Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Super campeões

Betumeleano Ferr?o - 05 de Fevereiro, 2017

1º de Agosto derrota Libolo mantém a hegemonia na conquista das Supertaça

Fotografia: José Soares

O 1º de Agosto começou a época a ganhar conquistando a Supertaça. O golo madrugador de Geraldo chegou muito cedo, aos 3', e teve a virtude de empurrar os militares para o comando da partida frente a um Libolo que não teve alternativa se não render-se à evidência dos factos.

Ser qualquer menosprezo pelo adversário o resultado foi enganador, pois, o campeão nacional esteve sempre mais perto do golo e de vencer por uma vantagem de dois ou mais golos.

Da forma como os rubro negro desdobravam-se em campo sempre com rapidez por toda a largura e cumprimento do campo, em alguns momentos ficou-se com a sensação de que o Libolo estava em inferioridade numérica, pois, o 1º de Agosto tentou com sucesso, abafar o adversário dentro do seu meio reduto e foram inúmeras as vezes em que pressionava logo na primeira zona de construção.

Incapazes de ter sossego para tentar reagir a madrugadora desvantagem, os libolenses viram os militares  a dominar como quiseram. Com rapidez de execução apesar de perder as referências Papel e Gelson, a equipa apareceu com outra personalidade competitiva e em vários momentos fez com que o jogo fosse mais disputado no meio-campo libolenses.

O domínio não teve muito suporte da apontaria afinada dos seus dianteiros, que com as suas rápidas desmarcações e segurança de passe deixaram a defesa contrária sem poder de reacção, mas ninguém queria seguir o bom exemplo de Geraldo, para a alargar e fugir no marcador.

O 1º de Agosto foi muito perdulário, mas demonstrou sempre eficácia na hora de controlar o jogo e forçou o Libolo a ser uma equipa curta, tanto é assim que em toda a partida os laterais libolenses tiveram de se resguardar muito no seu meio-campo, porque quem jogava de rubro-negro passou como quis, nos corredores laterais.

Um dos segredos do triunfo do 1º de Agosto foi a grande pujança física dos seus jogadores. Quando na segunda parte o Libolo tentou crescer para chegar ao empate, Ivo Traça fez três mexidas lançando em campo jovens dispostos a manter a toada de jogo da sua equipa.

O Libolo descongelou na segunda parte e conseguiu ser mais competitivo, do que na primeira, mas nunca teve sangue frio para acabar com os fortes níveis de confiança de quem marcou cedo e esteve sempre mais perto de ampliar o marcador, do que de sofrer golos. Ainda é cedo para julgamentos, mas o 1º de Agosto ontem teve identidade e deixou os seus adeptos com água na boca, pelo menos nas provas internas. 

O árbitro João Goma teve uma actuação regular, mas por culpa própria, aparentava estar com receio de mostrar cartões para não estragar o jogo, e também dos seus auxiliares, com realce para Rosário Cassinda, que deu mais motivos de queixa ao 1º de Agosto. As leis de jogo são para serem cumpridas antes mesmo do apito inicial, mas o juiz internacional demonstrou algum receio de meter de imediato a mão no bolso para não condicionar a equipa mais faltosa.


1º DE AGOSTO
Atitude e determinação dita triunfo


A aposta no colectivo assumido pelo técnico Dragan Jovic na conferência de imprensa, esteve bem patente ontem no triunfo da equipa do 1º de Agosto sobre o Recreativo do Libolo. Eis o desempenho individual dos jogadores agostinos:
Tony Cabaça: Transmitiu segurança aos seus colegas.
 
Isaac: Cumpriu essencialmente as tarefas defensivas, mas ousou pouco no ataque tal como tem sido habitual.

Bobó: Foi muito forte nas marcações e demonstrou porque razão consta no plantel deste ano dos agostinos.

Dany Massunguna: O capitão chamou a si a responsabilidade de comandar a defesa e cumprir na íntegra bem acompanhado por Bobó.

Natael: Está em fase de adaptação na equipa, mas não limitou-se apenas em defender, subiu no terreno sempre que pôde criando mais espaços na defesa da sua antiga equipa.

Ibukun: Esteve muito interventivo no jogo e fez as transições ofensivas da sua equipa, mas não encontrou espaço para rematar, como habitualmente gosta de fazer.

Paizo: Deu muita luta aos adversários e quando subiu para ajudar ao ataque falhou uma boa oportunidade para marcar, mas no momento do remate escorregou na grande área.
 
Buá: Excelente trabalho sobre os defesas do Recreativo do Libolo e assistiu para o golo madrugador de Geraldo. Fez um bom jogo. 

Macaia:
Na sua primeira aparição com a camisola rubro e negra não comprometeu.  

Geraldo:
Marcou aos três minutos, aproveitando uma oferta de Paizo. Saiu a coxear, pedindo mesmo a substituição.

Vado: Iniciou com muita vontade, mas aos poucos desapareceu no relvado, sem fazer nenhum remate, apesar de correr bastante.

Gogoró:
Entrou no segundo tempo em substituição de Geraldo e trouxe uma lufada de ar fresco ao jogo ofensivo da sua equipa. 

