Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola comea a "Stickar" hoje

Silva Cacuti| em Barcelona - 06 de Julho, 2019

Pupilos de Fernando Fall vo a procura da to almejada desforra

Fotografia: Jos Cola | Edies Novembro

A derrota, 1-7, para os italianos, na definição do terceiro lugar da Taça das Nações de Montreux, de Abril do corrente ano é, podemos dizer, "o irritante" nas relações desportivas entre Angola e a Itália, no que à patinagem diz respeito. Hoje, às 16H00, as duas formações voltam a medir forças, num jogo mais sério, que vai marcar a abertura do Grupo A, do Mundial de hóquei em patins, inserido na segunda edição dos Jogos Mundiais da Patinagem.
Mundial é mundial. Nada a ver com a Taça das Nações de Montreux que, apesar do prestígio e história, não é mais que um aperitivo para as equipas, em ano de mundiais. Por esta razão, Massimo Mariotti, timoneiro italiano, colocou diante de Angola uma equipa experimental, composta pelos jovens  Bruno Sgaria, Simone Corona, Davide Borsi, Francesco Compagno, Davide Banini, Elia Cinquini, Samuele Muglia, Samuel Amato, Alessandro Faccin e Davide Gavioli.
Massimo não quis vender o seu jogo, escondeu as peças, conhecia que tinha, logo a seguir, o Campeonato Europeu em que acabou por conquistar o bronze.
Os jovens da "nazionale" foram competentes e golearam a equipa angolana que, no entanto, actuou sem Humberto Mendes "Big", que ficou de fora por acumulação de cartões e também sem Anderson Silva "Nery" lesionado. Mais ainda, o jogo com os italianos ocorreu, quando no balneário angolano reinava já alguma insatisfação, devido ao não pagamento de prémios e outros, que terão "roubado" fulgor ao jogo.
Na sequência, Fernando Fallé, seleccionador nacional, chegou a colocar o lugar à disposição, por considerar que não estavam criadas as condições para continuar.
Hoje tudo pode ser diferente. Contas vão ser feitas e sem jogadas escuras. É Angola e Itália. Tudo o que angolanos e italianos têm e podem. Massimo convocou para o Mundial, quase todo o "lombo" que teve na disputa do bronze europeu, exceptuando dois atletas, que apresentaram problemas pessoais.
Vai ser a doer tanto para uma como para outra equipa. Cada uma persegue os seus objectivos. Enquanto a equipa africana pretende manter ou melhorar a quinta posição conseguida em 2017, na China, aquando da primeira edição dos jogos mundiais da patinagem, os italianos aspiram pelo pódio, depois do quarto lugar na prova passada.
Mais do que isso, angolanos e italianos sabem que a vitória no jogo de hoje, pode propiciar o salto à segunda fase, já que tanto Angola, quanto Itália, têm algum favoritismo nas perspectivas de jogo com a França, mas não podem pensar do mesmo modo em relação à Espanha, que é a campeã mundial em título.
O próximo jogo da Selecção Nacional será amanhã, domingo, 8, diante da equipa da França.
Ainda hoje, para o mesmo Grupo, a selecção anfitriã defronta a congénere  da França, em jogo previsto para as 20H00.
Amanhã, domingo, entram em cena as equipas arroladas no Grupo B.  O Chile vai defrontar a Argentina, no duelo sul-americano, enquanto Portugal vai medir forças com a Colômbia, outro sul americano.
De acordo com os moldes de disputa, o último classificado de cada um dos grupos, baixa para a disputa da segunda fase da Taça Intercontinental, enquanto os vencedores dos grupos da Intercontinental sobem para a disputa dos quartos-de-final do Campeonato Mundial.

