United ,no embate de resposta.  Ao contrário dos tricolores que só agora começa a época com apenas quatro jogos oficiais nas pernas, o SuperSport  vai em 24 jogos disputados no seu campeonato, facto que está a ser referenciado pela crítica desportiva nacional, como factor de desvantagem para o conjunto angolano. Aliás, trata-se de uma opinião não partilhado pelo técnico Beto Bianchi, que fez questão de afirmar (ver texto ao lado), que o número de jogos não determina o valor ou potencial de uma equipa vencer a eliminatória.
Seja como for, o facto é que a igualdade sem golos, adia a decisão da eliminatória para a segunda mão, em casa dos sul-africanos. Quem vencer o jogo do dia 16 segue em frente, mas qualquer empate com golos, coloca o conjunto angolano na eliminatória da Taça da Confederação.

BETO BIANCHI
“Não temos nada a perder”

O técnico do Petro de Luanda, Beto Bianchi, afirmou que a equipa mantém acesa a esperança na qualificação,  para a última fase da eliminatória da Taça da Confederação. O hispano -brasileiro considera ter probabilidades do seu conjunto marcar um golo em casa do adversário e obrigar o adversário à pressão.
“Não temos nada a perder e nem pensar que está tudo acabado. Queria terminar com a baliza sem sofrer golo, mas se saísse com uma vitória seria melhor. Mas este resultado, por incrível que pareça, é muito bom, porque se marcarmos um golo obriga o adversário a fazer dois”, assegurou o técnico dos tricolores.
Beto Bianchi não tem dúvidas de que está a defrontar uma equipa adulta, experiente e com jogadores de elevada qualidade,  que jogam com grande intensidade, uma realidade a que o Petro não está habituado a enfrentar nos jogos do Girabola Zap.
 “Acho, que enfrentámos uma excelente equipa, uma equipa com ritmo muito diferente da que estamos acostumados. A intensidade e a pressão dos jogadores e as condições físicas são bastante diferentes do que temos aqui, mas o Petro tentou o momento  de chegar ao golo, não perdeu a cara ao jogo. Tentamos, mas eles fecharam-se muito bem no segundo tempo e com esta intensidade que eles têm, é muito difícil”, justificou-se, antes de sublinhar que está tudo em aberto.
“O resultado está em aberto, temos o jogo de resposta e acredito que na casa deles vão ter que abrir um pouco mais e deixar mais espaço para a gente jogar”, acrescentou.
O experiente treinador referiu, por outro lado, que se deve valorizar o futebol muito bem conseguido pelo adversário e o que fez em campo, pois, garantiu que viu um adversário que pratica um futebol muito intenso e que não dá tempo a pensar.
“O que sempre insisto à minha equipa e aos jogadores, é que têm de pensar muito rápido, tal como no futebol europeu. Aqui, somos um pouco lentos na maneira de pensar. Quando recebemos a bola temos de saber o que fazer com ela e este, o ritmo de jogo do SuperSport United, é que parecia que estávamos nervosos. Era a pressão do adversário”.
PC

FUTSAL SUB-18
Rui Sampaio
mantém
a cautela


O técnico da selecção nacional de futsal, Rui Sampaio, afirmou que a sua equipa vai ser cautelosa e com mais concentração no jogo com a selecção marroquina, agendado para  sábado dia 10 no pavilhão principal da Cidadela, por formas a ganhar a segunda mão da eliminatória de acesso aos Jogos Olímpicos da Juventude, em Outubro do corrente ano, na Argentina.
Em declarações à imprensa, no final da partida amigável com a Clínica Espírito Santo, em que o seu conjunto perdeu por 3-2, o técnico referiu que o grupo encontra-se focado num único objectivo e tudo vai fazer no sentido de ultrapassar o seu adversário.
"Apesar de haver jogadores tocados, face a alguma intensidade nos treinos, temos consciência das nossas obrigações e faremos o possível de contrapor as investidas dos marroquinos", acrescentou. 
Rui Sampaio admitiu, que deve ser uma partida difícil, dado o poderio do adversário que demonstrou alguma acutilância no seu reduto, considerou que a sua formação tem largas possibilidades de passar a eliminatória, mas para isso, é preciso haver cautelas e muita determinação.
Quanto ao resultado do treino efectuado na terça-feira, Rui Sampaio disse que não está em conta, mas dá mais endurecimento ao grupo de trabalho.
"Queremos dar rodagem competitiva aos nossos jogadores, para que na fase derradeira  correspondamos com as nossas expectativas", afirmou.
Integram a selecção angolana: Hélder dos Santos (guarda-redes), Reveldinho Santos, Rui Sampaio, Osvaldo Agostinho, Teodoro Vaz, Estácio Paim, José Delgado, Paulo de Carvalho, Victorino Bento, Fernando Crinico,Vasco Pascoal, Estefânio Hipihalo, Floreano Sangueve, Edileuson Katimba e Leando Muhungo.