Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Suspeio continua na arbitragem

Betumeleano Ferro - 20 de Junho, 2018

Os bastidores da arbitragem nacional esto bem agitados com erros em campo e relaes suspeitas

Fotografia: Santos Pedro | Edies Novembro

A suposta presença de Alves Simões, presidente do Interclube de Angola, numa das reuniões do Conselho Central de Árbitros de Futebol de Angola \"CCAFA\", ainda dá o que falar.
Um ex-membro do CCAFA revelou, sob anonimato ao Jornal dos Desportos, que tomou conhecimento do que aconteceu através de pessoas que estavam na sala.
Até à altura em que falou para este jornal, o ex-dirigente do CCAFA assegurou que as várias versões que recebeu, reforçaram a sua convicção e, por isso, prefere depositar a sua confiança no que ouviu.
\"É claro que aconteceu, não tenho por que duvidar, eu não estava lá mas me informaram de tudo o que aconteceu, o Alves Simões chegou lá e fez ameaças\", garantiu.
O acesso às reuniões do CCAFA é restrita aos filiados e, por isso, a fonte afirmou que, em momento algum, se deveria abrir uma excepção.
\"O dirigente do Interclube até poderia ir fazer a sua reclamação, mas deveria ser recebido no gabinete do presidente do CCAFA, não é em plena reunião que isso deveria ter ocorrido, porque a reunião é para árbitros e comissários, não para elementos estranhos, não é ético nem lógico permitir que isso aconteça\", afirmou.
Por achar que se tratou de um precedente, o ex-membro do CCAFA afirmou que, desde o início do campeonato, foram várias as equipas prejudicadas, por erros da arbitragem, mas nem por isso os dirigentes dos clubes em causa participaram de alguma reunião.
\"Se deixaram um entrar, então, deveriam fazer o mesmo com os outros, para que todos recebessem o mesmo tratamento, afinal, com ou sem razão, as pessoas sempre reclamam no final do jogo\", disse.
Os bastidores da arbitragem nacional estão bem agitados. A nossa fonte concordou com esse ponto de vista de Jorge Mário Fernandes, presidente do CCAFA e, inclusive, admitiu que não existem boas relações entre os anteriores e actuais membros do CCAFA. \"Eu prefiro não falar que existe uma divisão entre nós, mas a grande verdade é que a nossa arbitragem vive actualmente um clima de injustiça, há vários exemplos que podem ser dados para sustentar essa afirmação\", sublinhou.
As relações pouco amistosas entre os antigos e actuais dirigentes do CCAFA, parece se reflectir no tratamento dado aos comissários e árbitros.
Sobre isto, o interlocutor do jornal disse que, o elenco de Jorge Mário Fernandes, tem usado pesos diferentes para medir as mesmas situações.
\"Há filhos e enteados, seria injusto dizer que estão a perseguir este ou aquele, mas não se aceita que uns sejam punidos por erros menores, ao passo que não acontece nada aos que cometem falhas graves\", afirmou.
Quanto à carta que denúncia esquemas de corrupção na arbitragem e que o este jornal fez referência, na edição do passado domingo, o nosso interlocutor confirmou que ela existe, mas também gostaria de ver o autor a aceitar dar a cara, como pediu Jorge Mário Fernandes, para dissipar todas as dúvidas.
 \"Eu ouvi por alto há algum tempo que está a circular aí alguma coisa, mas a única certeza que tenho é que eu não sou o autor dela, não escrevi nada. Eu diria que sou eu, se tivesse algo a ver com isso, também estou curioso em ver quem é que fez isso\", concluiu.