Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Vamos luta

Morais Canmua - 15 de Novembro, 2014

Palancas Negras tm de vencer esta tarde as Panteras Negras para manterem acesa a qualificao ao CAN da Guin Equatorial

Fotografia: Jornal dos Desportos

Os Palancas Negras defrontam hoje, às 16h00, no Estádio 11 de Novembro, em Luanda, as Panteras Negras no penúltimo jogo do grupo C das eliminatória ao CAN do próximo ano. Com esperanças carregadas na qualificação, aos comandados de Romeu Filemon apenas um resultado interessa: a vitória.  Ou seja, qualquer outro desfecho que não o triunfo é o adeus à fase final da competição.

Longe de ser apenas mais um jogo para cumprir calendário, o jogo desta tarde afigura-se muito importante para a Selecção Nacional, se tivermos em conta que o combinado angolano precisa dos três pontos como “pão para a boca”. Os quatro pontos que tem na penúltima posição do grupo afiguram-se exíguos, para os objectivos definidos: a qualificação. Uma vitória no confronto de hoje, relança as aspirações dos Palancas Negras que só despertaram da letargia no jogo da jornada passada, em que venceram o Lesoto por 4-0. 

O adiantamento dos seus principais concorrentes à corrida ao CAN do próximo ano, preocupa ainda mais o combinado nacional que precisa de justificar o desempenho demonstrado no jogo com o Lesoto.

Os pupilos de Romeu Filemon puseram em risco o apuramento quando nos dois primeiros  confrontos, com o Gabão, em Libreville e com o Burkina Faso, em Luanda, permitiram a derrota. A esperança dos Palancas Negras foi relançada, de forma ténue, quando empatou (0-0) no confronto diante do Lesoto, em Maseru,  para a terceira jornada. A vitória gorda em Luanda, na ronda seguinte, devolveu alguma luz na caminhada dos Palancas Negras que pode reacender esta tarde.

Uma postura  ofensiva, com muitas cautelas defensivas, deve ser a postura dos comandados de Romeu Filemon no desafio desta tarde, pois a vitória é a última “tábua de salvação”, os Palancas Negras são obrigados a procurar do primeiro ao último minuto do desafio, o(s) golo(s) que garanta(m) a conquista dos três pontos ante os líderes do grupo. 

Com isso, a concentração e determinação devem estar patentes nas hostes da Selecção angolana. A equipa precisa de estar confiante e fazer bem o “trabalho de casa”. A jogar no seu terreno e com ajuda dos seus adeptos, tem de fazer  jus ao slogan, “em casa mandamos nós”.

A selecção gabonesa, apesar de não contar com duas das suas principais unidades, com destaque para Pierre-Emerick Aubameyang,  do Borússia de Dortmund, continua a ser a mesma, aliás, não é por mero acaso que lidera o grupo.

Advinha-se por isso, uma partida muito táctica e de paciência, em que Angola não se pode deixar surpreender pelo possível “jogo cínico” e enervante, que certamente o   Gabão vai apresentar, para fazer passar o tempo, até porque o empate em Luanda beneficia-lhes grandemente.


CLASSIFICAÇÃO
Gaboneses comandam agrupamento


O jogo entre as selecção de Angola e do Gabão, marcado para hoje à tarde, no Estádio 11 de Novembro, em Luanda, pode provocar alterações na tabela de classificação, caso os gaboneses percam com os Palancas Negras e o Burkina Faso vença o Lesoto, jogos a realizarem-se hoje, para a quinta jornada do grupo C das eliminatórias ao CAN de 2015. Se este cenário acontecer, os burquinabes passavam a somar dez pontos contra oito das Panteras Negras, que assim  baixavam para  o segundo lugar e  então com sete pontos dos angolanos na terceira posição. 

Os gabeoneses que estão em Luanda para conservar a primeira posição do grupo, comandam a tabela de classificação mercê de duas vitórias (1-0 sobre Angola e 2-0  diante do Burkina Faso) e dois empates (com o Lesoto e burquinabes por 1-1).

 Nas quatro partidas disputadas, a equipa treinada por Jorge Costa, antigo central do FC Porto e da selecção portuguesa, marcou cinco golos e sofreu dois golos.  Eis a classificação do Grupo C à entrada da quarta jornada (primeira da segunda volta) das eliminatórias ao CAN 2015:

 Pos         Equipas                            J    V    E    D   GM    GS    GA      P             

1º          Gabão                               04   02   02   00   05     02    +3      8
2º          Burkina Faso                      04   02   01   01   06     03    +3      7
4º          Angola                               04   01   01   02   04     04    00      4
3º          Lesotho                              04   00   02   02   01     07    -6       2


DUELOS  COM GABÃO
Angola tenta décima vitória


O desafio Angola - Gabão, marcado para hoje, às 16h00, no 11 de Novembro, é o 18º no histórico entre as duas selecções. Os Palancas Negras que perderam  por1-0 no último jogo, disputado a 6 de Setembro, em Libreville, na abertura da campanha ao CAN 2015, tentam esta tarde a décima vitória.

