Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola conquista Open de África

Rosa Napoleão - 09 de Julho, 2016

A selecção nacional de judo, conquistou o Open de África

Fotografia: Jornal dos Desportos

A selecção nacional de judo, conquistou o Open de África, que decorreu de 26 de Junho a 2 do corrente em Joanesburgo, África do Sul, e destronou do título a gigante equipa de Moçambique. Na segunda participação histórica no circuito, Angola superou o quinto lugar obtido na edição de estreia, decorrido em Port Elizabeth, também na África do Sul.

A conquista de medalha de ouro é da responsabilidade dos atletas de elite nacional, acreditados para as qualificativas dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. As grandes exibições de Hélio Zêmbula e de Ângelo António levaram a direcção da competição, a solicitar exames anti-doping, que foram negativos.

Nas provas disputadas nas classes de Open Master - individual e por equipa - Hélio Zêmbula, atleta da categoria de -66 kg, e Ângelo António, dos -90 kg, arredaram para a segunda posição a selecção anfitriã, a África do Sul, e a Zâmbia, na terceira.

Diante de pesos pesados, o atleta angolano Hélio Zembula, -66kg, conquistou a medalha de ouro nos combates do Open Master (prova destinada aos maiores de idade), depois de superar um sul-africano e um zambiano.

Na classe individual, Hélio Zembula participou de quatro combates, dos quais venceu três. As vitórias renderam-lhe a medalha de ouro.

A selecção nacional formada por Hélio Zêmbula (-66kg), Ângelo António (-90kg), Audácio Kambamba (-100kg), José Simões (-81kg), Euclides Ricardo (-81kg), Josemar Frederico (-73kg) e Filemon (+100kg) participou do evento com meios próprios. Os atletas  custearam as despesas de participação, bilhetes de passagens, alimentação e hospedagem.

De regresso a Angola, a equipa já prepara a viagem às Ilhas Maurícias, palco do Grande Sprit no mês de Novembro. O grupo clama às entidades competentes do Estado e singulares (empresários) a patrocinarem a viagem.

Os atletas sustentam que a imagem de Angola está bem cravada em África, depois do sucesso nas terras de Nelson Mandela. Urge, a manutenção da bandeira nacional, no mastro mais alto das competições continentais. "É um orgulho ser angolano e ver a nossa bandeira hasteada", disseram.