Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Africano est tremido

Rosa Napoleo - 05 de Fevereiro, 2018

Jiu-jitsu continua a enveredar esforos

Fotografia: Jornal dos Desportos! Edies Novembro

A Federação Angolana de Jiu-jitsu continua a enveredar esforços no sentido de conseguir os meios financeiros para a compra de bilhetes de passagem e estadia dos combinados seniores masculinos no Campeonato Africano de Marrocos, agendado para 16 a 17 do corrente, na cidade de Casablanca.
As três selecções de jiu-jitsu tradicional, brasileiro e aiki-jitsu trabalham \"afincadamente\" há mais de quatro semanas, sem as esperanças de concretizar o objectivo na prova. Com viagem marcada para o dia 12, a Federação continua a aguardar pela garantia de verba.
Vinte e seis atletas foram seleccionados para o certame. Os estilos tradicional e brasileiro comportam 12 atletas cada, ao passo que o Aiki-Jitsu vai ser representado por  dois atletas nas demonstrações.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, o secretário-geral da Federação, Pedro Emous, disse que o dinheiro vai surgir a qualquer momento, uma vez que o Ministério da Juventude e Desportos já deu alguma esperança.
\"Vamos manter a calma. Tudo vai resolver-se. Está nas mãos da entidade superior do desporto nacional. Neste momento, estamos a lutar para conseguir outros patrocínios particulares para ajudar a levar todos os atletas alistados\", disse.
Os aspectos técnicos e tácticos como combinações e melhor execução, ne waza, agilidade, velocidade, concentração e força muscular dominam a preparação dos atletas, que trabalham no Arena do Kilamba sob o comando do técnico João Laza, também conhecido por Mestre Yamachita.
Na lista do jiu-jitsu tradicional preenchem vagas os atletas Faustino Ngudi, da categoria de -56 kg (campeão africano em 2015 na África do Sul), Joel Kiala, -62 kg; António Domingos, -69 kg; Banino Kianga, -77 kg; Malona Faustino, -85 kg; Dianvuto Sango, -94 kg (campeão africano 2014 na Tunísia); Denilson Lopes, 56 kg; Ismael António, -62 kg; Makito Paxe, -69 kg; Bondo Pascoal, -85 kg; Medo Pedro, -77 kg e Manuel Mulamba, -94 kg.
Relembre que o jiu-jitsu eleva a bandeira nacional nas competições africanas. A especialidade brasileira preenche uma vasta galeria de medalhas africanas e mundiais. No tradicional, encontramos Daniel Nsango, medalhista de ouro e de prata do Open internacional da Tunísia em 2015.