Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Afanaseva atleta neutral

05 de Julho, 2017

Afanaseva atleta neutral

Fotografia: AFP

Afanaseva atleta neutral

A Associação Internacional das Federações de Atletismo aceitou na segunda-feira, que a marchadora russa Klavdiia Afanaseva participe como atleta neutral em competições internacionais, enquanto vigorar a suspensão à federação do seu país.A jovem pediu autorização para competir como atleta neutra, nos Europeus de sub-23 que se realizam de 13 a 16 de Julho, em Bydgoszcz, na Polónia. A sua presença nos Europeus está dependente das formalidades de elegibilidade.

MUNDIAL
Bruno Hortelano fora de Londres

O velocista espanhol Bruno Hortelano, campeão da Europa de 200 metros, anunciou na segunda-feira que não vai competir nos Mundiais de atletismo de Londres, de 05 a 13 de Agosto, por não estar em boa forma.\"Mesmo a ter em conta que está qualificado por ser campeão da Europa, e apesar dos excelentes treinos que está a fazer, decidiu renunciar\", refere a Alkasport, que representa o velocista.\"Os meses de inactividade e as cirurgias a que se submeteu nos últimos nove meses, atrasaram a preparação para a forma de nível suficiente.

ESTUDO DA IAAF
Testosterona aumenta desempenho


Um estudo encomendado pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) concluiu que o excesso de testosterona, beneficia o desempenho dos atletas, como sucedeu nos casos de Caster Semenya e Dutee Chand. Publicado na segunda-feira no British Journal of Sports Medicine, o estudo é assinado por Stéphane Bermon que participou nos trabalhos da IAAF sobre este assunto, e por Pierre-Yves Garnier, diretor do departamento científico do organismo internacional. A IAAF informou que este estudo “faz parte de um conjunto de provas” que está a recolher, no sentido de reabrir o processo no Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) que suspendeu em 2015 os regulamentos do organismo, para restringir a participação em provas de algumas atletas. O TAS considerou que os regulamentos eram discriminatórios, e deu um prazo até Julho de 2017.