Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Talaia aguarda resultado do inqurito

Jorge Neto - 13 de Julho, 2018

O rbitro Paulo Talaia est suspenso e aguarda pelo resultado do inqurito levado a cabo pelo Conselho Central de rbitros da FAF

Fotografia: Arimateia Baptista | Edies Novembro

O árbitro Paulo Talaia está suspenso e aguarda pelo resultado do inquérito levado a cabo pelo Conselho Central de Árbitros da FAF, para averiguar os motivos da validação do golo da formação do Sporting de Cabinda, diante do Petro de Luanda, referente à 22ª jornada do Girabola Zap.
A confirmação foi feita ontem pelo presidente do referido órgão, Jorge Mário Fernandes, na sala de reuniões da FAF. O dirigente referiu que, caso o juiz tenha cometido erro, vai cumprir um castigo não inferior a 70 dias.
"O árbitro Paulo Talaia está suspenso e não será nomeado nos próximos jogos, até se apurar a verdade dos factos. Admitindo que tenha havido um erro, vamos dar o nosso parecer. Esse erro não dá irradiação da arbitragem, mas sim um caso de corrupção", esclareceu.
Sublinhou que "caso seja sancionado receberá a mesma sanção que os outros árbitros tiveram, como o árbitro do jogo entre o 1º de Agosto e o Progresso do Sambizanga, em que foi castigado por 70 dias", destacou.
O homem forte da arbitragem nacional, apelou para que todos tenham paciência e levem o tempo que for necessário à observar o vídeo, em relação a trajectória da bola e tirarem as suas ilações. 
"Em relação a este caso, ainda não temos uma opinião formada. Queria pedir aos senhores jornalistas, que analisassem a trajectória da bola, depois de bater na barra e embater no solo. Peço que tenham um pouco mais de paciência, que analisem o lance. Outro caso estranho é o facto do Petro não ter reclamado da situação, no local".
Jorge Mário Fernandes disse ainda, que estão a trabalhar e que neste momento têm cinco árbitros castigados sem citar nomes e promete, na devida altura, fazer mais pronunciamentos sobre estes casos.
Disse, por outro lado, estarem radiantes pela actuação feita no Mundial da Rússia, pelo árbitro assistente, Jerson Emiliano, o único representante angolano na maior competição futebolística do mundo, que termina no próximo dia 15.
O dirigente admitiu que o jovem juiz assistente, pode ser homenageado na gala que a FAF realiza anualmente.

FAF E G3

Presidentes reúnem de emergência

Os presidentes de direcção do Petro de Luanda, 1º de Agosto e Interclube reuniram-se ontem de emergência com o líder máximo da FAF, Artur Almeida, para abordar assuntos relacionados com a calendarização do Girabola Zap, o regulamento do Conselho de Disciplina e a situação actual da arbitragem. 
Na condição de porta-voz do encontro, o presidente dos tricolores, Tomás Faria, considerou o encontro de proveitoso. O dirigente destacou a questão ligada à calendarização, que esteve em cima da mesa. 
"Em relação a calendarização, o concelho técnico vai analisar, porque pedimos que, quer na parte de cima da tabela como na parte baixa da classificação, seja necessário que todas as equipas tenham o mesmo dia de repouso, porque há equipas que estão a ter dias a mais do que os outros e que se faça justiça", adiantou.
A situação actual do regulamento de disciplina da FAF, preocupa os líderes dos clubes da capital do país, que aguardam pela Assembleia Geral, que se realiza no próximo dia 25 do corrente.
"As alterações que tinham de ser feitas no regulamento de disciplina não estão terminadas. Pedimos que se faça de forma célere, para ver se ainda vão à tempo de serem incluídas na próxima assembleia, agendada para o dia 25 do corrente".
Destacou que "tivemos alguns casos polémicos como o dos professores Agostinho Tramagal ( técnico do 1º de Maio) e Simão Paulo ( adjunto do Interclube) e achamos que não devemos passar pelo próximo Girabola sem eles", apontou.
O dirigente explicou, que os novos pontos de vistas ligados a arbitragem foram recusados pela FAF, por não terem sido incluídos no início do campeonato. "Analisamos a arbitragem de forma geral e aconselhamos o concelho central", salientou.
Tomás Faria sublinhou que "as opiniões que demos nesta altura já não são possíveis de serem feitas, mas foram muito bem reparadas por este concelho, na medida em que as regras devem ser determinadas no início do jogo e nunca quando está a decorrer. A nossa intenção é que haja melhorias", precisou.
O dirigente tricolor fez referência a ausência do VAR, que pode ser colmatada com as imagens das câmaras da emissora televisiva que esteja a transmitir o jogo em directo, dando a possibilidade do árbitro e o 4º árbitro analisarem naquele momento. Porém, esta situação teria de entrar em vigor, antes do início do campeonato.
Quanto ao caso polémico criado pelo árbitro Paulo Talaia, Tomás Faria revelou ainda que o Petro de Luanda deu a entrada de uma carta, onde fez a sua reclamação a FAF no passado dia 10 do corrente, e nesta altura aguarda pela resposta do órgão que dirige o futebol nacional.  
Jorge Neto