Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol Internacional

Barcelona nega tentativa de acordo

João Carmo - 13 de Março, 2014

Avançado Neymar joga regularmente ao lado de outros craques do Barça como o compatriota Daniel Alves e o argentino Leonel Messi

Fotografia: AFP

O FC Barcelona negou terça-feira ter contactado a procuradoria da Audiência Nacional espanhola para chegar a um acordo no caso de fraude fiscal, que é imputada ao clube catalão no caso da contratação do futebolista Neymar.Em comunicado, o clube “desmente categoricamente” ter tentado alcançar um acordo, com o objectivo de encerrar o caso, e refere que a 05 de Março o FC Barcelona apresentou-se ao  juiz de instrução como parte do processo,  e designou um representante.“Nessa ocasião realizou-se uma apresentação protocolar à procuradoria daquela Audiência Nacional, para comunicar a condição processual descrita e marcar posição jurídica, debaixo da convicção de que deve haver uma solução de âmbito administrativo e tributário”, assegurou o clube.

O Barcelona assegura que em “nenhum caso” a direcção teve o objectivo de encerrar o processo, nem tão pouco “assumir uma infracção tributária com relevância penal, nos termos que a imprensa tem referido”.Em Fevereiro, um juiz da Audiência Nacional espanhola acusou o Barcelona, como pessoa jurídica, de uma fraude fiscal na contratação do brasileiro Neymar, depois de a procuradoria pedir uma acusação de fraude.A procuradoria da Audiência Nacional estima que o crime de fraude fiscal do FC Barcelona ascende a 9.100.800 euros, montante obtido com base nas quantias envolvidas nas operações paralelas relacionadas com a contratação de Neymar: dez milhões de euros em 2011 e 27,9 milhões de euros em 2013.Toda a situação levou já à demissão de Sandro Rosell, ainda em Janeiro, com os catalães a serem interinamente comandados pelo vice-presidente Josep Maria Bartomeu.

CONFINAÇA 
Tata Martino, técnico do Barcelona, mostrou-se terça-feira confiante e despreocupado com o que falta jogar na presente temporada. Martino defendeu que a derrota em Valladolid (0-1) não afecta a equipa. Quanto às críticas de que tem sido alvo, Tata assegurou que está forte, e que ainda há muito caminho a percorrer. “A última coisa que me podia faltar era força. Tinha-a sempre em qualquer caso. Ainda temos muito para jogar. Não me ponho de parte na luta pela liga, estamos na final da Taça do Rei”, referiu.

Relativamente a aspectos tácticos, mais propriamente à ligação Messi-Neymar, o técnico referiu que os dois não têm tido muito entendimento. De acordo com Tata Martino, “já houve situações em que ligaram bem, mas nos últimos tempos não têm jogado muito bem juntos e pode não ser uma questão de tempo. Não é garantido que se adaptem por serem dos melhores do mundo”.

MUNDIAL
Prémios definidos
na selecção nigeriana


Os jogadores da selecção nigeriana de futebol podem ganhar, cada, mais de 100.000 dólares (cerca de 72.000 euros), se vencerem o Mundial-2014, conforme revelou a proposta submetida ao Parlamento da Nigéria.A Federação Nigeriana de Futebol solicitou a aprovação de um orçamento de 1,2 biliões de nairas (cerca de 5,1 milhões de euros), destinado à equipa caso se torne a primeira selecção africana a ganhar um campeonato do mundo.Na proposta, a federação especifica que cada jogador vai receber dez mil dólares (cerca de 7.200 euros) por vitória num jogo na fase de grupos, 12 mil (8.600) nos oitavos-de-final, 15 mil (10.800) nos “quartos”, 20 mil (14.400) nas “meias”, e 30 mil (21.600) na final.

Adicionalmente cada futebolista, de um grupo de 23 convocados, vai receber uma quantia diária de 200 dólares (144 euros), o que a juntar a prémios nos 32 dias de competição obriga a um orçamento de 2,6 milhões de dólares (cerca de 1,8 milhões de euros).Todo o orçamento global (5,1 milhões de dólares) inclui não só as ajudas de custo e prémios dos jogadores, mas os salários dos técnicos e de todo o pessoal de apoio, de alojamento, de viagens, e dos campos de treino, no Brasil e nos Estados Unidos.

A Federação Nigeriana chegou a ter problemas financeiros, com o técnico Stephen Keshi a estar largos meses sem receber, e o capitão da equipa, Vincent Enyeama, chegou a pedir ao magnata Aliko Dangote, um dos empresários mais ricos de África, para financiar a selecção. A Nigéria integra o grupo F da competição, juntamente com Argentina, Bósnia-Herzegovina e Irão.