Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Reduzir o grupo

Paulo caculo - 23 de Dezembro, 2017

Seleco entra na fase de triagem

Fotografia: Jornal dos Desportos

Hoje é dia de triagem nos Palancas Negras. O seleccionador nacional, Srdjan Vasiljevic, começa a partir da sessão de treinos desta tarde, às 16 horas, no estádio da Cidadela, a separar o grupo de jogadores que, na sua óptica, lhe dão melhores garantias de formação do  "núcleo duro" que compete de 23 de Janeiro a 4 de Fevereiro no CHAN, agendado para o próximo ano, no Reino de Marrocos.
A partir desta sessão, começa a ficar claramente definido os prováveis jogadores que devem integrar o grupo que viaja ao palco da competição, assim como os atletas de atletas que podem fazer parte do "onze" da selecção. E, diga-se, nesse aspecto, que as escolhas do técnico não deve trazer muitas novidades, sendo que o seleccionador faz questão de depositar total confiança às opções do seu antecessor, Beto Bianchi.
Se, por um lado, durante a ausência dos jogadores do Petro e do 1º de Agosto chegou-se a aventar a forte possibilidade do treinador sérvio apresentar em Marrocos uma equipa totalmente renovada, com muitos jovens da selecção de sub-20, por outro, depois que o grupo ficou completo, fica quase a certeza de que a equipa que vai ao CHAN deverá conservar no "onze" as principais unidades fundamentais na manobra do conjunto.
Apenas 23 jogadores dos actuais 34 seguem viagem para o palco do CHAN. Ou seja, onze atletas serão afastados deste grupo que actualmente trabalha às ordens de Srdjan Vasiljevic e seus auxiliares. Depois do Natal, o grupo regressa menos extenso, fruto das duas triagens que devem acontecer durante as sessões de treinos do fim-de-semana.
O Interclube fornece a maioria dos jogadores (9), nomeadamente Landu, Rui, Mano Calesso, Valdez, Moco, Paty, Chiló, Ito e Tó Carneiro, enquanto o Petro está a seguir com cinco (Mira, Wilson, Herenilson, Manguxi e Job). Já o 1º de Agosto 'dispensou' para a selecção apenas o lateral Natael, dos nove convocados pelo seleccionador.
À disposição do seleccionador, agora, 34 atletas, nomeadamente os guarda-redes Landu (Interclube), Jotabé (Maquis), Rui (1.º de Maio) e Josué (Kabuscorp), defesas Lunguinha, Nari (Kabuscorp), Mira (Petro de Luanda), Natael (1º de Agosto), Medá ( Real Sambila), Waldez (Interclube), Lito (Académica Lobito), Adilson (Caála), Buchinho (Progresso  do Sambizanga), Jó (Desportivo da Huíla), Tó Carneiro (Interclube) e Depaizo (Libolo); médios Celson Barros (Libolo), Paty (Interclube), Mano Calesso (Kabuscorp), Manguxi (Petro de Luanda), Almeida e Mega (Progresso do Sambizanga), Chiló e Ito (Interclube), Gui (Maquis), Dudu Leite (Caála) e Herenilson (Petro de Luanda) e os avançados Vá e Fofó (Progresso do Sambizanga), Kaporay (1.º de Maio), Bugos (Sagrada Esperança), Moco (Interclube), Job (Petro de Luanda) e Adó Pena (Sagrada Esperança).

CONSTATAÇÃO   
“Benguela é uma boa montra”  

De acordo com o novo adjunto dos Palancas Negras, a província de Benguela é fértil em bons quadros desportivos e acredita que bem aproveitados podem dar um contributo valioso para o desenvolvimento do desporto no país.
"Benguela foi sempre um dos principais viveiros do futebol nacional. A história conta que daquela circunscrição saíram sempre nomes sonantes, antes e depois da independência por isso, deve-se manter o mesmo apoio e atenção", apelou.
Silvestre Pelé recordou que a Académica do Lobito é uma das melhores escolas do país, não obstante as condições razoáveis de trabalho. Recordou que nas provas nacionais, em juvenis e juniores, está sempre entre as quatros melhores.
"A Académica não deve nada a ninguém, em termos de formação. Acredito que caso aumentem um pouco mais, as condições podem ser melhores que as do Petro e do 1º de Agosto. Aliás,  estas duas equipas, neste momento, estão em pé de igualdade com a Académica, apesar de terem as melhores condições", louvou.
 Para lá da vertente atletas, avançou que a província também é um bom exemplo em termos de qualidade profissional dos técnicos. " Basta ver que a maior parte dos técnicos benguelenses, na época  passada, tiveram emprego. Estou a falar de mim, Tramagal e Águas, só para citar estes todos do nível C", precisou.
Enaltece o trabalho que a Associação Provincial de Futebol de Benguela (APFB) está a fazer pelo empenho na formação dos técnicos locais, e acredita que melhores dias virão para esta classe.
"Penso que são incansáveis no que toca à formação de técnicos e fruto deste empenho, hoje a maior parte dos técnicos da província atingiram o nível C. Acredito mesmo, que estão prestes a levar a província aos níveis subsequentes. Um gesto louvável",  recordou.
Não é apenas dos técnicos e atletas que Pelé se orgulha nas terras das acácias rubras. A componente dirigismo desportivo mereceu igualmente a sua avaliação, defende que podem e devem melhorar um pouco mais.
"Acho, que o dirigismo é uma componente que deve acompanhar os outros elementos de formação", aconselhou. "Esta componente anda um pouco atrasada. Nós temos mais formação na área de atletas e técnicos, do que a nível de dirigentes, o que é muito mau para o desenvolvimento do futebol nacional. Peço mais empenho neste lado", disse.

CONCORRÊNCIA
Jogadores procuram convencer treinador


Os dias de trabalho da Selecção Nacional decorrem como se de uma autêntica pré - época se tratasse. A luta incessante dos jogadores pelos lugares de destaque da equipa domina a preparação orientada pelo técnico Srdjan Vasiljevic, no estádio da Cidadela.
Tal como já se esperava, a chegada dos jogadores do Petro, 1º de Agosto e alguns da equipa de sub-20, sobretudo aqueles de elevada qualidade, como são os casos de Medá, Buchinho, Mega, Lito e Adilson, contribuiu para espevitar ainda mais a concorrência no seio dos Palancas, facto que obriga aos atletas mais antigos da equipa a redobrarem esforços, de forma a não perderem os lugares entre os titulares.
Adivinha-se, por isso, enormes "dores de cabeça" para o seleccionador nacional, embora o grupo conserve, ainda, entre os pré-seleccionados a maioria dos jogadores responsáveis pelo brilhante percurso que culminou com a qualificação ao CHAN do Marrocos.
Dos vários sectores da selecção a baliza é o que, seguramente não deverá obrigar a muitas análises. Landu e Jotabé encabeçam as opções. O ataque pode ser a grande preocupação, já que não se vislumbra avançados com grande relação íntima com os golos, não obstante as boas referências a Fofó e Moco.
Já em relação ao meio-campo, a lista de opções é vastíssima: Celson Barros, Manguxi, Herenilson, Paty, Chiló, Ito, Dudu Leite e Chiló Meda. Deste núcleo, reconhece-se a qualidade do passe, drible e assistências ao ataque de Job, Paty, Herenilson e Manguxi. Aliás, unidades habituais nas convocatórias da Selecção Nacional.