Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol Internacional

Croatas e britnicos discutem acesso ltima vaga na final

Paulo Caculo | Moscovo - 11 de Julho, 2018

Seleco da Crocia vai tentar contrariar no estdio Luzhniki o favoritismo que atribudo Inglaterra

Fotografia: AFP

As selecções da Inglaterra e da Croácia tentam hoje, às 19 horas, justificar merecer a presença na final de 15 de Julho, perante uma assistência de mais de 84 mil espectadores, no estádio Luzhniki, em Moscovo.
Trata-se de um duelo entre dois conjuntos com características completamente distintas: será o confronto entre o futebol musculado, físico e veloz dos ingleses, contra a qualidade artística e engenhosa dos croatas.
Apesar de os teóricos do futebol atribuírem todo o favoritismo à Inglaterra, espera-se muito da Croácia, sobretudo da sua dupla de ataque, Rakitic e Modric, simplesmente os principais “abonos de família” da avalanche ofensiva da equipa.
Os jogadores croatas não pensam em outro objectivo, que não seja a conquista do bilhete para a final de Moscovo. E tem contribuído para elevar a confiança e aguçar a expectativa do conjunto às ordens de Zlatko Dalic o excelente ambiente que se vive no balneário da selecção, cuja recente visita da Chefe do Estado da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovic, veio elevar os níveis de confiança.
Mas a Croácia precisa precaver-se do potencial atacante da Inglaterra, caso queira continuar a alimentar o sonho de chegar a final de domingo. Reside na defesa as suas principais fragilidades, pois as estatísticas mostram que a maioria dos golos sofridos pela equipa surgiram de jogadas pelas alturas.
Ou seja, o conjunto croata não se dá muito bem com o jogo aéreo, curiosamente um ponto fortíssimo dos ingleses, que tiram melhor partido dos lances de bolas paradas.
Portanto, à formação da Croácia não bastará confiar no seu meio-campo criativo, onde a magia do futebol artístico de Rebic, Perisic e Rakitic fazem toda a diferença. A dupla de centrais Vida e Lovren há muito que revelam dificuldades com as bolas pelas alturas e precisam de corrigir este item, sob o risco de serem ultrapassados pela direita.
Adivinha-se que a Inglaterra venha entrar para este jogo com tudo e mais alguma coisa. Os britânicos perseguem o título do Mundial há sensivelmente 52 anos, desde o primeiro e único conquistado no Mundial de 1966.
O jejum já vai longo e a equipa orientada por Gareth Southgate encara o jogo desta noite como se da final se tratasse. O treinador inglês não só deposita as apostas no seu ataque mortífero, assentes no dueto formado por Sterling e Harry Kane, mas também confere liberdade a um meio-campo que acumula uma mescla de força e resistência com Henderson, Lingard e Dele no “papel” de actores principais. Será, no entanto, um jogo de muitos nervos, mas também de enorme emoção nas bancadas, sobretudo se aliarmos ao facto de ambas as selecções ostentarem uma massa adepta bastante interventiva.

TREINADOR
Southgate revela intenção
de escrever a própria história

O seleccionador da Inglaterra, Gareth Southgate, surgiu ontem na conferência de imprensa, realizada em Moscovo, extremamente optimista, mas realista em relação ao jogo de hoje, frente à Croácia.
O técnico garantiu que os jogadores não desejam ficar presos ao passado, porque é um “fardo pesado”, pelo que, considera que ficar obcecado ao que se fez no passado pode fazer mais mal do que bem. \"Você aprende com o passado, mas essa equipa não deve se sobrecarregar com isso. Eles são um grupo novo. O futuro está à frente deles. Os jogadores e as oportunidades do passado foram embora. E como a Inglaterra se prepara para escrever o próximo pedaço da história, eles não precisam preocupar-se com os fantasmas do passado”, disse.
Mas, Southgate disse que \"falou ligeiramente\" sobre a vitória no Mundial de 1966 com os jogadores, e o que isso significou.
“Eu não acho que não precisarei dizer o que os jogadores devem fazer neste jogo.  Isso definitivamente nos ajudou. Tudo o que fizemos até agora foi baseado no desejo. Até onde podemos ir? Vamos criar o nosso próprio histórico e os jogadores vão continuar a fazer isso o tempo todo”, finalizou o seleccionador da Inglaterra.
PC| MOSCOVO

SOLIDARIEDADE
Médio Eric Dier
defende Sterling

O médio inglês Eric Dier saiu ontem em defesa do seu colega, o \"incrível\" Raheem Sterling, tecendo rasgados elogios às qualidades do camisola 10 da Inglaterra, durante a habitual conferência de imprensa de antevisão aos jogos do Mundial.
Sterling tem sido fortemente criticado pelos adeptos e a imprensa inglesa presentes neste Campeonato do Mundo da Rússia. O avançado foi surpreendentemente considerado pela BBC como o pior jogador do conjunto inglês a actuar frente à Suécia.
Dier manifestou solidariedade para com o colega e afirmou que Sterling devia ser elogiado não apenas pelo seu futebol, mas também pela capacidade psicológica de não deixar-se abater com as críticas pesadas.
“Acho que, em primeiro lugar, a forma como Raheem lidou com tudo ao longo deste processo, desde quando nos encontramos até agora, tem sido incrível ”, disse Dier, para em seguida acrescentar: “Acho que o jeito que ele faz o seu trabalho tem sido fantástico. A sua atitude também é fantástica. A ética de trabalho é excepcional dentro do campo”, afirmou Eric Dier.                     
PC| MOSCOVO