Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

"Sou patriota e profissional"

Jorge Neto - 22 de Março, 2018

Capitão dos Palancas Negras está feliz por integrar convocados de Srdjan Vasiljevic

Fotografia: KINDALA MANUEL|EDIÇÕES NOVEMBRO

O internacional angolano da Lázio da Roma e da Selecção Nacional, Bastos Quissanga, afirmou estar disponível a representar as cores do país, sempre que chamado para o efeito, independentemente, da competição ou jogo em causa.
“Sou angolano, patriota e profissional. Estou sempre disponível a servir o meu país, não importa  o momento, nem a missão, e estou disposto a levar o nome de Angola o mais distante possível”, manifestou o defesa central, durante uma entrevista à Angop.
O também capitão do combinado nacional afirmou estar feliz por mais esta oportunidade que o seleccionador lhe concede, para  integrar o grupo que desde ontem até 25 do corrente mês, vai disputar o torneio das quatro Nações, na vizinha República da Zâmbia, numa competição inserida na primeira Data FIFA do ano.
Bastos, de 26 anos de idade, disse não temer a concorrência na sua posição, pensa no colectivo e não de forma individual, visto que todos os jogadores convocados para a empreitada têm qualidades para representar a selecção, e estão focados em dignificar o nome de Angola.
Questionado sobre o desempenho do clube na UEFA e o sentimento de disputar os quartos-de-final desta competição europeia pela primeira vez na carreira, o ex-jogador do Petro de Luanda recusou-se a falar do assunto, alega estar concentrado unicamente nos objectivos da selecção.
O torneiro das quatro nações está a ser disputados pelas selecções de Angola, África do Sul, Zimbabwe e a anfitriã Zâmbia.Para a empreitada, o seleccionador Srdjan Vasiljevic tem disponível 23 jogadores, incluindo os avançados Djalma Campos, do Paok Futebol Clube da Grécia, e Ary Papel, do Sporting de Portugal.
Palancas Negras
discutem 3º lugar
A selecção nacional de futebol vai disputar hoje às 17h00 em Ndola, o jogo classificativo para o terceiro lugar do Torneio das quatro Nações, inserido na Data Fifa que desde ontem decorre na Zâmbia,  face a derrota por 7-6 na marcação de pontapés de grandes penalidades, diante da congénere da África do Sul.
O duelo Palancas Negras - Bafana Bafana teve de ser decidido na marcação de penáltis, pelo facto de terminar  empatado (1-1) aos 90 minutos regulamentares.
Os Palancas Negras adiantam no marcador aos 32 minutos, por intermédio do regressado Djalma Campos, não  conservaram a vantagem de uma bola alcançada na primeira parte,  ou seja, os sul-africanos aos 51m restabeleceram a igualdade por Lebo Mothiba.
Com isso, o jogo foi decidido na transformação de grandes penalidades e os sul-africanos foram mais felizes,  marcaram sete bolas contra seis dos angolanos, resultado  encontrado na segunda série de penáltis, uma vez que a primeira terminou empatada a cinco tentos.