Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

"Plasma social" da nao angolana

Pedro Ressurrei??o* - 23 de Janeiro, 2017

A revista Trumuno da autoria dos radialistas Mateus Gonalves e Carlos Pacavira e disponibiliza, com detalhe, o percurso do movimento futebolstico entre os anos 1977 e 1987.

Fotografia: Vigas da Purificao

Quando se apresta para iniciar - a 10 de Fevereiro - a trigésima nona edição, o campeonato nacional de futebol da I divisão, vulgo Girabola, mostra que sempre representou uma espécie de "plasma sanguíneo" da nação Angola - mesmo antes dela existir como país livre.

Mais do que mera diversão, a competição mais abrangente e regular do desporto nacional desempenha diversos papéis, como integração social, socialização, união e coesão nacional e intercâmbio cultural e até expansão da marca Angola, através de jogadores e treinadores de nomeada, cujo ponto alto foi o campeão do mundo Rivaldo.

Por tudo isso, o Girabola pode ser comparado em funções ao plasma sanguíneo no corpo humano. O campeonato nacional da I divisão disputa-se em toda extensão do país, conforme competência dos clubes, e dura cerca de nove meses, envolvendo 16 equipas.

A edição 2017, que se inicia a 10 de Fevereiro, avulta em expectativas, sobretudo pela mudança na direcção da Federação. Outrossim, o patrocinador oficial do campeonato entra no seu segundo ano de Girabola com novos desafios, em face da crise económica actual, que reduziu ao mínimo os habituais estágios no estrangeiro.

Um ponto de apreensão geral, pela competitividade que tem emprestado à prova nos últimos anos, é a indefinição do Benfica – a única formação que ainda não começou os treinos, a 19 dias do início do Girabola. Do ponto de vista competitivo, e com influência directa nos dois factores anteriores, há ainda a expectativa à volta da competitividade da edição passada.

Particularmente, o pós-Ary e Gelson, os indubitáveis maiores factores de atracção, autores de 35 golos dos 60 com que o 1º de Agosto se sagrou campeão. Transferidos para o Sporting de Portugal, estes dois jovens de 20 e 22 anos deixaram “órfão” de produtividade e espectacularidade, não só o D’Agosto mas o campeonato todo.

Por fim, é incontornável enquadrar o 39º campeonato com um outro grande evento que o país vai viver: as eleições gerais. Pelo menos em mediatização. Por curiosidade, em ano de eleições sempre houve campeões diferentes: primeiro foi o 1º de Agosto (1992), seguiu-se o Petro de Luanda (2008) e por fim o Recreativo do Libolo (2012).

NOME ASSOCIADO
À (R) EVOLUÇÃO

O termo Girabola, designação do principal campeonato de futebol de Angola, nasceu antes da independência nacional criado por um jornalista.
A revista "Trumuno", dedicada ao futebol angolano no período 1977-1987, refere que o termo “Girabola” foi empregue em 1967 pelo radialista Rui de Carvalho (que também foi ministro da Comunicação Social). Na altura referia ao campeonato da província de Angola.

Nessa época, foram surgindo as primeiras manifestações de nacionalismo no desporto; nas cidades começava a ser melhor compreendido o fenômeno da guerra de libertação que no interior do país se desenvolvia. Conforme escreve o "Trumuno", o campeonato português da primeira divisão não tinha nada a ver com o de Angola.

Eram provas completamente distintas e dentro deste espírito da Frente Ampla para o Desporto, criada nesse mesmo ano, passou-se a personificar o campeonato, dando-lhe um cariz puramente nacionalista, através de uma linguagem que se ajustasse a este espírito. Foi desta forma que nasceu o termo Girabola que, com toda a carga de intenção, passou a definir o campeonato de futebol de Angola. Assim que foi instituído o Nacional da primeira divisão, em 1979, a designação Girabola ressurgiu com toda força e com outro impacto.

De facto uma denominação, sobretudo, exclusiva que encarna o espírito de unidade nacional expresso numa prova que tem servido para aproximar a juventude de todas as regiões etno-geográficas do país, escreve o “Trumuno”. A revista Trumuno é da autoria dos radialistas Mateus Gonçalves e Carlos Pacavira e disponibiliza, com detalhe, o percurso do movimento futebolístico entre os anos 1977 e 1987.
* Jornalista da Angop