Dos 17 jogos já disputados, os Palancas Negras venceram nove, averbaram quatro derrotas e empataram outras quatro. As duas selecções procuram uma vaga para CAN do próximo ano, jogaram pela primeira vez a 25 de Novembro de 1979, com vitória dos angolanos por 1-0. O único golo do jogo disputado na Cidadela, foi apontado por Quim, para o torneio regional, o primeiro organizado na história da  FAF desde a sua criação a 9 de Agosto de 1979,  a selecção era orientada por  Chico Ventura.

O segundo encontro entre as duas selecções aconteceu novamente no Estádio da Cidadela, a 23 de Agosto de 1981 empate por 1-1, referente aos II jogos da África Central que o país organizou.

Os dois conjuntos voltaram a cruzar-se a 11 de Novembro de 1982, no Estádio Omniports Omar Bongo, em Libreville, empate por 2-2, em jogo referente à primeira mão de apuramento para o CAN de 1984, organizado pela Costa do Marfim. Na partida de resposta, em Luanda, os Palancas golearam por 4-0, com tentos de Eduardo Machado, Vata, Maluka e Chico Dinis.

No dia 5 de Outubro de 1986, os dois emblemas realizaram o quinto jogo, de apuramento ao CAN de 1988, nos Coqueiros, com triunfo tangencial dos angolanos  por 1-0, Bolingó apontou o golo solitário. No segundo desafio, Angola perdeu também por 1-0 durante o tempo regulamentar, mas teve sorte nas grandes penalidades (5-4).

Angola derrotou o Gabão por 1-0 no sétimo confronto, referente aos III jogos da África Central. O golo foi anotado por Jesus.

O oitavo desafio  realizou-se no Estádio Omar Bongo, em Libreville, em 1987, em amistoso, onde registou-se um nulo. Na nona ocasião que se defrontaram, Angola goleou por 4-0, com três tentos de Mavó e um de Quim Sebas, também em particular, em1988, na Cidadela.

Os Palancas voltaram a triunfar em Luanda, desta vez por 2-0, com Maluka a marcar os golos para o apuramento ao Mundial de 1990, na Itália, enquanto os gaboneses venceram por 1-0 no segundo jogo.  Angola voltou a superiorizar-se   por 3-1 na Cidadela, em  1999 para a segunda jornada (grupo IV), qualificativo ao CAN de 2000, com Akwá a estar em evidência. No segundo jogo, o Gabão desforrou-se  com o mesmo resultado.

A equipa nacional superou o seu opositor, por 1-0, em particular, em Luanda, em Agosto de 2002. No antepenúltimo jogo, as duas selecções empataram ( 2-2) em Julho de 2004, na dupla campanha para o CAN e Mundial 2006, no Egipto e Alemanha.

O penúltimo desafio entre angolanos e gaboneses realizou-se no dia 4 de Setembro de 2005, com vitória dos Palancas Negras por 3-0.


“Estamos preparados para o jogo”


O técnico dos Palancas Negras antevê um jogo difícil e complicado hoje com o Gabão. Romeu Filemon, assegurou ontem, durante a conferência de imprensa, no Hotel Victoria Garden, ter cumprido um plano de preparação que permitiu deixar a Selecção preparada para o primeiro de dois jogos com cenário de final, válido para a corrida ao CAN de 2015, cuja organização foi entregue a Guiné Equatorial, após desistência de Marrocos.

O Seleccionador Nacional surgiu junto dos jornalistas, a espelhar enorme confiança no triunfo e justificou o estado de espírito da equipa técnica aos níveis de motivação ganhos pelo grupo, sobretudo, depois da importante vitória alcançada na jornada anterior, com  o Lesoto.

“Estamos conscientes das dificuldades que vamos encontrar, mas estamos optimistas num bom resultado, porque só um optimista consegue ver coisas boas num obstáculo. Estamos preparados, porque a nossa preparação correu da melhor forma, mas estamos conscientes que amanhã (hoje) vamos ter uma partida difícil”, disse o responsável técnico da Selecção Nacional.

O treinador nacional minimizou a ausência neste jogo da principal referência do Gabão, o avançado Obemeiang, do Borússia de Dortmund. “A nós compete estar preocupados com a nossa equipa, porque com ou sem a melhor referência do Gabão, vamos preparados para fazer o nosso jogo. A selecção do Gabão tem bons executantes e conheço três com grandes capacidades, um dos quais que marcou o golo com o Burkina Faso”, destacou.

“São jogadores com muita qualidade e que jogam fora do Gabão e com certeza que vamos ter de jogar de forma racional”, acrescentou Romeu Filemon, sem poupar rasgados elogios ao potencial do adversário. 

O técnico dos Palancas considerou, por outro lado, que o raciocino lógico leva-o projectar uma estratégia de jogo em que prevê defender bem, mas também criar excelente situações ofensivas, junto da baliza do adversário.

“Tendo esta atitude, leva-nos a lutar em todos os sectores do campo e para isso, mentalizámo-nos e nos preparámos do ponto de vista estratégico para fazermos o nosso melhor.

