Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Adeptos enaltecem Carlos Hendrick

Francisco Carvalho - 25 de Abril, 2016

Carlos Hendrick na presidência de direcção do clube 1º de Agosto

Fotografia: Jornal dos Desportos

 A reeleição do General Carlos Hendrick na presidência de direcção do clube 1º de Agosto para o ciclo olímpico 2016-2020 mereceu aplausos de adeptos de outros clubes de Luanda pela composição de diferentes órgãos sociais da agremiação afecta às Forças Armadas Angolanas. A nova direcção está repleta de jovens que emprestaram valências enquanto jogadores do clube.

Na nova direcção do 1º de Agosto, constam nomes como o de Nair de Almeida (ex-andebolista), Paulo Guga (atirador no activo), Felipe Cruz (treinador no activo), Irene Gonçalves (ex-futebolista) e outros que vão emprestar conhecimentos na gestão de diferentes modalidades movimentadas no clube.

Numa ronda feita ontem, em Luanda, o Jornal dos Desportos constatou que a estratégia da direcção de Carlos Hendrick vai proporcionar mais-valia às competências de diferentes direcções do clube militar.

João Maxinde, adepto do Petro de Luanda, realçou que a novidade do 1º de Agosto vem atrasada, porquanto o clube do Eixo-Viário já a implementa há muitos anos.
A título de exemplo, realçou a presença de Arsénio Sidónio Malamba, como director para o futebol, depois de ter sido jogador.Mário Joaquim, adepto do Atlético Sport Aviação, ressaltou que a presença de jovens na direcção do 1º de Agosto visa somente propiciar a união de sinergias necessárias para a continuidade do projecto em execução.

O adepto aviador justifica que cada um dos jovens vogais acumula experiências. “Isso vai fazer com que a estratégia de desenvolvimento envolva todas as forças vivas do clube militar”, para o bem de todos.

Ninjuca Holombe, adepta da Académica de Lobito, assegurou que “a aposta na juventude é a porta certa para o alavancar de qualquer clube do país”. A economista de profissão sustenta que “os jovens aportam conhecimentos inovadores com reflexo no desenvolvimento”. A decisão de Carlos Hendrick “é um exemplo a seguir por outros clubes”.
Lutindo Kelembe, adepto do Petro do Huambo, afirmou que “os clubes geridos por uma só pessoa não têm sucesso a longo prazo”.

O engenheiro de informático justifica que o clube “fica coarctado de ideias valiosas”. Por outro lado, defende que “quando há a miscelânea entre a juventude e os mais velhos, a experiência alia-se à inovação”. Nesse diapasão, “o General Carlos Hendrick está de parabéns por saber aliar as diferentes gerações”.