Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Andrea Dovizioso pode ter os dias contados na Ducati

Altino V. Dias - 12 de Janeiro, 2019

Italiano Andrea Divizioso conseguiu o ttulo de vice-campeo de MOTOGP a poca passada

Fotografia: DR

Andrea Dovizioso, assim como Valentino Rossi, Jorge Lorenzo, Marc Márquez, Maverick Viñalles e Dani Pedrosa, estava entre os pilotos das equipas mais bem sucedidas, a nível de vitórias e poles na grelha do campeonato de 2017 e 2018.
O piloto italiano Andrea Dovizioso encerrou a sua participação em 2018, com mais uma derrota, contrariando os prognósticos de muitos analistas e fãs da Moto GP e, pela segunda vez, frente ao espanhol Marc Márquez. Para o piloto italiano, esta derrota foi complicada e frustrante, mas os “fãs ducatistas” esperam um “Dovi” mais forte este ano.
A equipa Ducati e os seus fãs esperam que tudo seja, em  2019, diferente e saiam com o título de construtoras e pilotos. Para muitos amantes, a equipa italiana (Ducati) já merecia o título em 2018, pelo trabalho e a força com que apareceu em 2018, mas Márquez, Dovizioso e Jorje Lorenzo (ambos da Ducati) foram os principais causadores desta derrota.
Em 2019, a Ducati, Dovizioso e Danilo Petrucci pretendem impedir que a Repsol Honda, Movistar Yamaha e uma outra equipa ou piloto consigam o título de pilotos e equipas, mas não  nos podemos esquecer de que a Ducati poderá ter uma luta interna mais intensa do que a dos anos anteriores, pois Danilo Petrucci tudo fará para bater Dovi. O recém-chegado à equipa não deseja correr à “ sombra” de Dovizioso, como “acontecia” com Lorenzo, e tudo fará para manter o lugar na equipa e justificar  o que a Ducati fez ao tê-lo contratado. Isto poderá facilitar a entrada de outros candidatos “fora do radar” à candidatura pelo título de pilotos.
Andrea Dovizioso não pode sofrer nem  mais uma derrota em  2019  frente a Marc Márquez. Se tal acontecer, seria a terceira consecutiva  e os  amantes da Moto GP podem alegar que Dovizioso não aprendeu as lições de 2017 e 2018, voltando a cometer os erros do passado, pelo que poderá, então, dizer adeus à Ducati em 2020. A Ducati não foge à regra e como tal não deseja ter um piloto que não consiga bater o seu adversário em três anos consecutivos, mesmo com uma mota à altura. Algumas pessoas já dispararam nos comentários, alegando que Rossi e Márquez teriam sido campeões este ano com a Ducati, mesmo que a Repsol Honda estivesse nesse nível. Eles não desprezam Dovizioso e Lorenzo, mas Márquez mostrou mais consistência do que eles e Rossi tem uma máquina inferior em termos de velocidade de ponta.
Olha que com a saída de Lorenzo, a Ducati teve a ‘boa’ iniciativa de contratar  o italiano Danillo Petrucci e, se este também derrotar Dovizioso em 2019, mesmo que venha a perder para um outro piloto, podemos dizer que a Ducati já tem o “útil” e faltar-lhe-á apenas o “agradável.” Nesta ordem de ideias, Andrea Divizioso e a Ducati vão para 2019 a sonhar com o melhor para ambos.
Em 2018, “Dovi” conseguiu o vice-campeonato, apesar dos erros, embora para muitos fãs estes não signifiquem nada comparados com a perda do campeonato. Será que em 2019 Andrea Dovizioso se irá sagrar campeão?
Tal como irá acontecer na Fórmula 1 em relação à Ferrari (Sebastian Vettel e Charles Leclerc), na Moto GP a nação italiana  vai pôr nas costas da Ducati, de Dovizioso e de Petrucci a obrigação de levarem os títulos de campeões de equipas e de pilotos de 2019, pois  a Ducati e os fãs estão desesperados para regressarem ao  topo, como no ano de 2007,  com Casey Stoner. Muitos amantes da Moto GP têm prognosticados como campeão deste ano pilotos como Marquez, Dovizioso, Lorenzo e Viñalles, comentando-se muito pouco sobre Rossi e Petrucci. Mas a Moto GP é um desporto de muitas surpresas. Petrucci pode surpreender os favoritos e sagrar-se campeão em 2019. A acontecer, poderemos arriscar e dizer que Andrea Dovizioso pode ter os dias contados na Ducati. Muitos pilotos “supostamente” menos experientes têm batido pilotos mais experientes, como aconteceu nos últimos anos a Dani Pedrosa e a Marquez na Repsol Honda, Maverick Viñalles  e Rossi na Movistar Yamaha.
Aconteça o que acontecer, o mundo inteiro está ansioso e aguarda com impaciência pelo arranque do campeonato de Moto GP que terá o seu início de 8 a 10 de Março no Grande Prémio do Qatar e termina no dia 17 de Novembro no Grande Prémio da Comunidade de Valência.