Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Alonso persegue mais troféus

29 de Junho, 2014

Piloto espanhol descontente com as performances alcançadas nas provas pretende mudar o rumo dos acontecimentos

Fotografia: AFP

Com 79 pontos no Mundial de Fórmula 1, a 86 atrás do líder Nico Rosberg e sem vencer uma corrida em 2014, o espanhol Fernando Alonso está a pilotar um Ferrari ainda muito abaixo das Mercedes e sem muitas perspectivas para o título dos pilotos. Mesmo assim, o asturiano é quarto colocado no campeonato e na última corrida, na Áustria, conseguiu o quinto lugar. No entanto, engana-se quem pensar que o corredor está satisfeito apenas com posições de performances razoáveis.

"Há alguma satisfação em ver os outros dizerem que se está a conduzir cada vez melhor. Há o respeito dos pilotos, dos chefes das equipas, dos fãs. Todos reconhecem o seu trabalho, mas acho que preferia não ter nenhum respeito e mais troféus em casa", disse o piloto durante uma entrevista .
Ciente das limitações da Ferrari em relação aos carros com o motor Mercedes, Alonso quer alcançar melhores resultados de maneira gradual para ajudar a equipa italiana no Mundial de Construtores, já que o torneio de pilotos está encaminhado para Hamilton e Rosberg.

 "No momento, não estamos em posição de vencer, então, temos de pouco a pouco tentar ir ao pódio, tentar ganhar e conseguir o maior número de possível de pontos para a equipa”, explicou o espanhol que teve a sua melhor marca na China, onde conseguiu o terceiro lugar.

Caso faça uma corrida melhor no próximo GP, o da Inglaterra, Alonso pode “roubar” o terceiro lugar de Daniel Ricciardo, da Red Bull, que tem 83 pontos, apenas quatro a mais que o espanhol. No Mundial de Construtores, a equipa italiana está em terceiro lugar, com 98 pontos. A alemã Mercedes lidera com 301 e é seguida pela austríaca Red Bull, com 143.

Entretanto, a Red Bull perdeu a paciência com a Renault após o Grande Prémio da Áustria e julgou a situação dos motores como “inaceitável”.  Em resposta às críticas da escuderia, a empresa admitiu que é muito difícil ter grandes evoluções nesta temporada devido a diversas dificuldades impostas pelo regulamento, mas tentou tranquilizar dizendo que é possível haver mudanças durante a pausa no inverno.

"A oportunidade de alterar as especificações do hardware é extremamente limitada no decorrer da temporada. Mas estamos a trabalhar com um roteiro de desenvolvimento que certamente tem mais possibilidades de apresentar melhorias para 2015”, afirmou Rob White, vice-director da Renault, que ressaltou  a dificuldade de mudar os motores durante 2014.

"De momento, as regras são explicitamente claras: não podemos mudar sem a aprovação prévia da FIA, o que normalmente não ia ser dada para a melhoria do desempenho”, completou.