Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Um passo para os grupos

09 de Setembro, 2019

Seleco de honras decide amanh tarde no 11 de Novembro com a Gmbia a qualificao fase de grupos

Fotografia: Vigas da Purificao

É verdade que a vantagem é magra e também muito apertada, porém, é com os benefícios dela que os Palancas Negras estão diante de uma porta larga de oportunidades,  para entrar na fase de grupos da corrida ao mundial Qatar 2022. O combinado angolano está com um pé na qualificação, por isso, não precisa de forçar nada, embora esteja com a faca e o queijo na mão, a pressão está do lado gambiano pelo que a Selecção Nacional tem de tirar proveito da situação, para evitar ser picada amanhã, às 16h00, no Estádio 11 de Novembro, em Luanda, no desafio a contar para a segunda-mão.
O embate da primeira-mão permitiu aos Palancas Negras ferir de morte os Escorpiões, agora, chegou a hora do golpe fatal para selar o apuramento. Os angolanos aos poucos começam a voltar ao doce passado, nos jogos caseiros, ainda bem que a mensagem é clara e está a ser entendida até pelos adversários, isso, é capaz de ser determinante para fazer com que os gambianos sejam sempre obrigados a proteger bem as costas, já que qualquer golo sofrido aumenta as contas que vão ter de marcar para anular a vantagem da equipa nacional.
A depender de coisas boas guardadas no tesouro, o combinado angolano tem de ter cuidado para estabelecer bem o ponto de equilíbrio, até pode dormir no campo se o adversário fizer o mesmo. A magreza do resultado deve servir de sinal de alerta aos Palancas Negras, é necessário elevar os níveis de eficácia para impedir que um lance fortuito relance a esperança gambiana.
A bola está do lado gambiano, quem tem de arriscar tudo é quem está em desvantagem na eliminatória, a Selecção Nacional tem de fazer pela vida para jogar mais vezes no último terço dos escorpiões, a gestão do resultado tem de ser a jogar mais vezes no reduto do adversário. É verdade, que todos os ventos favoráveis sopram na direcção dos Palancas Negras, mas é condição indispensável tirar todo o proveito possível da situação, o adversário tem de correr atrás do prejuízo, mas não precisa de muito para relançar a eliminatória.
O futebol gambiano ainda está longe da primeira divisão africana, mas o duplo empate com a Argélia, na corrida ao africano, ganho pelos argelinos, é a cereja no topo do bolo dos escorpiões. A vasta experiência europeia de quase todos os titulares, aos poucos está a abrir os olhos dos escorpiões, para ver onde estão as presas. Em todos os sectores, a equipa orientada pelo Tom Saintfiet tem talentos bem conhecidos dos atletas nacionais, que jogam na Itália, Turquia e Portugal, então, todos vão ser poucos para impedir que a qualidade individual e colectiva do adversário, que é mesmo elevada, apareça no 11 de Novembro para resolver a eliminatória.
Os adeptos nacionais ainda estão divididos, quanto ao potencial dos pupilos de Pedro Gonçalves, mas é importante que o seleccionador e os atletas mantenham o foco em si mesmos, porque foi diante de um público adverso que a selecção construiu a boa vantagem na eliminatória. Com ou sem público favorável, a equipa tem de funcionar, os verdadeiros craques do futebol conseguem fazer coisas boas para agradar a gregos e troianos, é esse o teste que aguarda aos Palancas Negras, quanto mais confiantes forem mais próximos da qualificação podem estar em todos os momentos.
A selecção angolana fez bem no extramuros o trabalho de casa, agora é importante que a equipa não se assuste com o sólido alicerce que alcançou, que a única preocupação seja construir a qualificação, mas sem entrar em grandes loucuras. Há todos os motivos para acreditar que os Palancas Negras calcularam o verdadeiro custo dos escorpiões, assim, a Selecção Nacional tem de estar preparada para o que der e vier, se fosse para passear, seguramente tinha regressado à casa com um resultado gordo.