Vamos jogar de forma intensa, mas ter como base a certeza de que vamos encontrar um adversário fortíssimo, que no nosso grupo está melhor posicionado, porque marcou golos em todos os jogos.

Mas temos confiança nos nossos jogadores”, enfatizou. Quanto ao “onze” provável, Romeu Filemon não fugiu à questão e sublinhou  mesmo sem enumerar as preferências, que não deve fugir muito daquele utilizado no jogo frente ao Lesoto.

À finalizar, o seleccionador convidou todos adeptos do desporto e do futebol em particular a marcarem presença no estádio, porque está completamente convicto da importância capital que representa o 12º jogador no factor emocional na “equipa de todos nós”.
Paulo Caculo


CONTRARIEDADES
Djalma e Ary
estão em dúvida


Os médios extremos Djalma Campos e Ary Papel são as duas grandes contrariedades de Romeu Filemon para o jogo desta tarde, por razões distintas. O primeiro está a contas com problemas físicos, resultante de uma lesão, ao passo que o segundo enfrenta problemas familiares, em virtude do falecimento de um irmão.

Os dois jogadores constavam das opções iniciais de Romeu Filemon para o povoamento dos flancos ofensivos dos Palancas, pelo que a provável indisponibilidade de ambos deve obrigar a novos reajustamentos no “onze” projectado durante a semana.

O Seleccionador lamentou, também, as ausências confirmadas no jogo de hoje do avançado Igor Vetokele, do médio Adão e do lateral Natael. O atacante recupera de uma lesão, o médio cumpre castigo por acumulação de cartões, enquanto o lateral está doente.

“Não podemos contar com estes jogadores por várias razões. Alguns por doença, outros por acumulação de cartões e também por lesões. Mas a Selecção não é constituída apenas por estes jogadores, estamos em condições de fazer um bom resultado”, assegurou Romeu Filemon.       
  PC


CAPITÃO
Gilberto destaca união do grupo


O médio Gilberto foi ontem o porta-voz do sentimento que norteia o balneário da Selecção Nacional, antes do jogo desta tarde. O também capitão dos Palancas e figura de referência da equipa nacional, assegura que o grupo está unido e partilha os mesmos objectivos.

O jogador afirma sem receios e nem evasivas, que a motivação e confiança são os principais recursos que continuam a alimentar o subconsciente de todos os integrantes da Selecção Nacional.

“A equipa está bem e unida, porque acredito ser isso o mais importante para o grupo, antes mesmo de irmos para o jogo. Sabemos que vamos defrontar uma equipa extremamente forte e vamos jogar de forma sólida e inteligente, para vencermos o jogo e acalentarmos esperanças, porque é objectivo nosso, chegarmos ao CAN”, esclareceu.

Gilberto garante ainda que a mensagem que circula no balneário tem sido positiva, sobretudo, “após a última vitória que veio dar um outro alento ao grupo de trabalho e pensamos, que se entramos com a mesma atitude vamos poder ganhar o jogo que é o nosso principal objectivo”. 
PC


RECEPÇÃO  AOS PANTERAS
João Armando pede atitude


O comentarista desportivo João Armando apelou ontem, em Luanda, mais determinação aos jogadores da Selecção Nacional de futebol, para ultrapassarem  a similar do Gabão no jogo deste sábado, referente à quinta jornada do apuramento (grupo C) ao CAN2015.

Em antevisão ao desafio, a ter lugar às 16h00 no Estádio 11 de Novembro, o radialista da Luanda Antena Comercial (LAC) sublinhou à Angop a necessidade de os “Palancas Negras” jogarem no sistema (4X3X3), que na sua opinião garante mais fluidez ao ataque, aliada a uma postura defensiva eficaz e concretização de oportunidades.

“A Selecção Nacional deve engajar-se e entrar determinada, baseando o seu jogo nesse sistema, em que os pontas-de-lança devem fluir com alguma rapidez para monitorizar o ataque e surpreender o adversário”, disse e acrescentou que Angola deve aproveitar a ausência da principal “estrela” gabonesa, o atacante Pierre Aubameyang, do Borrússia de Dortmund da Alemanha.

Referiu que além do empenho da equipa, o público pode exercer grande influência no comportamento dos jogadores, no sentido de encher por completo o campo e transmitir o apoio necessário em todos os momentos do jogo.

Sobre as possibilidades de qualificação, o interlocutor referiu que apesar de haver apenas dez por cento de hipóteses, pode acontecer algo inesperado, tal como em situações anteriores.       

Em quatro jogos, Angola perdeu dois frente o Gabão e Burkina Faso, respectivamente, por 0-1 e 0-3, empatou um, com o Lesotho a zero, e venceu o mesmo adversário, por 4-0, somando quatro pontos, na terceira posição do grupo C.

O grupo é liderado pelo Gabão (oito), seguido do Burkina Faso (sete). O Lesotho ocupa a última posição com dois pontos.

O CAN'2015 devia realizar-se em Marrocos de 17 de Janeiro a 8 de Fevereiro, mas este desistiu alegando risco de propagação do vírus de Ébola. A CAF deve indicar em breve o novo país sede do evento continental