Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Possveis desistncias agitam mercado

Betumeleano Ferro - 09 de Dezembro, 2017

Demora na autorizao de transferir divisas constituiu a maior dificuldade dos clubes nacionais

Fotografia: Jos Soares | Edies Novembro

0 mercado de transferências do futebol nacional está a ser agitado, devido a rumores de possíveis desistências, de alguns competidores do Girabola Zap 2018. O Jornal dos Desportos soube, que os aparentes problemas financeiros por que passam algumas formações, estão a fazer com que clubes que desceram de divisão, casos do Atlético Sport Aviação (ASA) e do Santa Rita de Cássia FC do Uíge, estejam na expectativa de continuar a disputar o campeonato.
As queixas do costume viraram moda nos últimos anos, mas o exemplo recente do Benfica de Luanda que desistiu na temporada de participar no campeonato por dificuldades financeiras, alimenta o sonho de quem quer  voltar a disputar o Girabola Zap, sem passar pela Segundona, motivo por que tenciona reforçar-se bem para fazer melhor do que na presente época.
As abordagens aos potenciais reforços já estão a ser feitas, ao que apuramos alguns atletas estão a ser aliciados com a possibilidade de jogar no Girabola Zap. A montra da primeira divisão pode ser determinante para que os reforços sondados olhem mais para o campeonato, do que para o nome da equipa que a representar na próxima época.
Alguns dos clubes que estão no mercado de transferências, preferem ser modestos nas suas abordagens, a primazia está a ser dada a atletas nacionais para evitar passar pelos constrangimentos de lidar com atletas desmotivados pela demora na resolução da questão das divisas.
A demora de conseguir autorização para transferir divisas para o exterior,  tornou-se nas últimas duas épocas, a maior dificuldade dos clubes do Girabola Zap em satisfazer a demanda dos seus expatriados, uma experiência que algumas equipas não querem voltar a viver, de maneira consecutiva, enquanto a situação não estiver totalmente resolvida. O futebol jovem de Luanda tem tudo, para ser o principal fornecedor de clubes que estão atrás de reforços, o Jornal dos Desportos soube, que atletas formados no 1º de Agosto e no Petro de Luanda estão entre os mais cobiçados, em parte porque alguns deles já tiveram a experiência de representar, embora, de maneira fugaz, plantéis seniores.
O processo negocial com os potenciais reforços está a decorrer sem grandes sobressaltos, há atletas que estão livres, pelo que a assinatura do vínculo contratual depende apenas do entendimento com o clube que os contactou.
A crise financeira por que Angola passa, está a afectar também o desporto, o futebol por ter o campeonato com mais equipas é o que mais se ressente, anúncios de desistências se tornaram comuns antes, durante e depois do término do campeonato. Este ano, vários clubes ameaçaram abandonar a competição, mas à excepção do Benfica de Luanda, mais nenhum passou das palavras aos actos.
 O Sporting de Cabinda (1996) e a Sécil Marítima (1999) são as equipas na história do campeonato a desistir com a prova em andamento.