Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Agito Foundation trabalha em Luanda

Silva Cacuti - 19 de Fevereiro, 2018

Fotografia: Nuno Flash

Começa hoje um campo de treinamento para atletas e técnicos dos países da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa), promovido pelo Comité Paralímpico Angolano (CPA) em parceira com a Agito Foudation. A acção formativa prevê juntar cerca de 40 elementos entre técnicos, atletas e prelectores nas instalações do Decifer Sport Resort, nos Estádios 11 de Novembro e dos Coqueiros em Luanda. O campo realiza-se de 18 a 23 do corrente.
O Secretário Geral do CPA, António da Luz, disse ao Jornal dos Desportos que o campo resulta da aprovação de uma candidatura do CPA aos programas do Comité Paralímpico Internacional (IPC).
\"A Agito Foudation foi criada desde 2012 e, desde então, é através deste programa que o IPC apoia os comités nacionais. Estabelecem-se critérios, preenchemos os requisitos e a candidatura foi aceite. Temos outra candidatura para um programa de formação de dirigentes. Aguardamos a aprovação\", disse.
O campo vai versar sobre atletismo e halterofilismo. António da Luz lembrou que Angola já possui atletas do halterofilismo e que já representaram o país nos Jogos Africanos da República do Congo.
Segundo uma nota da Agito Foundation, a realização do campo visa fortalecer a capacidade dos comités paralímpicos nacionais e criar um impacto sustentável no crescimento do movimento paralímpico nas regiões. 
Durante este evento os participantes vão aprimorar as habilidades e conhecimentos, além de se preparar para se envolver em eventos futuros nos seus países e em todo o mundo.

TAÇA SAYOVO
SEM DATA CERTA

Dificuldades de garantir todas as condições logísticas para o êxito da corrida levaram o Comité Paralímpico Angolano a adiar a XII edição da Taça Sayovo, inicialmente agendada para 24 do corrente. Outra razão invocada para o adiamento é o baixo nível de inscrições que se registou.
A Taça Sayovo está orçada em cerca de 25 milhões de kwanzas e ainda não estão disponibilizados pelo Ministério da Juventude e Desportos, a entidade que a instituiu em reconhecimento aos feitos internacionais atingidos pelo atleta paralímpico angolano José Sayovo.
Uma nota do CPA chegada à nossa redacção indica que a nova data de disputa da competição vai ser anunciada nos próximos dias.
A justificativa do CPA está no facto da prova ter já granjeado um enorme prestígio pela boa organização e também pela diversidade de participantes que acorrem anualmente ao evento.
A Taça José Sayovo junta atletas paralímpicos e não paralímpicos, federados e não federados, num total de 21 categorias. A organização pretende premiar os cinco primeiros de cada uma das categorias.
José Sayovo, natural da província do Bié, tem registo de três medalhas de ouro nas provas de velocidade de 100, 200 e 400 metros e respectivos recordes (mundial e paralímpicos) nos Jogos de Atenas, em 2004. Foi um feito ímpar em todo o desporto nacional.
José Sayovo é o atleta mais medalhado do desporto em Angola, com subidas ao pódio em três ocasiões consecutivas de Jogos Paralímpicos, designadamente, em Atenas\'2004 (Grécia), Beijing\'2008 (China) e Londres\'2012 (Inglaterra). O velocista acumula um pecúlio de 48 medalhas em provas internacionais, sendo 25 de ouro, 21 de prata e duas de bronze.
No ano passado, o  fundista João Feliciano dominou a Taça Sayovo com o tempo de 38min 53s47, seguido por Eduardo dos Santos, com 39min 06s18.
No sector feminino, Emeliode Fernanda ocupou o primeiro lugar com o tempo de 41min 32s04, ao passo que Conceição Faria cronometrou 42min 26s15.