Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Seleco cai de p

29 de Janeiro, 2018

Angola ainda imps um equilbrio no jogo e obrigou a Nigria a acreditar que estava tambm, diante de um forte adversrio mas...

Fotografia: CAF

Gabriel, avançado nigeriano, que ontem só entrou na segunda parte desvaneceu completamente, já aos 109 minutos, no prolongamento, o sonho dos angolanos de verem os Palancas Negras a marcarem com garbo presença nas meias-finais do CHAN´2018 que decorre no Marrocos. As Águias triunfaram por 2-1 e defrontam o Sudão nas meais-finais.
É, assim, motivo para se dizer que não foi desta que os Palancas Negras repetiram  a sorte assistida do dia 18 de Fevereiro de 2011, quando, festivamente lograram o passe histórico para as meias-finais  (depois de na altura eliminarem os Camarões, por 8-7, no seguimento de uma primeira série de 5-5, aos penáltis,no CHAN, então disputado no Sudão, país cuja selecção também os angolanos afastaram , por 5-3, aos penáltis) só tendo perdido a final diante da Tunísia (3-0).Ontem a euforia quase repetia-se. Esteve ao pé, mas...o se passou é que as Super Águias da Nigéria foram mais certeiras, mais batalhadoras na relva do estádio Ibn Batou, na cidade marroquina de Tanger. Conseguiram com mérito, com experiência um suado lugar nas meias-finais do CHAN de 2018. Nada pois a contestar. Elas fizeram por merecer.
Mostraram que não foi em vão  que marcaram presença nos quartos-de-final após terminar em primeiro lugar no Grupo C com resultados de  0-0 com o Rwanda; 1-0 sobre a Líbia e 3-1, sobre a Guiné Equatorial.
Ontem entraram com um jogo \"a matar\", onde o avançado, Anthony Okpotu, 23 anos, procurava concretizar o que prometeu antes do jogo, que era marcar mais golos no desafio com os Palancas Negras.Este não conseguiu, porém, revelou-se, em boa verdade, muito letal a jogar ao ataque. Tal  já era até previsível, tendo em conta o que dele se viu desde o primeiro jogo da sua selecção, diante da Guiné Equatorial, em que \"matou a sua sede \" com um golo.
Dono de dezanove (19) golos na época passada no campeonato do seu país ontem  para \"sufocar\", inicialmente, a marcação que lhe era feita por Wilson, contava com muito apoio do seu colega e capitão, Ikechukwu Ezenwa, a servir-lhe passes mortais.
Anthony, por pouco, \"batia\" o guarda-redes angolano Landu, aos 14 minutos, mas, Wilson, particularmente, dava conta do recado, o que, de certa forma, complicava a estratégia individual e colectiva que o técnico das Super Águias , Salisu Yusuf, orientou aos seus pupilos.
Os Palancas Negras, que terminaram em segundo lugar, no Grupo D, com dois pontos ( 0-0 com o Burkina Fasso, 1-0 sobre os Camarões e 0-0 com o Congo Brazaville, no Grupo D),aos 15 minutos sentiram que tinham de mudar a corrente atacante e defensiva porque o jogo estava só... \"a dar Nigéria\".E se o equilíbrio se impunha então bateu certo. O sinal positivo verificou-se com um cruzamento de Job, que Vá só não concretizou porque não chegou \"na hora\". Foi a partir desta acção ofensiva que, finalmente, Angola impôs um equilíbrio no jogo e obrigou a Nigéria a  acreditar que estava, também, diante de um adversário que merecia respeito: percebeu que os angolanos estavam a destilar um futebol de alto caudal ofensivo.Mano Calesso ainda falhou duas flagrantes oportunidades aos 33 minutos. Não fez o mais fácil, tendo, porém, facilitado a vida do guarda-redes nigeriano Okechuke.Tratou-se, portanto, de uma primeira parte em que Angola começou sem criar perigo territorial à Nigéria, esta que, por seu lado, passou a fazer bons passes e a construir jogadas. O equilíbrio ditou o empate (0-0) na primeira parte.

REATAMENTO
Na segunda parte, que reiniciou sem alterações nas duas selecções, foi preciso jogar-se até aos 55 minutos para que Angola inaugura-se o marcador com um \"golo de sorte\" de Vá. De sorte, porque beneficiou de um passe de Fofó, pois, a bola embateu no seu corpo de modo fez-se ao fundo das rédes da Nigéria.
Foi então que a selecção da Nigéria teve de sacar dos seus galões para pressionar a equipa angolana  a toda a dimensão da relva e em todos os sectores. Obrigou os Palancas  a procurarem defender a vantagem e só esporadicamente ousarem outros ataques, descosendo, porém, a defesa que veio a  ser fatal. Sofreu aquele quase golpe de misericórdia - o  mal digerido golo de empate (1-1) aos 90+1 minutos, que arrastou as duas equipas ao prolongamento. E o pior para Angola aconteceu com o golo (2-1) de Gabriel:  aos 109 minutos .

FILME
Momentos cruciais durante todo jogo


35 minutos:  Mano perde oportunidade para Angola (0-0)
45 minutos: Landu comete falha grave (0-0)
50 minutos:   Nigéria leva perigo à baliza angolana (0-0)
55 minutos: Vá marca para Angola (0-1)
65  minutos: Tó Carneiro vê cartão amarelo.
77 minutos : Nigéria falha empate. A bola embate no poste de Landu
80 minutos : Almeida rende Mabguixi
82 minutos: Fofó falha segundo golo para Angola
90 minutos: mais três de prolongamento
90+1 minutos: golo da Nigéria
( empate, 1-1)
109 minutos : Gabriel faz 2-1 para a Nigéria
119 minutos:  Patty falha empate