JOGO COM OS GAMBIANOS
Tramagal pede concentração máxima


O técnico do Wiliete Sport Clube de Benguela, Agostinho Tramagal, quer concentração máxima aos Palancas Negras para preservar a vantagem mínima (1-0), que tem sobre a selecção da Gâmbia, no desafio de amanhã à tarde, no 11 de Novembro, referente à segunda-mão da eliminatória para a fase de grupos ao Mundial de 2022, que vai decorrer no Qatar.
Agostinho Tramagal referiu no sábado, no Lubango, no final do jogo amistoso com o Desportivo da Huíla, que é sempre bom e vantajoso quando jogamos fora de casa e ganhamos.
“Temos de nos concentrar ao máximo, não menosprezar o adversário, porque pelo relato que ouvimos, a selecção da Gâmbia não é uma equipa fácil. Estou em crer que  Angola está em bom caminho, ou seja, precisa de consolidar a vitória”, asseverou, o treinador do Wiliete, que para ele, se ganhar por qualquer número de golos em casa, o combinado angolano passa para outra fase.
“O objectivo é chegar ao Mundial de futebol no Qatar. Então, na terça-feira (amanhã), não temos como não pensar na vitória”, frisou.
O treinador principal do Wiliete de Benguela afirmou que a Selecção Nacional de honras vai entrar nesse jogo concentrada ao máximo, a equipa técnica vai melhorar os aspectos que estiveram mal no primeiro jogo e apontou que a concentração e a recuperação como fundamentais, por se tratar de um jogo muito próximo do outro.
“Jogámos na sexta-feira, agora, vamos fazê-lo na terça-feira. São quase dois dias para recuperar e acreditamos que vamos ter Angola com um nível do jogo para passar à outra fase”, admitiu.
O técnico - adjunto do Clube Desportivo da Huíla, Hélder Cruz, disse por aquilo que acompanhou, a Selecção Nacional teve boa postura no primeiro tempo, infelizmente, depois das mexidas operadas pela Gâmbia, notou alguns dissabores no processo defensivo.
“Felizmente, ganhámos o jogo da primeira -mão, o mais importante agora, o que temos de fazer é não sofrer golos em casa, não sofrer golo, obviamente, vamos passar para outra fase”, citou.
Hélder Cruz reconheceu que os Palancas Negras jogaram com uma equipa forte ofensivamente, que criou algumas situações de golos, por isso, todo o cuidado será pouco no jogo de resposta.
“Estamos neste momento com um guarda-redes, Tony Cabaça, que está na moda como se diz na gíria, que esteve muito bem e conseguiu não sofrer golos”, louvou.
O adjunto da equipa Militar da Região Sul felicitou o grupo à ordens de Pedro Gonçalves, pela vitória (1-0) alcançada na primeira -mão, em Banjul. Por isso, espera que os Palancas Negras façam um bom jogo e com golos.
“Acredito que vamos passar a eliminatória”, afiançou.  
GAUDÊNCIO HAMELAY - LUBANGO

SELECCIONADOR CONFIANTE
“Queremos consolidar
a vantagem”

O seleccionador interino dos Palancas Negras, Pedro Gonçalves, surgiu ontem na conferência de imprensa de antevisão ao jogo bastante optimista em relação ao desfecho da partida frente à Gâmbia.
O técnico português ao serviço do combinado nacional disse estar muito confiante na vitória, tendo justificado a crença com o facto de Angola ter conseguido uma vantagem na casa do adversário que, embora sendo mínima, confere alguma tranquilidade.
“Quando as coisas correm bem, não tem como não encarar o jogo com optimismo. Ganhámos em Banjul, fizemos um jogo bastante exigente e com sucesso. Estamos na frente da eliminatória e isso nos satisfaz. Ainda assim, a Gâmbia vem de um conjunto de resultados com equipas muito fortes. O importante foi termos alcançado um resultado muito interessante. Trazemos para casa esta vantagem e queremos consolidar”, afirmou.
Fruto da exibição e do êxito alcançado no embate da primeira-mão, Pedro Gonçalves admite não haver necessidade de efectuar alterações ao “onze”, sobretudo pelo facto de estar a jogar em casa e com uma vantagem na eliminatória.
“Não temos muito tempo para trabalhar nestas datas FIFA. Essa foi a nossa quinta sessão de treino e nem todos os jogadores estiveram em todas. Portanto, procuramos congregar um conjunto de comportamentos, para que a equipa tenha depois um bom resultado desportivo”, acrescentou.
O seleccionador apelou, a finalizar, aos adeptos a lotarem por completo o estádio 11 de Novembro. Referiu que espera ver o público a fazerem o mesmo que os gambianos fizeram no jogo de Banjul, em que estiveram ao lado da selecção da Gâmbia do princípio ao fim do jogo.
“Gostaria de deixar um apelo ao público angolano para que venha apoiar a Selecção. O que vimos em Banjul foi uma clara demonstração de fair-play, de grande apoio a Selecção da Gâmbia e de uma forma muito entusiasta com o campo cheio. Gostaria de ver o mesmo aqui em nossa casa, em Luanda, que todos os angolanos estejam no estádio a apoiar a nossa selecção, para que possamos levar de vencida a Gâmbia”.
De resto, o técnico defende que devemos todos neste momento estarmos unidos em pol da  Nação e acreditarem na Selecção Nacional.           PC