Nelson:
Teve nos seus pés uma boa oportunidade para “matar” o jogo, mas levou de mais o seu esforço e a corrida de mais de 35 metros não serviu para nada. 

Meda: Substituiu Vado no segundo tempo e foi bastante discreto.

Jorge Neto


LIBOLO
Clima afecta rendimento dos atletas

O Recreativo do Libolo apareceu para o primeiro jogo da época com uma equipa sem grande condição física e a ressentir do clima quente, ainda assim, esteve altura da partida e dignificou a abertura da época. A prestação dos libolenses pecou apenas pela falta de maior acutilância no meio campo. Eis a prestação individual: 
Ricardo Baptista - Esteve bem ao longo da partida e não teve culpas no golo sofrido. Seguro evitou por diversas vezes que a sua baliza volta-se a ser violada.
Carlitos - Exitou na disputa de bola com um contrário e foi fatal para a sua equipa que culminou com o único tento que ditou a derrota no jogo.
Celson - No único lance que falhou permitiu o adversário adiantar-se no marcador.
Gomito- Certo nas marcações e competente no apoio aos colegas a sua estreia foi a todos os níveis positivas e provou ser mais mais valia na defesa do Libolo.
Eddie - Não conseguiu dar ajuda necessária para sua equipa chegar ao golo manifestando alguma falta de rotina e não esteve em dia sim.
Ito - o Médio trinco esteve bem na partida, cumprndo a sua função em campo e foi dos poucos que não terá ressentido do clima.
Sidnei - Batalhador e sempre que pode fez a sua equipa jogar com rápidez. Faltou acompanhasse às suas passadas. 
Kaya- Pouco ou nada fez e fou uma das unidades em sub-rendimento. Foi substituído a entrada do segundo tempo por Higino.
Viet-A vestir pela primeira vez a camisola do Recreativo do Libolo deu o seu máximo.
Nandinho - Bom no drible e forte nos lances de um para um. Infelizmente, a sua condição física não permitiu fazer os seus sprint habitual.
Fabrício - Esteve bem em campo mais pouco apoiado no ataque. Sempre que pode deu luta tentando inverter o rumo dos acontecimentos.
Higino - Entrou na segunda parte no lugar de Kaya e não alterou nada em campo. 
Cabibi- Esperava-se que viesse trazer outra dinâmica no ataque, mas não teve arte para.
Paizinho- A sua entrada não deu a dinâmica que se espevara.  Valódia  Kambata


PALMARÉS
Datada de 1988, a Supertaça de Angola em futebol, é a competição que envolve os vencedores do campeonato nacional e da taça, organizada para ser  disputada  a 4 de Fevereiro, este ano é  a sua 28ª edição, opõe  pela primeira vez no seu historial,  as formações do 1º de Agosto e Recreativo do Libolo do Cuanza Sul.
A prova cujo primeiro vencedor foi o Petro de Luanda, conheceu um interregno de dois anos (1989 e 1990) e é dominada pela equipa “militar” com oito títulos, quatro dos quais de forma consecutiva.
Segue-se o Petro e o Atlético Sport Aviação (ASA), ambos com seis troféus,  Interclube (3), Libolo (2), enquanto o Independente do Tômbwa, Benfica de Luanda, Santos FC e Kabuscorp do Palanca, têm um título cada.

Lista dos vencedores
e datas da Supertaça

Geraldo decide

O esquerdino Geraldo voltou a ser decisivo no primeiro jogo da época do seu 1º de Agosto. Assim como o ano passado, quando os militares se estrearam no campeonato, o médio ofensivo voltou a assinar o 'livro do golo' na mesma baliza e apressou os passos da conquista da sua equipa. A estratégia de jogo dos militares tinha várias nuances e Geraldo soube estar a altura de todas elas e sempre confiante para cumprir com o seu dever em campo. A frieza demonstrada pelo esquerdino na hora de sentenciar a Supertaça contagiou toda a equipa. Nem mesmo quando saiu aos 68', aparentava estar cansado, os seus colegas não se sentiram órfãos. O contrário sim aconteceu, todos seguiram as pisadas de Geraldo e o controlo do jogo e da vantagem nunca esteve ameaçada. 


DECLARAÇÕES

Vaz Pinto ( Recreativo do Libolo)

“Faltou mais agressividade”
Falta um pouco de mais agressividade da nossa equipa na primeira parte e deixamos o 1º de Agosto a apoderar-se do meio campo. Sofrer um golo logo as três minutos alterou um pouco a nossa estrutura táctica, mas não retira mérito ao 1º de Agosto que foi um digno vencedor e o troféu está bem entregue. A derrota em nada belisca os nossos objectivos para esta época e devo dizer que continuam intactos.

Ivo Traça (Adj. 1º de Agosto)
“Estamos
de parabéns”

É sempre bom começar a época com vitória. A rapaziada bateu-se bem e cumpriram com as orientações do banco com excepção de uma ou outra falha o que é normal no inicio da época, com destaque para as transições defesa-ataque,  mas de um modo geral estamos de parabéns por termos cumprido o  objectivo traçado. O Libolo é um adversário que merece todo nosso respeito e temos que reconhecer que bateu-se muito bem.