Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Agentes da modalidade apelam ao trabalho

Silva Cacuti - 13 de Maio, 2019

rbitros e treinadores pedem novo encontro de trabalho

Fotografia: Edies Novembro

Em vésperas de assinalar mais um dia nacionalmente a si consagrado, o andebol angolano precisa que os agentes arregacem as mangas para o trabalho, se quiser marcar o passo qualitativo. A ideia foi defendida na sexta-feira, durante o encontro que juntou os treinadores e os árbitros de Luanda para troca de ideias e avaliação do desempenho de uns e de outros. O Dia Nacional do Andebol assinala-se a 20 do corrente.

Elvino Santos, membro do Conselho Provincial de Arbitragem, palestrou sobre a arbitragem, regras e as suas actualizações, momento seguido por perguntas e respostas. No final, foi unânime a ideia de que, para lá dos resultados obtidos pela modalidade em palcos internacionais, internamente, no que toca ao treinamento, arbitragem e metodologias, há um caminho que precisa de ser marcado pelo trabalho.

A iniciativa da Associação Provincial de Luanda foi louvada pelos nossos interlocutores que consideram a interacção entre os árbitros e os treinadores deve ter certa regularidade.

Alexandre Machado, treinador, abordado sobre o estado de andebol, apela a que não se olhe para os feitos e aponta a receita:

\"Vamos ser realistas. Não vamos olhar para os feitos e temos de trabalhar mais\", disse.

Para o treinador, o trabalho, que se pede, deve ser abrangente a todos os agentes.

\"Isto é para os dirigentes, treinadores, árbitros, atletas e governantes. O momento é de trabalho, senão corremos os riscos de desmoronar este edifício que é a nossa modalidade\", frisou.

Ouvido noutro momento, Simão Cassule Filho, presidente da APAL, que ao realizar a palestra inaugurou as actividades alusivas ao 20 de Maio, disse que Luanda tem grandes responsabilidades sobre o andebol no país e deve liderar o trabalho.

\"Principalmente na província de Luanda que tem 17 clubes com os seus escalões. Logo, temos muito que trabalhar. Em Luanda há muito trabalho. A APAL está aqui e vai continuar a dar o seu contributo\", disse.

O responsável referiu que a realização do encontro faz parte da estratégia directiva da instituição que visa criar um ambiente salutar entre os vários agentes da modalidade. Anunciou a realização de encontro similar no mês de Outubro.

Sobre o evento, Alexandre Machado disse que foi uma ocasião rara para conhecer melhor os árbitros e a sua maneira de pensar o jogo de andebol.

\"Esta iniciativa já devia ter acontecido. Enquanto treinadores, andamos preocupados também com a evolução dos nossos árbitros. A qualidade do nosso andebol só terá melhorias, quando a arbitragem acompanhar. Constatámos que está com um distanciamento notável relativamente ao trabalho das equipas. Se melhorarem, também melhoramos\", disse.

Alexandre Machado sustenta que é \"imperioso manter esses encontros para se mostrar os erros e aprendermos também\".\"O árbitro não é meu adversário, mas é um elemento fundamental do jogo e tem de estar bem preparado\", sustentou.O árbitro internacional Escurinho António disse, também, ter ficado com outra impressão dos treinadores, com os quais muitas vezes interage apenas durante os momentos de agitação dos jogos.

\"Devíamos realizar isso mais vezes. Foi salutar. Notou-se que podemos ter essa interacção directa e não indirecta como costuma a ser; ajuda o árbitro a compreender as motivações dos treinadores e esses (treinadores) também a conhecer mais as regras que sofrem com regularidade algumas mudanças. Todo o desenvolvimento faz-se com trabalho. Nesses 39 anos do andebol é bom que tenhamos novos moldes de trabalho. É salutar estar num encontro como esse\", comentou.

O programa de actividades alusivas ao 20 de Maio em Luanda têm seguimento no dia 18 com a realização de uma maratona desportiva das 8h00 às 17h00 no pavilhão anexo da Cidadela Desportiva. O evento prevê a disputa de jogos em todos os escalões e de ex-praticantes.A 20 de Maio de 1974, um grupo de praticantes decidiu massificar o andebol no território nacional. Face aos resultados do movimento a data foi instituída pela Federação Angolana da modalidade como Dia Nacional do Andebol.