Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Africano comea amanh em Luanda

SILVA CACUTI - 07 de Março, 2019

Angolanos procuram passe de acesso ao Campeonato do Mundo da modalidade competio a decorrer este ano no Reino de Espanha

Fotografia: DOMINGOS CADNCIA

Três países, Angola (anfitriã), Moçambique e África do Sul, dão amanhã o primeiro passo para a união de África, no tocante à disputa da prova de hóquei em patins. Noutras ocasiões aconteceu, praticantes de vários países juntarem-se para competir, contudo, eram torneios internacionais ou campeonatos de clubes.
Juntar nações, para uma competição, é um imperativo da World Skate, anteriormente chamada federação internacional de desportos sobre patins, que alterou os moldes de disputa dos mundiais de patinagem. Os mundiais passaram, desde 2017, a ser integrados em jogos mundiais da patinagem.
A primeira edição, nos actuais moldes, disputou-se em Nanjing, China,  passaram a existir três divisões na prova maior do hóquei em patins mundial. Para além do mundial \"elite\", existiu a Taça FIRS (segunda divisão) e a Taça das Confederações (terceira divisão). No próximo mundial, em Barcelona, as provas da segunda e terceira divisão vão designar-se Intercontinental Championship e Challenger\'s Championship,
Este molde de disputa, define quotas de participação, por representações continentais, daí, a África ter de escolher o seu representante. O campeão africano apura-se directamente para a elite. O vice -campeão garante lugar na Intercontinental Championship e o terceiro classificado joga a Challenger\'s Championship.
Angola volta a estar na rota da história do hóquei em patins mundial, depois de acolher  o primeiro \"mundialito de clubes\", o primeiro campeonato africano de clubes e o primeiro mundial em África.E, começar com três selecções, em nada desprestigia o feito, até porque situação semelhante viveram modalidades mais praticadas, menos exigentes, tecnicamente, como o basquetebol que em 1962 começou a sua competição continental, na antiga República Árabe Unida, com cinco participantes. Antes, em 1957, no Sudão, o futebol  começou os seus africanos, com três participantes. O andebol, na Tunísia, em 1974 começou com quatro representantes.
Angola abre e oferece aos hoquistas do continente, o melhor que tem. O Pavilhão do Kilamba é um \"palco de luxo\" para quem joga hóquei em patins. O comité organizador garante transporte, segurança e serviços de saúde. Está tudo assegurado. Moçambique está desde ontem em Angola, enquanto hoje, é esperado o conjunto egípcio.

André Centeno apela ao trabalho e humildade

O capitão da Selecção Nacional, André Centeno, apelou aos integrantes do grupo sob batuta de Fernando Fallé, a trabalharem com humildade e seriedade, apesar de que vão jogar o campeonato em casa.
Centeno actua no Hóquei Valdano de Itália, integrou os trabalhos da selecção, na terça-feira,  deixou o recado ao grupo, como forma de evitar amargos de boca, durante a competição.
"Estamos com vontade, há muita motivação, aliás, temos de encarar esta competição de forma séria. Apesar de jogarmos em casa, temos de ser humildes e trabalhar muito, se quisermos sair vitoriosos", alertou. 
Angola conta discutir o apuramento ao mundial, diante de Moçambique, uma vez que o Egipto é à partida, a equipa menos cotada em prova.
Humberto Mendes "Big", jogador que actua no Noia de Espanha, disse à nossa reportagem, que a disposição para o trabalho é a máxima. "Vim, assim que pude, sempre que seja para representar o nosso país, temos de dar o máximo de nós e estamos aqui para isso. Conhecemo-nos todos e creio, que temos tudo para cumprir o objectivo", prometeu.
Os atletas que evoluem na Europa, Martin Payero, Francisco Veludo, André Centeno, João Pinto e Humberto Mendes "Big" começaram a trabalhar com os demais colegas na sessão de segunda-feira. Big, Payero e Centeno trabalharam na segunda-feira, enquanto Centeno e Veludo integraram o grupo na terça-feira.

"Duke" aponta prontidão do grupo

O Seleccionador Nacional - adjunto, Eduardo Victor "Duke", antigo capitão da selecção, considera que o grupo de trabalho está pronto para as encomendas. A convicção de Duke, vem do entrosamento constatado entre jogadores, que actuam no campeonato angolano e aqueles que actuam em campeonatos europeus.O treinador falava à nossa reportagem, à margem da primeira sessão de treinos da equipa, no pavilhão multiusos do Kilamba, palco da prova.
"Felizmente, não temos nenhum jogador tocado, todos estão disponíveis e a aguardar a hora do jogo. O pessoal está a encarar a prova da melhor maneira possível, cientes de que temos um jogo decisivo, diante de Moçambique, mas de forma geral estamos a cumprir a preparação, com vista a prova e todos os adversários. Sabemos que temos de vencer Moçambique. Estamos a trabalhar bem, com grupo completo, os atletas demonstram um entrosamento aceitável e estamos satisfeitos".
Duke refere, que os jogadores chegados da Europa, estão a demonstrar o nível competitivo que trazem e aqueles que trabalham no país evoluíram satisfatoriamente.

Cohoquei fala hoje à imprensa

O nível de prontidão do país, para acolher o primeiro Campeonato Africano de hóquei em patins, vai ser apresentado hoje, durante uma conferência de imprensa convocada pelo comité organizador da prova, às 10h00, na Galeria dos Desportos.
O encontro que vai ser presenciado por representantes da delegação moçambicana, oficiais da Confederação Africana de Desportos sobre Patins (WSAfrica) e da federação internacional World Skating Roller Hókey (WSRH), que se encontram no país. A delegação egípcia (aguardada hoje) vai ser a última a chegar ao país.
Na conferência de imprensa, o Cohoquei pode também aflorar aspectos relacionados com o orçamento da prova e com a arbitragem para o torneio.
De recordar, que no primeiro encontro com jornalistas, Hirondino Garcia, presidente da Federação Angolana de Patinagem não revelou o valor em que orça a realização da prova, nem mesmo as partes cedidas pelo Estado Angolano.S.C