Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

A vez de Fernando Fall

Silva Cacuti - 31 de Dezembro, 2018

Chegar, ver e vencer. É o que se pode dizer de Fernando Fallé, treinador que se sagrou campeão nacional pela Académica de Luanda. Uma época de sonhos, repartida entre treinador e o clube.
A Académica de Luanda conquistou todas as provas de 2018. Começou pela Supertaça João Garcia, em que desfeiteou o Petro de Luanda. Foi a única prova decidida diante dos petrolíferos. Um adversário que, à partida, não era tido nas contas, já que deixou de estar entre os que conquistam troféus. Faz tempo desde o último troféu.
Depois da Supertaça, os académicos deram o primeiro aviso sobre as suas potencialidades. Conquistaram o torneio de abertura do campeonato provincial de Luanda.
No campeonato provincial de Luanda, os académicos encontraram na final o 1º de Agosto. Diante deste adversário, fizeram uma luta equilibrada. Ainda assim, os orientados de Fernando Fallé souberam ocupar o lugar de cima na tabela classificativa.
A saga vitoriosa continuou na disputa da Taça de Angola e no campeonato nacional, em que os militares do 1º de Agosto eram concorrentes.
É a segunda vez que a equipa sénior da Académica de Luanda conquista todas as provas em que esteve envolvida, depois do feito em 2015. Na altura, estava sob a batuta do brasileiro Jurandir Silva.
O ano de 2018 foi marcado pela atribuição a Angola da organização do torneio de apuramento das equipas da zona africana para o próximo campeonato mundial. O denominado campeonato africano não se disputou em Maputo, Moçambique, conforme estava previsto por falhas organizativas do país do Índico.
Marcado para o período de 9 a 11 de Novembro, a prova foi abortada justo a poucos dias do arranque. A situação levou a Federação Internacional de Roller Skate a transferir a competição de Maputo para Luanda, em Março de 2019.
No Mundial de Nanjing, China, em 2017, Angola quedou-se na quinta posição. Naquela competição, a equipa nacional foi comandada tecnicamente pelo português Fernando Fallé.
No histórico de participações de Angola no campeonato do mundo constam factos inesquecíveis. O país vestia-se de cores nacionais para testemunhar a abnegação de um grupo de jovens atletas comprometidos com a preservação da imagem da nação em crescimento.