Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Supertaça pode sofrer adiamento

Betumeleano Ferr?o - 28 de Janeiro, 2017

Fafusa

Fotografia: José Soares

A Federação Angolana de Futebol de Salão "Fafusa" é capaz de alterar a data da disputa da Supertaça Joaquim da Graça, se levar em conta os argumentos do Grupo RNT, equipa de Luanda, que enviou um documento à Fafusa a "reclamar do local da disputa da competição", soube ontem o Jornal dos Desportos do secretário-geral Eliseu Major.

A Supertaça Joaquim da Graça, que é disputada em ambos os sexos, tem como palco escolhido de maneira atempada a cidade piscatória do Namibe, mas o RNT sugeriu a Fafusa que escolha um outro local. O secretário-geral Eliseu Major esclareceu que o seu elenco vai se reunir na terça-feira, 31, para dar o veredicto final sobre a questão levantada pelo campeão nacional.

Se aceitar os argumentos do Grupo Rede Nacional de Transportes "RNT", a Fafusa vai escolher uma data alternativa ao 12 de Fevereiro, que estava inicialmente acordada. Embora a ideia da mudança não tenha também o respaldo dos Académicos do Namibe, vencedora da Taça de Angola e equipa adversária da RNT, Eliseu Major afirmou que a Federação vai tomar uma decisão imparcial.

O adiamento da Supertaça em masculinos também tem influências no jogo em femininos que vai ter como protagonistas o Clube Desportivo do Exército, campeão nacional, e o Xhapesseca do Huambo, vencedor da Taça de Angola.

Como a decisão da competição é sempre feita no mesmo dia, o secretário-geral garantiu que a Fafusa quer se manter fiel a esta tradição, "se houver uma alteração nos masculinos, isto significa que a prova feminina também fica afectada", enfatizou.

Além de deliberar sobre a disputa ou não da Supertaça na data indicada, a Fafusa convocou uma reunião com a Associação Provincial de Luanda, os presidentes e secretários-gerais de todos os clubes de Luanda. Eliseu Major afirmou que o encontro é de carácter obrigatório porque vão ser abordados todas as questões ligadas ao momento da modalidade no país.O secretário-geral da Fafusa realçou que o calendário da temporada e os programas concebidos para a sua maior expansão em todo o território nacional, são dois dos temas quentes da reunião marcada para terça-feira, a partir das 18 horas na sede da federação.


INOVAÇÃO
Fafusa ambiciona criar
nova categoria de árbitros


A Fafusa ambiciona criar uma inovação na arbitragem nacional, "pela primeira vez na nossa história, nós ansiamos por um quadro de acesso", revelou Eliseu Major ao Jornal dos Desportos. O secretário-geral esclareceu que a federação quer começar a seguir uma norma uniforme para acabar "com o critério aleatório", que até ao momento adoptou ao lidar com as questões da arbitragem.

O grande objectivo da federação é fazer do quadro de acesso o trampolim ideal para a ascensão a categoria internacional. A elite do apito de futsal é composta por quatro árbitros, 3 masculinos e 1 feminino, mas Eliseu Major mostra-se convicto de que com a criação de uma categoria nacional, vai ajudar os juízes do escalão inferior a adquirir o traquejo necessário para começar a apitar com as insígnias da FIFA.

A Fafusa anseia ver alargado o quadro de árbitros de futsal, o secretário-geral afirmou que o seu elenco tem o alvo de ter "entre 18 a 20 árbitros". Se este número for alcançado, Eliseu Major promete que a arbitragem vai crescer em quantidade e qualidade, "com este leque alargado vamos ter a possibilidade de fazer um campeonato nacional com 14 árbitros", afirmou.

O calendário da federação é feito de 3 competições, campeonato, Taça e Supertaça, provas suficientes, no entender de Eliseu Major, para ajudar os árbitros a atingirem a qualidade ansiada pela Fafusa. "Se tivermos um grande campo de escolha, então, vamos ter a hipótese de ter no futuro, os melhores a apitar apenas os jogos do campeonato nacional", vaticinou.

A intenção da Fafusa de aumentar o leque de opções para a época sofreu um pequeno revés nos testes físicos que os árbitros efectuaram na quinta-feira. Dos 4 internacionais, apenas 2 ficaram aprovados, enquanto do quadro nacional 8 atingiram as marcas desejadas, 6 chumbaram nos testes.

Dentro de dois meses, vai ser realizado um novo teste físico e Eliseu Major anseia ver todos os árbitros a obterem uma nota positiva, para que a federação consiga ter ao seu dispor todos os juízes que deseja.
Betumeleano Ferrão