Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Andebol com provas inter-regionais

Gaudência Hamelay- Lubango - 29 de Novembro, 2013

Crianças angolanas vão ser incentivadas à prática de andebol em diferentes escolas espalhadas pelas cidades do Centro e Sul do país

Fotografia: Jornal dos Desportos

O lançamento do projecto de competições inter-regionais nos escalões de formação vai impulsionar o desenvolvimento do andebol nas províncias do Centro e do Sul do país a partir do próximo ano. A direcção do Pólo de Desenvolvimento de Andebol dessa região trabalha na regulamentação que vai orientar a organização e realização das provas locais.

O coordenador do Pólo de Desenvolvimento de Andebol da Região Centro e Sul, Rui Ferreira, esclareceu que o suporte do programa está em Benguela, uma província com grande experiência na formação de atletas e na organização de competições no país. Numa primeira fase, o programa vai ser direccionado à massificação nas oito províncias. “Vamos tentar dinamizar mais o andebol nessa região, partindo da experiência de Benguela para tirar a hegemonia a Luanda.”

Rui Ferreira esclareceu que o conclave congrega oito províncias , Kwanza-Sul, Kuando-Kubango, Huambo, Huíla, Cunene, Benguela, Bié e Namibe.

O arranque do projecto está agendado para a primeira pausa pedagógica do próximo calendário escolar do país. A sede da primeira edição pode ser a cidade do Huambo ou a do Sumbe. A decisão final vai ser tomada em Fevereiro de 2014. Os mentores do projecto pretendem que as oito primeiras edições sejam realizadas em províncias diferentes, no intuito de produzir atletas para as selecções nacionais.

O responsável do projecto disse que a sua direcção “vai atacar as selecções de cadetes, numa primeira fase, e posteriormente as de juniores”. Rui Ferreira advertiu que “a indisponibilidade financeira pode inviabilizar a rápida ascensão do andebol local, mas com sapiência, perseverança e pouco financiamento a direcção pode “atacar” também as selecções de seniores numa terceira fase”.

Para o êxito do projecto, a direcção do pólo pede o apoio da Federação Angolana de Andebol no que diz respeito a questões financeiras e materiais, como bolas, camisolas, calções, sapatilhas, cones e outros equipamentos inerentes à formação.

A direcção do Pólo de Desenvolvimento de Andebol do Centro e Sul está a trabalhar com a Associação Provincial de Andebol da Huíla na definição da política de angariação de fundos e patrocínios. Os trabalhos vão estender-se às outras setes associações provinciais.

Pedro Godinho, presidente da Federação Angolana de Andebol, prometeu, durante a sua campanha eleitoral, lançar Pólos de Desenvolvimento Regionais, visando a expansão da modalidade em todas as províncias.


SILÊNCIO
Cunene e Menongue
preocupam a Faand


A ausência das províncias do Kuando-Kubango e do Cunene nas competições nacionais preocupa o coordenador do Pólo de Desenvolvimento de Andebol da Região Centro e Sul do país, Rui Ferreira.

O também presidente da Associação Provincial de Andebol de Benguela disse que os dirigentes das equipas da  província das acácias rubras manifestam inquietação quanto ao silêncio do Kuando-Kubango e do Cunene, que há muito estão ausentes dos campeonatos nacionais. Para esclarecer as causas da ausência, prometeu trabalhar com as duas províncias e apoiá-las tecnicamente para produzirem atletas e árbitros.

Um plano de formação de treinadores e de árbitros vai ser aprovado para fazer ressurgir o andebol nas duas províncias localizadas mais a sul do país. Rui Ferreira disse que nas competições nacionais só actuam árbitros da Associação de Luanda e de Benguela.

“Chegou a hora de inverter o quadro com a produção de atletas e de árbitros na região centro e sul do país”, disse.

Rui Ferreira assegurou que vai enviar à próxima Assembleia-Geral da Federação Angolana de Andebol uma proposta para que as zonas centro e sul apurem equipas para os campeonatos nacionais.
GAUDÊNCIO HAMELAY, NO LUBANGO