Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

1º de Agosto completa conquistas

27 de Fevereiro, 2016

Equipa sénior feminina do 1º de Agosto festejou ontem a conquista do último troféu que estava em falta na galeria do Rio Seco

Fotografia: Jornal dos Desportos

A equipa sénior feminina de andebol do 1º de Agosto já tem na sua galeria todos os troféus que o andebol continental permite, depois de ontem ter arrebatado a Supertaça Francisco de Almeida, graças à vitória, por 23-22, sobre o então detentor do troféu, Petro de Luanda. O jogo marcou a abertura da época desportiva e disputou-se no pavilhão principal da Cidadela Desportiva.

Foi uma verdadeira festa do andebol. Boa sala e com muitos condimentos, como o primeiro jogo de Luísa Kiala contra o Petro, a sua antiga equipa, e a despedida oficial de Nair Almeida, do 1º de Agosto. Ainda a reaparição de Albertina Cassoma, após uma época afastada por lesão.

Após a trégua de minuto e meio, foi o Petro de Luanda que abriu o activo com Antónia dos Santos. Apesar do favoritismo, o 1º de Agosto entrou mais nervoso no jogo. Cassoma entrou no sete inicial, Luísa estava no banco de suplentes, como que a esperar por um momento especial. Estavam também Mwasesa e a homenageada Nair Almeida.

A luta na quadra estava renhida. As meninas do Petro de Luanda procuravam aguentar. Aos 15 minutos de jogo, o placard era favorável às militares: 6-3. Natália Camalândua, a juvenil com que Vivaldo Eduardo reforçou a equipa, falhou um livre de sete metros. No contra-golpe, Natália Bernardo, que se apresentou com novo "look", cabelo curto, acerta um livre semelhante.

Filipe Cruz e Vivaldo Eduardo estão em pé. Ivete Simão, da baliza petrolífera, estorva os ataques de Cassoma. Aos 21 minutos, o Petro ainda está perto, 8-6. É a hora de Luísa entrar. E entra no instante em que Filipe pede um "time out". A coisa estava a ficar preocupante. Com Luísa e Nair na quadra, as coisas melhoram e a equipa militar chega aos quatro golos de vantagem ao intervalo: 12-8. Nomeadamente, Filipe lançou outra equipa; jogou com Mwasesa, Lurdes, Liliana, Cajó e Iracelma, que não tinham entrado antes.

Começou a faltar gás às petrolíferas. Aos poucos, a superioridade militar justificava-se no placard que mostrava 17-13 para as militares, aos 47 minutos de jogo. Mais dois golos petrolíferos acordaram a claque que ainda esperançada na reviravolta gritava "fecha... Fecha".

Cassoma ignorou os clamores petrolíferos e, da zona de pivôt, marcou o 18º golo militar. Há dois minutos do final, o placard registava equilíbrio, 20-19, para mostrar que não haviam favas contadas.

O Petro de Luanda tinha a posse de bola e marcou para o empate, 20-20, a faltarem 30 segundos. Filipe Cruz recorreu ao desconto de tempo para urdir o último ataque e deu em nada. Tudo remetido para o prolongamento. As militares marcaram três golos, enquanto as petrolíferas apenas marcaram dois.

INTERCLUBE PERDE
"GUARDA" DO TROFÉU

O Interclube não teve forças para manter na sua galeria o troféu da Supertaça masculina Francisco de Almeida ao consentir derrota ontem, por 25-31, no jogo disputado no pavilhão principal da cidadela, diante do 1º de Agosto. Ao  intervalo, a equipa afecta ao Ministério do Interior já perdia por 14-15.

No jogo, que marcou a despedida de Filipe Cruz no banco militar, deixa o lugar a um técnico português para se dedicar à equipa feminina. Os militares, que não contaram com os lesionados Show Baby, Gugú e Teka, ainda assim brindaram o seu "Pai", como tratam, com uma exibição razoável para o início de época e, melhor, com a conquista do troféu. Alexandre Machado, "Careca", treinador do Interclube, teve Adelino Pestana na bancada.
O influente meia-distância ardia em febres à hora do jogo e não pode dar o seu contributo ao conjunto.

Depois de uma primeira parte bem conseguida, o Interclube teve o seu jogo marcado por muitas falhas técnicas ao ataque e falta de recuperação defensiva.

O 1º de Agosto serviu-se da situação para explorar o contra-ataque, à medida que ia aumentando a diferença nos números do marcador. Cláudio Lopes, Romé Hebo, Quitongo e Moreno eram setas para a baliza de Julião Gaspar. Aos 52 minutos de jogo, a vitória já não era questão, pois o marcador ilustrava 29-21 para os militares. Depois só foi gestão e show de bola. O Interclube detinha o título da Supertaça desde a época de 2013.