Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Africano de Madagscar atarefa seleco

Rosa Napole?o - 19 de Março, 2017

Judocas trabalham sem repouso para atingir os nveis compatveis grandeza da prova

Fotografia: Jornal dos Desportos

Trata-se de Fred Mendes, dos -90 kg, Casimiro Carlos, -100 kg, Acácio Cassule, -66 kg, Joelson Teixeira, -66 kg, Mário Hélio e Dário Dala, -60 kg e Marisa dos Santos, -46 kg, que se reúnem de segunda a sábado, no ginásio da Terra Nova, ao Rangel.

O objectivo dos respectivos judocas, que conseguiram patrocínios particulares para participar da competição africana, passa pela conquista de medalhas, superar a edição passada, onde Angola somou uma medalha de bronze, com a judoca Antónia de Fátima “Faia”.
  
O técnico principal, Yuri Paim, garante ter confiança no grupo, pelos feitos já conseguidos noutras provas africanas.

“Estes, são os melhores atletas que temos actualmente. O Casimiro Bento por exemplo, é um judoca com muitas internacionalização, pelas suas participações nos Open, a nível da Europa e não só. Esteve recentemente no Open da Argentina, onde chegou as meias finais da sua categoria. Esta semana, o judoca estará no Uruguai para mais um Open”, confirmou. Para além do técnico principal, o conjunto de seniores conta ainda com a supervisão dos treinadores Hélder Camindo e Alexandre Martins.

Recorde-se que a modalidade tem ainda em agenda, para este ano, os campeonatos africano de juniores em Maio, a Taça da União Africana marcada para 27 e 28 de Maio, nos Camarões, e o Africano de cadetes de 12 e 14 de Maio, no Egipto.


LUTAS
Vicente Luque
quer estar no top


A fase de Vicente Luque é espetacular. Nos seus últimos quatro compromissos, ele não deu chances aos oponentes. Embalado, ele está em Londres,  para entrar em acção no card preliminar do UFC Fight Night.

O desafio da próxima vez é com Leon Edwards, inglês, e que conta com grande parte dos apoiantes presente na O2 Arena, palco do show. Mas, nada tira o foco do brasileiro: ele quer a vitória para figurar no top 15 da categoria meio-médio (até 77,1 kg).

Actualmente, Luque é o lutador com maior sequência de vitórias fora da lista dos 15 melhores da divisão. Dentro do ranking, apenas três atletas ostentam números iguais ou superiores: Demian Maia (seis vitórias), Santiago Ponzinibbio e Kamaru Usman (também com quatro triunfos).

Um novo resultado positivo, muito provavelmente, deixa Luque no top 15, e essa possibilidade serve como motivação extra para o combate.

\" Eu estou a sentir-me muito bem com tudo o que está a acontecer comigo nos últimos anos. Sem lesões, o corpo está bem, a  cabeça está  boa, evoluo nos treinos, e isso tudo refecte-se em meus resultados. São quatro boas vitórias seguidas, mas quero mais. Quero engatar a quinta e aparecer entre os tops da categoria. Estou a subir degrau por degrau, e esse é o meu foco do momento\", avisa o lutador que nasceu em New Jersey, nos Estados Unidos, e foi criado em Brasília.

A caminhada invicta de Vicente Luque, de 25 anos, no UFC, começou em Dezembro de 2015, quando ele finalizou Hayder Hassan. Cinco meses antes, a sua primeira luta pela organização. Michael Graves levou a melhor na decisão dos juízes laterais. Em 2016, Luque viveu seu melhor ano na carreira.

Três vitórias  sobre Álvaro Herrera, Hector Urbina e Belal Muhammad, respectivamente.

Para seguir com êxito, o treino foi dividido em duas partes: uma,  no Brasil e outra nos Estados Unidos. Em Brasília, ele iniciou o campo sob a batuta de Daniel Evangelista na Cerrado MMA, sua equipa. Há um mês, fez as malas e encerrou  as suas actividades com vista a luta nos Estados Unidos,  dividiu-se em treinos de muay thai, wrestling, judô e jiu-jitsu.

\"Tive um camp muito bom, com o tempo ideal para chegar 100 por cento para lutar. Estava em Brasília, então iniciei os treinos por lá, focando nas combinações em pé e no chão. Nos Estados Unidos, tive o suporte do Durinho e do Henri Hooft, então estou com o chão e a trocação bem afiados.

Treinei muito wrestling com o Neil Melanson também, além de judo com os irmãos Villeforts, meus amigos e que me receberam muito bem na Flórida.

Enfim, estou pronto para fazer uma grande luta\",  garante.

E, para superar o perigoso Leon Edwards, além de todos os treinos supracitados, Luque contou com dicas preciosas de um amigo e companheiro de treino, que já lutou e venceu o inglês. Kamaru Usman é o responsável pela última derrota de Edwards, em Dezembro de 2015, exactamente no mesmo dia no qual começou a invencibilidade actual de Luque.