Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Vasiljevic acredita no grupo

PAULO CACULO - 08 de Janeiro, 2018

Srdjan Vasiljevic está confiante em boa campanha da selecção nacional no CHAN deste ano

Fotografia: Vigas da Purificação Edições Novembro

Angola começa a disputar o CHAN de Marrocos no dia 16 diante do Burkina Faso, agendado para a cidade de Agadir, o seleccionador Srdjan Vasiljevic não tem dúvidas de que se trata de um desafio difícil e diante de uma selecção forte. Ainda assim, o técnico sérvio ao serviço dos Palancas Negras garante que os adversários não assustam e o grupo está disposto a mostrar as suas qualidades.
\"Acreditamos que a equipa vai corresponder às expectativas do campeonato. O Burkina Faso, Camarões e Congo Brazaville são selecções que se encontram muito bem no ranking da FIFA. São equipas fortes, mas não vão assustar-nos, porque estamos a trabalhar para demonstrar as nossas qualidades. Respeitamos os nossos adversários, mas acreditamos mais em nós e nas nossas qualidades\", assegurou o seleccionador nacional.
De acordo ainda com Srdjan Vasiljevic, o mais importante nesta campanha ao CHAN de Marrocos, é o facto dos jogadores demonstrarem grande desejo e motivação de jogar em prol da selecção. Considera, que todos atletas convocados têm qualidades suficientes para ajudar a consolidar os objectivos de uma participação, ao nível do desejado.
\"Cada um deles (jogadores) tem o seu valor. Estamos a falar da táctica e da técnica. Tivemos uma grande pausa de 45 dias,  tivemos pouco tempo para preparar todos estes segmentos que mencionei, e de elevar a equipa a um nível que nos pode garantir um grupo capaz de contrapor os adversários que temos no CHAN\", acrescentou Srdjan Vasiljevic.
O seleccionador confessou, por outro lado, que gostava que o CHAN ajudasse a garantir uma carreira positiva a todos os jogadores da selecção. Admite, que como qualquer equipa do mundo, a selecção também tem os seus pontos fracos e fortes, considera que nada pode atrapalhar os objectivos do grupo.
\"O que posso dizer, neste momento, é que a equipa vai demonstrar um elevado nível de empenho, garra e vai correr muito. Não posso dar garantias de resultados e fazer promessas, especialmente, ao povo angolano. Desejo o melhor para a minha equipa, que sejam humildes e que em cada jogo, jogue com o coração cheio e tenho a certeza de que uma abordagem destas pode ser recompensada positivamente\", perspectiva o sérvio.
Srdjan Vasiljevic afirmou a finalizar, que a equipa-técnica estudou os vídeos de todos os adversários do grupo, analisou todos os detalhes das selecções e espera trabalhar sobre estes dados, de formas a ganhar um conjunto em perfeitas condições de disputar os pontos palmo a palmo.

ANGOLA EM AGADIR
Selecção testa com a Guiné Conacry


A Selecção Nacional começou ontem a ambientar-se ao clima da cidade de Agadir, palco da disputa do grupo D, da fase preliminar do CHAN de 2018, competição africana reservada aos atletas que actuam nos campeonatos locais. Hoje, a equipa realiza um treino de recuperação física antes do último jogo amistoso agendado para amanhã às 18h30, diante da Guiné Conacry.
Nos próximos dias que antecedem o jogo de estreia, o seleccionador nacional submete o grupo de prováveis titulares a ensaios de avaliação da movimentação colectiva e individual dos jogadores. E, diga-se, nesse aspecto que o diante da Guiné pode ser um bom teste para o grupo provar que ostenta força colectiva e solidez competitiva, para encarar o CHAN sem sobressaltos. No que diz respeito ao “onze” provável, à baliza Landu vai apresentar-se como a grande referência. Mira e Celson Barros devem surgir descaídos nas laterais, ao passo que Nary e Wilson são os centrais.
Manguxi e Almeida devem ser os médios recuperadores, com o jogo de ambos a ser mais de contenção, embora, a jogar quase sempre curto para o centro, onde Paty assume a missão de “playmaker” de toda a magia e da construção do caudal ofensivo da selecção.
Deve recair sobre a dupla, a responsabilidade de circular a bola e a missão de servir os dois alas,  bem encostados aos flancos: Job e Vá ou Mano Calesso, atletas dotados de excelente capacidade técnica. Desse modelo de posicionamento ofensivo (4X4X2), devem surgir bolas na área para Fofo, Kaporal ou Moco conduzir para a direcção certa. Os avançados perfilam entre os potenciais candidatos a integrar o “onze”, persistem as dúvidas sobre como vai ser formada a dupla de ataque.
Srdjan Vasiljevic trabalha em Agadir com 23 jogadores, nomeadamente, os guarda-redes Landu, Jota B e Rui - os defesas Mira, Nary, Celson Barros, Lito, Wilson, Depaizo e Tó Carneiro - os médios Meda, Mano Calesso, Gui, Paty, Herenilson, Chiló, Almeida, Manguxi, Vá, Job - e os avançados Moco, Fofo e Kaporal.                         
PC