Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Um olhar para os novos talentos do futebol

Paulo Caculo - 11 de Novembro, 2017

Agentes do futebol discutiram sobre futebol e beberam da experincia de outras realidades

Fotografia: Jos Soares

Um tributo de reconhecimento às velhas glórias do futebol angolano marcou ontem o encerramento do II Congresso da modalidade, organizado pela F3M, Talent Spy, Academia de Futebol (AFA) e a Federação Angolana de Futebol (FAF), no Anfiteatro 6 do Centro Comercial Avenida, em Luanda.
Durante dois dias, dirigentes, treinadores e agentes desportivos estiveram a analisar as melhores as soluções para o desenvolvimento do futebol nacional. Pese a vontade manifestada pelos participantes, alguns dos cenários apresentados pelos prelectores, em nada reflectem a realidade dos clubes angolanos, muitos dos quais, com inúmeros problemas financeiros.
Enquanto alguns treinadores, como é o caso de Arnaldo Chaves, manifestam-se ainda reticentes em relação ao alcance dos resultados que se pretendem, \"quando ainda temos um campeonato com equipas que reclamam de dinheiro para competir no principal campeonato\", existem outros, a exemplo de Miller Gomes, que acreditam que embora os Congressos não resolvam os problemas do futebol na sua essência, \"trazem ferramentas que nos ajudam a crescer\".
Das várias abordagens feitas ouvir na sala, realce para o facto da maioria ter incidido sobre o facto dos cenários apresentados não reflectirem a globalidade, mas antes uma visão parcial do futebol profissional na Europa, onde os recursos às tecnologias de ponta faz-se com naturalidade, sobretudo no que a «organização do departamento de scouting» dos clubes diz respeito.
E, diga-se, nesse particular, que a experiência trazida pela Academia de Futebol de Angola ao Congresso terá servido para elucidar as quantas andam os clubes de futebol no nosso país. Ramon Alturo, professor da AFA, aquando da dissertação sobre «a tecnologia ao serviço da Academia de Futebol de Angola», fez questão de apresentar dados estatísticos que permitem fazer um estudo do perfil antropométrico do futebolista angolano.
\"A importância de avaliar o perfil antropométrico do jogador, permite que se perceba a diferença de crescimento de forma significativa entre os 12 aos 16 anos. O porte físico é uma variável que não se pode ignorar ou esquecer. Os órgãos responsáveis pela organização das competições devem respeitar as etapas de evolutivas dos jovens jogadores\", disse Ramon Alturo.
Esteve igualmente em destaque no fecho do Congresso a abordagem dos temas dos painéis reservados para o dia de encerramento, tendo o vice-presidente da FAF, Dealdino Balombo, dissertado sobre o que se pretende com o evento. Na ocasião, o dirigente federativo esclareceu, entre outros aspectos, que o objectivo  do Congresso visou a busca de uma orientação e visão comum do futebol no país, criar capacidade na federação para uma melhor governação em perfeito alinhamento com as associações provinciais, clubes, adeptos e sociedade em geral.
Numa conversa animada entre Bento Valente, representante do 1º de Agosto, Samy Matias (Interclube) e Domingos da Silva Mitó (Progresso do Sambizanga) foi possível perceber as dificuldades dos clubes em constituir um departamento de scouting. Destes clubes, apenas o 1º de Agosto assegurou ter condições para fazer trabalhos de captação e aquisição de novos talentos pelo país. Já o Interclube e o Progresso apostam em trabalhos de captação de talentos de forma esporádica ou através de antigos atletas e amigos que ajudam no processo de descoberta de jovens promissores.
Durante o evento, ficou claro a grande preocupação dos participantes com a ausência dos presidentes dos clubes no Congresso, mesmo após convite da organização. Com o facto, a maioria dos presentes acredita ser muito difícil alcançar os objectivos preconizados pela modalidade, quando outros se furtam aos debates.


MANUEL LOTH
“Eventos muito importantes”


A antiga estrela do futebol do 1º de Agosto, Manuel Loth, destacou ontem o enorme interesse que despertou os dois dias de Congresso do Futebol, em Luanda. O ex-futebolista considera fundamental que mais encontros como estes organizado pela FAF e parceiros voltem a acontecer, para que se descubra os caminhos de acesso ao êxito da modalidade.
\"Eventos como este são salutares. É importantes que se promova este tipo de encontro entre a família do futebol. Espero que não haja deslumbramento e que os nossos dirigentes desportivos mantenham os pés bem assentes na terra, porque ainda precisámos de melhorar, porque esta não é ainda a realidade dos nossos clubes\", advertiu.
A antiga estrela do 1º de Agosto assinalou que as discussões tiveram \"modelos de excelência\", uma vez que se abordou de \"assuntos sensíveis\" do futebol na sua plenitude, e se apresentou soluções e os caminhos que os principais clubes em Angola \"devem procurar seguir\", mas dos quais comparado com a realidade de outros países \"ainda se está longe de igualar\", como é o uso da tecnologia  actividade motora do futebolista por coletes GPS, que permite a categorização das acções táctica e técnica, uma ferramenta que em Angola, apenas a AFA usa para os seus atletas da formação.
\"Aqui fala-se de sustentabilidade, mas para que isso aconteça é preciso mudar as mentalidades. O modelo que temos é em função dos resultados desportivos, enquanto aqui se discutem modelos assentes nos resultados financeiros, que exigem racionalidade\", observou Manuel Loth.            


CARLOS ALMEIDA
“Vamos iniciar a aposta
nas camadas jovens”


O Ministério da Juventude e Desportos aponta a identificação de talentos para a prática desportiva, como um dos objectivos a ser implementados nos próximos meses, com o intuito de inverter o quadro actual em todas as modalidades, em particular no futebol.
Em declarações aquando da abertura do 2º congresso do futebol organizado conjuntamente entre a Talent Spy, empresa F3M Angola, Federação angolana da modalidade (FAF) e AFA (Academia de Futebol de Angola), o secretário de Estado dos Desportos, Carlos Almeida, indicou que os talentos devem ser acompanhados e potenciados, de modo a que num tempo razoável, possam atingir o pódio em competições de âmbito regional e continental.
“Na senda das orientações do Presidente da República, João Lourenço, vamos iniciar nos próximos meses uma séria aposta nas camadas jovens, com a identificação de talentos para a prática desportiva”, realçou.
Acrescentou que a criação de uma Federação do desporto escolar, pode ajudar a impulsionar tal projecto, que conta com o engajamento do Ministério da Educação e de parceiros sociais do Minjud.
Disse, por outro lado, que um dos factores chave que consta da estratégia do desenvolvimento do desporto, é a formação contínua dos dirigentes desportivos e atletas, sobretudo, a partir dos escalões mais jovens, e realçou serem cada vez mais escassos os recursos para financiar as unidades orçamentadas, como Federações desportivas e similares.