Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Progresso e Desportivo da Hula acertam calendrio no Buraco

Betumeleano Ferro - 16 de Novembro, 2019

Sambilas e huilanos medem foras no domingo em desafio de encerramento da oitava jornada do campeonato nacional num jogo com desfecho imprevisvel

Fotografia: M. Machangongo | Edies Novembro

O Girabola deixa de ter jogos em atraso amanhã, quando Progresso do Sambizanga e Desportivo da Huíla encerrarem a oitava jornada. Como que para dividir o mal pelas aldeias, a federação determinou que o \"polémico jogo\" seja realizado no estádio do Buraco, pelo que o campo neutro vai ser o reduto ideal, para as duas equipas se empenharem na luta dos pontos, a partir das 16H00.
Os militares da Região Sul estão muito melhores no campeonato e o dobro da pontuação que possuem tem peso suficiente para sentenciar o jogo. A maneira como os huilanos estão a dar boa conta de si, pode ser determinante para obter o que querem, por isso há mais confiança na equipa orientada por Mário Soares, porque as coisas lhe correm sempre bem.
A viver uma fase negra no campeonato, os sambilas vão tentar surpreender o seu oponente.  Os desaires consecutivos deixaram marcas profundas na equipa técnica e atletas. A má classificação já começa a preocupar os adeptos, embora ainda faltam muitas jornadas para chegar a meta, mas a hora da estabilidade é essa, ou o Progresso acorda agora ou quando o fizer já vai ser muito tarde.
A precisar de sair da zona aflictiva em que se encontram, Kito Ribeiro e seus pupilos sabem, que estão muito limitados naquilo que querem e podem. Ainda assim, têm de aceitar as suas limitações, antes de escolherem a estratégia para tentar surpreender os militares da Região Sul.
A equipa técnica sabe o que é melhor para o plantel, mas do jeito como as coisas estão não parece sensato o Progresso querer se igualar ao Desportivo. Os huilanos estão ansiosos para abater os sambilas, mas também sabem que a série negra do adversário não é capaz de durar toda a vida.
É verdade que os militares da Região Sul têm a faca e o queijo na mão, com todas as condições favoráveis para vencer no campo neutro, mas se vacilar, o que é comum quando o adversário é \'fraco\', do lado podem ser feliz num golpe de eficácia.