Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Seleccionador constata qualidade

Augusto Panzo, em Benguela - 28 de Janeiro, 2017

Responsável técnico dos Palanquinhas tem mais opções para a Selecção nacional que vai competir no Campeonato Africano das Nações em Abril próximo

Fotografia: Vigas da Purificação

O seleccionador nacional de futebol em Sub-17, Simão Coxe "Languinha", enriqueceu o seu bloco de apontamentos com o registo de novos talentos para a selecção da categoria, depois de presenciar em Benguela, onde esteve em trabalho, o desenrolar do Campeonato Nacional que decorreu de 10 a 25 do corrente, com intenção de descobrir outras promessas para integrar o grupo às suas ordens.

“Digo que tirei boas ilações dessa competição, pela forma que este campeonato (Sub-17) foi disputado. Houve muita qualidade, os jogadores mostraram grande valor técnico, o que indicia que os mesmos estão a ser bem trabalhados pelos seus treinadores. Portanto, saio daqui (Benguela) muito satisfeito com os jogos que vi, e com as exibições das equipas”, disse o seleccionador dos Palanquinhas.

Languinha Simão enalteceu de forma geral o trabalho das escolas de formação, cujas equipas desfilaram no campeonato, que consagrou mais uma vez a equipa do 1º de Agosto, e sentiu-se muito lisonjeado com as províncias do interior, em comparação com as de Luanda, por esta ser a capital do país, e dispor de um nível competitivo diferente das restantes.

“Em primeiro lugar, penso que todas as equipas jogaram bem. Agora, há que realçar aqui algumas escolas que se destacaram mais, isto com relação ao trabalho levado a cabo nas demais províncias, tal como a Académica do Lobito, o Domant FC de Bula Atumba, o Norberto de Castro e outras”, confessou.

Indagado do por quê, dessa particularização, o treinador da Selecção Nacional de Sub-17 defendeu-se e disse que os jogadores dessas equipas mostraram boa qualidade.“Digo isso, porque, sem menosprezar à prestação dos outros, em princípio, essas equipas tiveram um bom desempenho ao longo da prova, e os seus jogadores demonstraram muito boa qualidade”, justificou.

Sob comando de Languinha Simão, a Selecção Nacional de futebol em Sub-17 está apurada para disputar a fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) da categoria, que se disputa em Abril, ainda sem local, pois a Confederação Africana de Futebol (CAF) retirou a organização ao Madagáscar.


COMPROMISSO
“Vamos fazer poucas alterações”


A equipa técnica da Selecção Nacional de Sub-17, que em Abril vai competir no Campeonato Africano das Nações (CAN), em local a indicar, captou vários talentos no Campeonato Nacional que decorreu em Benguela. A garantia foi dada pelo seleccionador Simão Coxe "Languinha" ao Jornal dos Desportos.

Contudo, Languinha Simão lamenta o facto de não contar com todos os jogadores nos trabalhos da selecção, em função do tempo de trabalho que leva com o resto do grupo. “Consegui captar vários talentos durante a prova (Campeonato Nacional). Mas como devem compreender, nós  temos um trabalho que está a ser desenvolvido desde o ano passado. Portanto, não vamos fazer muitas alterações ao esqueleto que já existe, ou seja, são poucas as mexidas”, disse.

Indo à exactidão, o treinador dos Sub-17 avançou com a ideia de utilizar um máximo de quatro a cinco jogadores, do grupo de talentos que  captou no decurso da competição.

“Estamos a prever convocar quatro ou cinco jogadores novos. Vamos ver o que  conseguimos com estes atletas durante a fase de triagem, a que os mesmos vão ser submetidos”, afirmou

Ainda assim, o JD insistiu em saber se os jogadores em causa já vão ser utilizados no CAN, mas Languinha Simão alertou que antes, estes atletas têm de ser submetidos ao exame de ressonância magnética.

“Esses jogadores terão de ser submetidos a um teste de ressonância magnética, a fim de se comprovar as respectivas idades. Se corresponderem às idades permitidas na competição, nós poderemos utilizá-los no CAN”, esclareceu.    
 AP