Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol Internacional

Jogadores africanos mais valorizados

07 de Setembro, 2019

Transferncia do costa-marfinense Nicolas Pp do Lille para a do Arsenal foi a mais rentvel

Fotografia: DR

Depois de dois meses de oficializações, rumores e rotatividades, o mercado de transferências encerrou as portas na noite de segunda-feira, dia 2, nos principais campeonatos europeus. Do lado africano, a safra foi boa, sendo a transferência do avançado Nicolas Pépé, do Lille para a do Arsenal, avaliada em 80 milhões de euros, considerada a mais cara entre os africanos.
O jogador costa-marfinense destrona assim o congolês democrático Cédrick Bakambu, cuja negociação custou 74 milhões de euros aos cofres da formação do Beijing Guoan da China, em Janeiro de 2018.
As outras transferências não atingiram grandes somas, mas também não ficaram abaixo dos 30 milhões de euros, facto que valorizou a cotação dos jogadores africanos transferidos para o velho continente.
Os clubes ingleses foram os que mais contratações dispendiosas fizeram, na medida em que dos cinco jogadores mais caros adquiridos neste verão, quatro deles assinaram por uma equipa da Premier League. Dessa forma, segundo a publicação \"Transfertmarkt\", a lista dos 15 jogadores africanos mais caros deste verão é liderada por Nicolas Pépé, da Costa do Marfim (80 ME), seguido pelo nigeriano Alex Iwobi (30,4 ME), Idrissa Gueye, do Senegal (30 ME) e Ismaila Sarr, também do Senegal (30 ME).
A lista prossegue com ainda com os nomes de Jean-Phillipe Gbamin, da Costa do Marfim (25 ME), Franck Kessié, também da Costa do Marfim (24 ME), Amadou Diawara, da Guiné Conacry (21 ME), Ismael Bennacer, da Argélia (16 ME), Moussa Djenepo, do Mali (15, 7 ME) e Mbaye Niang, do Senegal (15 ME).
Destaque ainda para Henry Onieku (13,5 ME) e Victor Oshimhen (12 ME), ambos nigerianos, Marvelous Nakamba, do Zimbambwe (12 ME), Diadié Samassékou, do Mali (12 ME) e Mahamoud Hassan “Trezeguet”, do Egipto (10 ME).

DEMBA BA
O avançado senegalês que evolui na equipa turca do Basaksehir, Demba Ba, instigou os colegas africanos que militam nas equipas da Série A italiana a abandonarem aqueles conjuntos, devido ao elevado grau de atitudes racistas que vem sendo registados naquele país.
Cansado de atitudes raciais, Demba Ba publicou no Twitter que “Eis a razão pela qual decidi não jogar naquele país, quando bem o podia fazer. Gostaria que todos os jogadores africanos negros saíssem do campeonato daquele país. Os anos passam, mas infelizmente nada muda na Itália”, disse o jogador.
Tudo despoletou em função de se ter verificado mais uma vez o teatro de um novo incidente racista no domingo, quando os adeptos da equipa do Cagliari chamaram de “macaco” ao atacante do Intyer de Milão, Romelu Lukaku, piorando ainda a cena, quando os apoiantes dessa mesma formação alinharam no mesmo diapasão.