Crença
Patrícia chega a Barcelona
no máximo das capacidades


A juíza angolana Patrícia Costa "Tucha", diz estar em Barcelona para dar o melhor de si em nome do país. A antiga praticante foi convidada para actuar nos Jogos Mundiais , depois de ter falhado a primeira edição disputada na China, em 2017.
"Estou bem preparada física e até psicologicamente. Sinto-me motivada e também orgulhosa por merecer este convite, já que vai ser a terceira prova mundial do meu historial como árbitra", comentou.
Falando ao Jornal dos Desportos, a única representante continental na arbitragem desta prova, disse desconhecer em que categoria exacta vai actuar.
"Pelas datas que me foram dadas, creio que vou actuar mesmo no mundial sénior masculino, aliás sempre apitei nesta prova, é pouco provável que seja diferente, mas estou pronta para qualquer competição", disse.
 Habituada aos grandes palcos, a Patrícia Costa é a árbitra angolana com maior coeficiente e surge, com naturalidade, na lista dos árbitros para esta competição.
Vai ser a sua terceira presença em mundiais, depois de se ter estreado no mundial de 2013, em Luanda. Ajuizou também o mundial de 2015. A angolana já ajuizou jogos em dois torneios de Montreux; tem presenças nos jogos Pan-americanos; Copa América em feminino; Torneios Zé Du, e outros torneios internacionais em Portugal.

Convocatória
Dorivaldo e Josemar
 entre os novatos 


Os atletas Dorivaldo Francisco e Josemar Tavares, ambos do Petro de Luanda, são as novidades da Selecção Nacional sénior de hóquei em patins, que representa, a partir de hoje, o país no Mundial da modalidade, de 6 a 14 deste mês, em Barcelona (Espanha).
Completam o grupo às ordens de Fernando Falé, Francisco Veludo (guarda-redes), Adilson Diogo, Anderson Silva, Argentino Agostinho, André Centeno, João Pinto, Martin Payero e Humberto Mendes.
Na triagem ficaram de fora o guarda-redes Estêvão Dalas, do 1º de Agosto, e Sérgio Lukurico, do Petro de Luanda. Dorivaldo e Josemar mereceram a confiança do seleccionador, meses depois de terem falhado o Campeonato Africano que o país acolheu, em Fevereiro, e o Torneio Internacional de Montreux (Suíça), em Abril.
A selecção efectuou um estágio pré-competitivo em Portugal, onde em sete jogos obteve seis vitórias e uma derrota, sendo esta por 1-3, na noite de terça-feira, diante da similar portuguesa.

Convicção “Angola pode
vencer qualquer selecção"


