Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol Internacional

Desportivo cede empate em casa

BENINGNO NARCISO- HU?LA - 11 de Setembro, 2017

Mais de realce não houve. Por isso, as duas equipas contentaram-se com a divisão de pontos, igualdade a uma bola, num jogo em que a árbitra Maximina Bernardo enfrentou dificuldades

Fotografia: Jornal dos Desportos

A igualdade a uma bola registada ontem no Estádio do Ferroviário, no Lubango, diante do Sagrada Esperança da Lunda Norte, em jogo pontuável para a 24ª jornada do Girabola Zap 2017, favorece pouco ao Desportivo da Huíla que precisa de vitórias para somar o maior número de pontos possíveis e definir, o quanto antes, a sua permanência na prova.

Apostado em fazer jus à máxima estabelecida pelo técnico Mário Soares, que decretou há dias a obrigatoriedade de encarar os desafios que restam por disputar como \"autenticas\" finais  e, por isso, com missão de triunfar, o Desportivo teve um início de jogo fortuito.
O infortúnio aconteceu aos 6 minutos, altura em que viu o adversário a adiantar-se no marcador por intermédio do golo madrugador de Bugos, que na sequência de um portentoso remate, desferido por Femi, na cobrança de um livre directo do meio do meio-campo, aproveitou o \"mau alívio\" do guarda-redes Kiss e na pequena área, com a baliza escancarada atirou para o fundo da baliza.

Abalados na sua estratégia, os militares da Região Sul viram-se na obrigação de refazer o plano de jogo. Contudo, com frieza e fidelidade nas próprias capacidades, a equipa revelou firmeza e seguiu rumo. Redobrou a solidez defensiva e passou a atacar em bloco, com as linhas juntas. Essa postura remeteu o adversário para o seu último reduto.

Embalados para cima do adversário e movidos pela determinação de inverter a desvantagem no marcador, a estratégia adoptada rápido surtiu o efeito desejado. O sector defensivo do Sagrada ressentiu a pressão e passados poucos minutos cedeu. Aos 11´, cinco depois do golo diamantífero, o Desportivo restabeleceu a igualdade no marcador. Belito, com todo o mérito na disputa da bola, numa acção ofensiva, aproveitou a \"oferta\" originada de uma descoordenação entre dois defesas e o guarda-redes Edson, e à entrada da pequena área em posição privilegiada atirou a contar e estabeleceu a igualdade, 1-1.

Na segunda parte os técnicos efectuaram mexidas nas respectivas equipas. Mais madura no capítulo técnico e táctico, na assimilação e explanação do jogo, a equipa da Lunda Norte revelou pouca ambição para mais. Enquanto isso, do outro lado estava uma equipa ambiciosa, que reconhecia as suas potencialidades e capacidades. Com esse espírito, se aplicou a fundo para inverter e tentar chamar para si o triunfo.

Essa postura iria ser coroada aos 82´, contudo a displicência do avançado Kêmbua impediu que a mais clara e soberana oportunidade de golo da sua equipa fosse convertida, com a baliza desprotegida e com o guarda-redes contrário completamente batido, atirou para fora para a “revolta” dos adeptos e da equipa técnica.

Mais de realce não houve. Por isso, as duas equipas contentaram-se com a divisão de pontos, igualdade a uma bola, num jogo em que a árbitra Maximina Bernardo enfrentou dificuldades para terminar o seu trabalho devido a uma lesão que contraiu no joelho da perna esquerda durante o decorrer da segunda parte, situação que a obrigou a empreender um esforço físico suplementar, dado que se movimentava com limitações a coxear no acompanhamento das jogadas.           
BN, na Huíla