Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Secretrio do Estado descarta ttulo

Avelino Umba - 19 de Novembro, 2017

Secretrio do Estado para os Desportos Carlos Almeida (ao centro) considera fortes os adversrios das outras seleces africanas

Fotografia: Dombele Bernardo

O secretário de Estado para os Desportos, Carlos Almeida, defende a aposta numa selecção nacional de futebol para o futuro, descartando, deste modo, a luta pela conquista do título da 5ª edição do Campeonato Africano das Nações para jogadores que competem em provas internas, CHAN, que se disputa de 13 de Janeiro a 4 de Fevereiro próximo, em Marrocos.

De acordo com o antigo capitão da selecção nacional de basquetebol, em entrevista ontem ao Jornal dos Desportos, na Mabor, município do Cazenga, a direcção do Ministério da Juventude e Desportos acompanhou ao pormenor o sorteio, realizado na noite de sexta-feira última, em Rabat, e considera fortes adversários as selecções dos Camarões, do Congo e do Burkina Faso, mas tudo vai ser feito para que os Palancas Negras tenham uma campanha airosa.

 "Acompanhámos de perto o emparceiramento, onde ouvimos do presidente da Federação (Artur de Almeida e Silva) dizer que Angola está num grupo difícil, mas nós temos também objectivos nesta prova. Deste modo, pensamos que para esta competição (CHAN), seria bom não apontar o título, mas começar a preparar uma selecção que venha a conseguir apurar-se para os Jogos Olímpicos. Vamos pensar, se nos for possível, competir com uma selecção que tenha uma média de idade não superior a 23 anos", disse.

Apesar disso, Carlos Almeida, que falava momento à sua chegada na cerimonia de abertura da 1ª edição da fase nacional do torneio de futebol infantil de bairro Amabola, troféu "A Força do Futuro", realizado no campo das Malhas Lord, no município do Cazenga, mostrou-se confiante numa boa participação de Angola na competição africana, não obstante algumas questões ainda por serem tratadas.

"Ainda existe algumas questões que têm que ser resolvidas ao nível do nosso futebol, bem com da própria Federação Angola de Futebol (FAF), mas pensamos que se conseguirmos ultrapassar aquelas questões mínimas, então, vamos poder começar já a prognosticar uma selecção forte e por que não começarmos a preparar uma selecção de Sub-23?", questionou-se.Interrogado se as questões tem haver com a equipa técnica, o governante disse que se tratava de aspectos administrativos.

"Há questões administrativas que têm que ser tratadas a nível do Ministério da Juventude e Desportos, juntamente com a Federação Angolana de Futebol (FAF), mas pensamos que estamos no bom caminho, pois a interlocução entre o Ministério e o órgão reitor da modalidade (FAF) tem sido positiva e constante. Desta feita, pensamos que temos as condições criadas para a nossa participação e augurarmos, como disse antes, o objectivo é formar uma selecção que sirva o país no futuro", concluiu.


Desporto das Comunidades
Carlos Almeida elogia torneio Amabola


O Executivo angolano está a levar em consideração aquilo que são as suas tarefas para que o desporto dê o salto que se pretende. A afirmação foi feita ontem, no campo das Malhas Lord, no Cazenga, pelo secretário de Estado para os Desportos, Carlos Almeida, à margem da abertura da 1ª edição do torneio infantil de bairro Amabola, troféu "A Força do Futuro".

Carlos Almeida que representou na actividade a ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Sacramento Neto, afirmou que já constatou os projectos do Executivo relacionado com o futebol e o desporto comunitário acaba por ser de uma importância vital.

"Os números falam por si. O Ministério da Juventude e Desportos, como instituição que dá cumprimento às políticas desportivas do país, não podia estar à margem de uma actividade de tamanha importância como esta (Torneio Amabola). Estamos diante de uma actividade de âmbito nacional, com uma envolvência, só na província de Luanda, de 178 equipas, onde estão a participar 25 atletas por equipa, o que perfaz aproximadamente 8.630 crianças. Isso para perceber a força do desporto comunitário", referiu.

O governante angolano realçou que se cada província se apresentar com 20 equipas, o projecto da Amangola terá uma média de 37.000 crianças, o que para aquilo que tem sido as orientações e parafraseando o Presidente da República, João Lourenço, "o desporto comunitário é uma das alavancas em busca do desenvolvimento do desporto no país".

"Temos experiência do passado bastante positiva, porquanto o nosso desporto sempre foi sustentado pelas comunidades. Prova disso, temos muitas figuras e nós mesmos somos produtos, primeiro do desporto na comunidade e depois o desporto escolar. Deste modo, o Executivo está a entrar naquilo que são as suas tarefas para que o desporto dê aquele salto que se pretende", disse.

A primeira edição nacional do torneio infantil de bairro Amabola", troféu "A Força do Futuro", a nível de Luanda, teve início com o jogo Famosinho Escola FC do Cazenga - API FC (Alegria do Povo Ilhéu ) da Ingombota, com vitória dos cazenguistas por três bolas a uma. A abertura do torneio contou, para além do secretário de Estado para os Desportos, Carlos Almeida, com o presidente da Comissão Directiva da Amangola, Job Capapinha, e alguns administradores municipais e distritais da província de Luanda.    M C


Campanha
Angola inicia diante do
Burkina Faso


A selecção nacional de futebol de honras, vice-campeã africana na prova realizada em 2011, no Sudão, inicia a sua campanha na 5ª edição do Campeonato Africano das Nações para jogadores que actuam nas provas internas, CHAN, diante do Burkina Faso, de acordo com o sorteio realizado na noite de sexta-feira última, em Rabat, Marrocos. O jogo referente ao grupo D, será disputado no próximo dia 16 de Janeiro, às 19h30, na cidade de Agadir.

O segundo jogo dos Palancas Negras está marcado para o próximo dia 2o de Janeiro, às 16h30, na mesma cidade, diante dos Camarões, ao passo que o desafio da terceira e última jornada da fase preliminar, ante o Congo, acontece às 19h00, do dia 24 do mesmo mês, na mesma cidade.

De acordo com o regulamento da competição, os dois primeiros classificados de cada série, apuram-se para os quartos-de-final, e vão jogar no sistema cruzado, ou seja, 1A Vs 2B, 1B Vs 2A, 1C Vs 2D e 1D Vs 2C.

Os quatro grupos da 5ª edição do CHAN, que se disputa em 2018, em Marrocos, são formados pelas seguintes selecções:
Morrocos, Guiné, Sudão e Mauritânia (Grupo A/Casablanca), Costa do Marfim, Zâmbia, Uganda e Namíbia (B/Marrakech), Líbia, Nigéria, Rwanda e Guiné Equatorial (C/Tangier), Angola, Burkina Faso, Camarões e Congo (D/Agadir).