Angola ficou inserida "num grupo complicado" no Mundial de hóquei em patins, com Espanha, Itália e França, mas o treinador Fernando Falé admitiu que "se estiver bem e num dia bom, pode vencer qualquer selecção". "Temos possibilidade de lutar pelo segundo lugar [no grupo] e esse é o nosso objectivo, terminar no segundo lugar", disse à agência Lusa o português Fernando Falé, que, em 2017, regressou ao comando da selecção angolana, a qual conduziu aos Mundiais de 2005 e 2007. Fernando Falé destacou o "colectivo forte", a "ambição" e a "intensidade e alegria de jogo" da selecção angolana como os seus principais trunfos, que a legitimam a ombrear de igual para igual com os adversários teoricamente mais fortes. "Há a motivação e o desejo de provocar uma surpresa, porque a selecção tem qualidade. Temos um estilo de jogo alegre, acutilante, agressivo, motivador e os jogadores empolgam-se, proporcionando, normalmente, bons espectáculos", disse, acrescentando que Angola discute sempre todos os resultados. Apesar de disputar o campeonato do mundo sem a pressão exigida às selecções que lutam pelo título, Fernando Falé quer melhorar o quinto lugar alcançado há dois anos, em Nanjing, na China, "e, com compromisso e entrega, sonhar cada vez mais alto". Angola vai disputar a fase de grupos do Mundial2019, a decorrer de hoje, sábado, até 14 de Julho, nas cidades de Vilanova e Barcelona (a partir dos quartos de final), integrada no grupo A, com a anfitriã Espanha, a Itália e a França. "A Espanha é a campeã. A Itália tem jogadores que lhe permite sonhar com a intromissão na luta do título e a França é sempre muito poderosa", reconheceu o seleccionador angolano, que realizou a última fase de preparação para a prova em Portugal.
Apesar das dificuldades esperadas para os jogos da fase de grupos a disputar no pavilhão Isaac Gàlvez, em Vilanova, a cerca de 50 quilómetros de Barcelona, Fernando Falé está optimista com um bom desempenho da sua selecção, bem como das suas possibilidades. "É um grupo complicado, mas, com excepção da selecção da Espanha, que se destaca como principal candidata, eu diria que a diferença entre Itália e Angola e entre Itália e França não é muita", considerou o seleccionador Fernando Falé.
Para o técnico, que assume que a campeã e anfitriã Espanha se destaca entre os potenciais candidatos ao triunfo no grupo A, resta "uma luta a três pelo segundo posto", que possibilite um adversário teoricamente mais acessível nos 'quartos'. "Diria que é uma luta a três para o terceiro lugar [no grupo A]. Cada uma das selecções tem as suas mais-valias, umas mais experientes e outras com jogadores mais dotados tecnicamente", defendeu, destacando o "colectivo forte" de Angola.
Para Fernando Falé, a selecção de Angola pratica um hóquei "fisicamente muito intenso", com base "num colectivo muito forte", e possui jogadores que são já reconhecidos por actuarem nos melhores campeonatos e clubes do mundo.
Entre o lote de eleitos de Fernando Falé para disputar o Mundial2019 estão João Pinto (Sporting), Francisco Veludo (Vercelli, Itália), André Centeno (Valdagno, Itália), Humberto Mendes (Noia, Espanha) e Martin Payero (Liceo, Espanha).
"Selecção ambiciosa e os últimos anos têm demonstrado isso mesmo, com alguma consistência nos resultados e nas exibições também. Angola tem uma mescla de jogadores jovens e mais experientes", disse Fernando Falé, cuja equipa se estreia no sábado frente à Itália.
Portugal, que procura em Espanha recuperar um título que escapa desde o conquistado em Oliveira de Azeméis, em 2003, integra o grupo B, com as selecções sul-americanas da Argentina, Chile e Colômbia.

Novidades
Modalidade faz
 estreia em Espanha


Acabou a longa espera, para os expectantes amantes da patinagem. Hoje começam as emoções, propriamente ditas, dos Jogos Mundiais que a cidade de Barcelona, Espanha,  acolhe até 14 do corrente.
A Selecção Nacional vai estrear-se diante da Itália e assinalar a sua 19ª presença na prova principal do hóquei em patins, depois de três presenças (1982, 1992 e 1994) nos extintos Mundiais B.
Aliás, só amanhã é que o hóquei em patins de seniores entra em cena. Depois da cerimónia de abertura realizada na noite de ontem, no majestoso Palau Sant Jordi, hoje o dia é reservado para a abertura das provas de Downhill (descidas com patins), Skateboarding, Scooter (trotinete) e Roller Freestyle (estilo livre).
Ao todo, os jogos incorporam 128 competições em 11 disciplinas da patinagem (Alpino, Artístico, Freestyle Roller, Downhill, Inline Freestyle, Hóquei em Linha, Hóquei em Patins, Roller Derby, Scooter, Speed e Skateboarding). Mais de 4 mil atletas de 81 países vão movimentar a cidade, a capital catalã.
Angola, Moçambique e Egipto (hóquei em patins) e a Namíbia, com o patins em linha, são os países africanos inscritos em modalidades colectivas. Não está ainda disponível o quadro de competidores, em todas as  especialidades individuais
Na verdade, os Jogos Mundiais começaram a 29 de Junho, com a disputa de provas nos escalões juniores. A dois do corrente começou a disputa da patinagem artística, a primeira modalidade sénior.
A Itália comanda o quadro de medalhas, com um total de cinco, sendo três de ouro, uma em prata e outra em bronze. Os patinadores artísticos italianos Davide Arminchiardi e Chiara Trentini conquistaram, na quarta-feira, as primeiras medalhas de ouro, em seniores, dos jogos mundiais de Barcelona.