Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Alonso prevê luta com a Mercedes

04 de Fevereiro, 2015

Bicampeão mundial de Fórmula Um trocou a Ferrari pela McLaren para voltar a conquistar o terceiro título da carreira

Fotografia: AFP

A Mercedes chamou a atenção da concorrência nos dois primeiros dias de testes de pré-época, ao completar as impressionantes 248 voltas, depois de dominar a época 2014, com 16 vitórias nas 19 provas. A performance inicial não foi suficiente para impressionar Fernando Alonso, da McLaren.

Para o piloto espanhol, apesar de a equipa de Lewis Hamilton e Nico Rosberg continuar favorita para a conquista do campeonato, que começa em 15 de Março, a tendência é para a vantagem da equipa alemã ser menor do que o ano passado. As regras são mais estáveis esta época.
“A Mercedes foi a equipa que dominou no ano passado, venceu praticamente todas as corridas.

Agora, estão rápidos novamente e fizeram muitas voltas. Definitivamente, têm a vantagem na performance e tudo mais para este ano, ou pelo menos para o começo da época”, disse. O piloto espanhol também comentou os primeiros dias da parceria da McLaren com a Honda: "Hamilton e Nico têm a continuidade de um carro dominante, é mais fácil para eles do que para nós, que temos uma nova unidade de potência, um design muito extremo no carro e muito agressivo".

Fernando Alonso está certo de conquistar corridas com a McLaren, pondo fim ao domínio da Mercedes. "Não vão vencer tantas corridas  este ano, apesar de serem favoritos. Todas as outras equipas vão estar melhor preparadas do que no ano passado", retorquiu.

LEWIS HAMILTON
DEIXA RECADO

Longe das primeiras posições no início dos testes de pré-época, a Mercedes não esconde a sua confiança no novo carro. Os campeões mundiais deram impressionantes 248 voltas apenas nos dois primeiros dias de actividades de pista e Lewis Hamilton avisou que ainda não começaram a investigar o que podem fazer em termos de velocidade.

“É o mesmo do ano passado. No começo dos testes, a sensação não é boa, quando passa pelas curvas rápidas. Mas é a pior sensação do ano todo: o equilíbrio não está perfeito, porque ainda não trabalhamos no acerto. Então, poderia estar melhor, mas há muita coisa positiva e conseguimos uma boa quilometragem”, disse.

Mesmo tendo corrido bem menos que Nico Rosberg no seu primeiro dia no carro, Lewis Hamilton teve um vazamento de água. “Não dá para nos animarmos muito, porque não sabemos como estão os outros. O que nos anima é a primeira corrida, como em todos os ano.

A sensação com o carro é a mesma, do ano passado. Parece que temos mais pressão aerodinâmica. Acho que demos um passo adiante, mas o tamanho desse passo é desconhecido. Não estávamos a tentar marcar voltas rápidas”, disse.

SOLUÇÃO
Button optimista
com a McLaren

Depois de correr cerca de 25 quilómetros no seu primeiro dia a bordo do MP4-30, carro que marca o regresso da parceria entre McLaren e Honda, Jenson Button está confiante em que a equipa está no caminho certo para solucionar os problemas sofridos. Sem dar detalhes, o inglês explicou que a sua última saída na pista de Jerez, onde oito equipas da Fórmula Um iniciam os testes de pré-época, revelou a causa dos problemas, o que o deixou optimista.

“Não é o início dos mais fáceis mas, como sabemos, a unidade de potência é muito complicada. Temos de trabalhar nela. Entendemos o problema que tivemos e foi por isso que fizemos a última saída, mesmo no piso molhado, para o entender e conseguimos. Isso é bom”, disse. A Honda enfrenta o desafio de estrear o seu motor híbrido V6 turbo com um ano de defasamento em relação aos concorrentes.

“O importante para nós é baixar a cabeça e trabalhar em todas as verificações dos sistemas nos próximos dias. Não estamos a tentar chamar a atenção do mundo com tempos de volta, mas tomara que cheguemos ao fim na primeira corrida competitivos”, disse. Os testes de Jerez de la Frontera encerram hoje. Vão ser realizadas outras duas sessões de quatro dias ao longo de Fevereiro, em Barcelona