JOGADORES MOTIVADOS
Wilson feliz com golo
e Mateus trava euforia


O central Wilson Gaspar, autor do golo da selecção em Banjul e o capitão Mateus Galiano, traduziram ontem o estado anímico que vive o balneário da selecção antes do embate de amanhã.
O central não consegue esconder a enorme satisfação por ter feito o golo que colocou a Selecção em vantagem na eliminatória. Numa publicação no facebook, o jogador do Petro de Luanda partilhou uma mensagem com os adeptos, a exteriorizar a alegria por ter sido útil e decisivo no jogo da primeira mão.
“Muito feliz por marcar o meu primeiro golo pela selecção e por ter ajudado o país a alcançar a vitória”, escreveu o experiente defesa central nas redes sociais.
Já o médio Mateus Galiano, apesar de optimista em relação ao jogo desta terça-feira, prefere ser ponderado na antevisão. O atleta do Boavista de Portugal garante que se deve ter alguma calma, porque tal como Angola fez um golo em Banjul, a Gâmbia também pode fazer um golo em Luanda.
“Penso que temos de ser iguais a nós mesmos. A Gâmbia é uma Selecção que sabe jogar futebol, criou-nos muitas dificuldades e, casa deles e pode também complicar a tarefa em nossa casa. É bem verdade que estamos em vantagem, marcámos um golo difícil, com jogadores altos, mas eles também podem marcar um golo aqui. Temos de trabalhar para evitar que sejamos surpreendidos”, rematou Galiano.                    pc

APÓS A ESTREIA
Zito Luvumbo “espreita”
amanhã nova oportunidade


O jogo da primeira “mão” com a Gâmbia em que Angola venceu, por 1-0, em casa do adversário, ficou marcada com a estreia de Zito Luvumbo. A atravessar um excelente momento de forma desportiva, o jogador de 17 anos entrou para o desafio, aos 77 minutos, para ocupar a vaga de Herenilson e voltou a mostrar o seu potencial.
O jovem médio do 1.º de Agosto foi a principal novidade, entre os convocados da Selecção Nacional, com vista ao duplo compromisso, volta a recair sobre si uma certa atenção, neste embate decisivo.
De 17 anos, o futebolista tem sido preponderante na manobra ofensiva da formação do Rio Seco, desde que foi lançado no final da época transacta, quer com os seus dribles como a marcar golos.
Formado na escola do 1º de Agosto, o atacante é uma das referências da selecção sub-17, que em Outubro vai disputar o Campeonato do Mundo da categoria, no Brasil. Conhecendo o valor e o potencial do atleta, Jorge Gonçalves acredita que o jovem faça a diferença nos momentos cruciais.
Devido ao seu talento, Zito Luvumbo já esteve em testes na Academia do Manchester United, de Inglaterra, em Março, está neste momento a ser cobiçado por vários clubes europeus, com destaque para o West Ham (Inglaterra), Lille (França) e Boavista ( Portugal).
Quem também fez estreia, ao serviço dos Palancas Negras, são os jogadores Núrio Fortuna (defesa) e Fábio Abreu (avançado), atletas que jogam na Europa, depois de sucessivos adiamentos às chamadas ao serviço da Selecção principal.

ÚLTIMO TREINO
“Onze” sem alterações à vista

A equipa titular da Selecção Nacional que amanhã, às 16h00, não vai diferir muito daquela que venceu em Bakau, no jogo da última sexta-feira, referente à primeira-mão. De acordo ao que deixou transparecer o técnico Pedro Gonçalves, durante a primeira sessão de treinos, após a vitória (1-0) em Banjul, está afastada a possibilidade de haver mexidas no “onze” responsável pelo triunfo no terreno dos Escorpiões.
O seleccionador nacional interino dos Palancas pode manter-se fiel à velha máxima segundo o qual, em equipa que ganha não se mexe, para justificar a sua aposta no mesmo conjunto de jogadores que, há sensivelmente três dias, surpreendeu a Gâmbia no seu próprio terreno.
A alimentar a decisão do treinador está o facto de a equipa ter conseguido uma exibição, não sendo de todo brilhante, mas correspondeu com as expectativas de construção de um resultado positivo, que abre boas e importantes perspectivas de qualificação.
À baliza, Toni Cabaça foi um gigante entre os postes, tendo afastado para longe das suas redes todas as bolas que levavam o selo de golo, contando sempre com o excelente apoio que teve no eixo defensivo, formado pela implacável dupla Bastos e Wilson Gaspar.
Nas laterais da defesa da selecção as opções devem continuar a recair para Isaac, à direita, e Núrio Fortuna, à esquerda. Os laterais são responsáveis por fazer todo o corredor da defesa angolana, bem como compensar os centrais. O meio-campo voltará a ser povoado pelos experientes Geraldo, Mateus Galiano, nos flancos, Herenilson e Show em missão defensiva, e Fredy na função de principal “carregador de piano” de toda a “orquestra” ofensiva da selecção.
As responsabilidades do ataque, continuarão entregues ao promissor Fábio Abreu. O jovem atacante está em fase de adaptação na Selecção e começa a dar sinais claros de querer vencer a aposta nos Palancas Negras, depois de ter ficado muito próximo de jogar por Portugal.
De resto, a Selecção realiza hoje, às 16h00, no estádio dos Coqueiros, o último treino. A sessão, cujo seleccionador deverá voltar a incidir os exercícios para a circulação, passe e posse do esférico, ajudará a confirmar a pretensão de Pedro Gonçalves em repetir o “onze” que evoluiu em Bakau, no Independence Stadium.
PAULO CACULO