Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Supertaça divide militares e petrolíferos

27 de Janeiro, 2018

Os rubro-negros não concordam com os argumentos da Federação

Fotografia: Edições Novembro

A Supertaça começou a aquecer, fora das quatro linhas. A FAF decidiu que a competição deve ser disputada numa data, que não seja o 4 de Fevereiro, mas essa decisão não é do agrado, pelo menos, do 1º de Agosto.
Ao contrário do rival Petro de Luanda, os rubro-negros não concordam com os argumentos da Federação,  querem que a época comece mesmo na data prevista, salvo se Angola qualificar-se para  a final do Chan, se acontecer no mesmo dia em que estava marcada para a abertura da época.
Paulo Maguejo, Zoran Maki e Miller Gomes todos representantes militares no encontro, defenderam que a Federação devia pensar numa alternativa, mas a FAF mostrou-se irredutível na sua posição. \"Toda a nossa máquina organizativa já foi desmontada, acreditamos que vamos estar na final do CHAN\", afirmou Jeremias Simão, do conselho técnico.
A presença dos Palancas Negras no jogo decisivo do CHAN, também é do agrado do 1º de Agosto, ainda assim, os mandatários do  campeão nacional, sem sucesso, aconselharam a FAF a mudar de planos, caso a selecção falhe  a  final.
O secretário-geral, Rui Costa, admitiu que Angola pode cair nos quartos ou nas meias-finais, e mesmo que aconteça não vai a tempo de reajustar o passo para fazer com que a época comece com a Supertaça.
De resto, é ponto assente que com ou sem final, à  presença de Angola no último jogo da competição de Marrocos, a Federação vai permanecer irredutível.  A temporada vai abrir com a jornada inaugural do campeonato nacional, a 9 de Fevereiro.
O problema, agora, é encontrar um consenso para a Supertaça, a nova escolha da FAF favorece pouco o 1º de Agosto, por causa do seu compromisso nas Afrotaças.
Uma das datas sugeridas pela FAF, é 13 de Fevereiro ou depois da terceira jornada do Girabola ZAP, mas nenhuma das sugestões beneficia os rubro - negros.
\"Nós tentamos salvaguardar os interesses do 1º de Agosto e do Petro de Luanda, dado os seus compromissos africanos. Pensamos que na ronda 3 fosse uma boa ideia, mas dá para ver que não vai dar certo\", lamentou Rui Costa.
Os militares  começam a disputar as Afrotaças em casa e têm o jogo da segunda mão no Zimbabwe, na visita ao FC Platinium Stars. As dificuldades de chegar e sair de Harare, fizeram com que se negociasse uma data mais favorável.
Nem  a iniciativa de enviar o director- geral, Fernando Barbosa \"Barbosinha\", para falar com a direcção da formação zimbabweana  resultou em algo de bom, o que também prejudica os esforços da Federação de achar uma data de consenso para o tira-teimas da Supertaça entre os rivais, 1º de Agosto, campeão nacional, e Petro de Luanda, vencedor da taça.