Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola decide presença nos "quartos"

Silva Cacuti, em França - 23 de Junho, 2015

A duas jornadas na fase de grupo Angola tem melhor goal-average que França

Fotografia: José Cola

A Selecção Nacional tenta hoje, a partir das 20h15, diante da congénere francesa, a passagem para os quartos -de - final da 42ª edição do Campeonato do Mundo de hóquei em patins, que a França acolhe na localidade de La Roche Sur Yon. Quis o destino, sempre ele, que o jogo decisivo para as aspirações angolanas fosse com a anfitriã, equipa que tem levado à melhor sobre Angola nas últimas quatro vezes que se defrontaram.Uma história nada agradável que urge corrigir. A última vez que Angola venceu os franceses em Campeonatos do Mundo foi em 1993, em Itália, na fase de grupos. A vitória angolana foi gorda, 8-2.

De lá para cá, as duas equipas defrontaram-se outras quatro vezes, todas nos quartos -de -final, e os franceses com goleadas, vantagem mínima ou recurso às penalidades venceram sempre. O último confronto, entre as duas equipas, foi no mundial de Vigo, Espanha, para a definição do quinto lugar. A França venceu por apertados 3-2. Angola acabou a prova na sexta posição, a melhor classificação de sempre, enquanto a França ficava com o cobiçado quinto lugar.

Muita água tem passado por debaixo da ponte que liga duas equipas, afinal, “amigas”. Em 2013 os franceses chamaram Angola para fazer dois jogos amistosos na região de Sant Omer. Angola venceu 5-2, no primeiro jogo e no segundo jogo aconteceu algo insólito. As equipas jogavam sob arbitragem local que depois da derrota no primeiro jogo estava a ser descaradamente tendenciosa. Até que o presidente da cidade e o seleccionador francês, interromperam o jogo, para alertar a arbitragem de que se tratava de um jogo amistoso e que não precisava de actuação tendenciosa. Angola acabou por perder o jogo por 2-3.

Hoje as ambições dos franceses e de angolanos voltam a colidir. Ambos desejam os quartos -de - final, fase em que apenas uma deve marcar presença.As equipas estão aprumadas. Volvidas duas jornadas da fase de grupos, Angola está a frente dos franceses graças ao goal -average. A equipa angolana marcou oito golos e sofreu cinco, contra  oito marcados e seis sofridos por parte dos adversários.Orlando Graça deve manter no “cinco” inicial Francisco Veludo, à baliza; João Pinto, Centemo, Payero e Johe ou Márcio Fernandes em campo.

APURAMENTO
Moçambique busca liderança do grupo

Moçambique, outra equipa africana inscrita na 42ª edição do Campeonato do Mundo de hóquei em patins, conseguiu a qualificação para os quartos -de - final, mercê de duas vitórias nos dois primeiros jogos da fase de grupo, diante da Inglaterra e da Suíça. Está a sair bem! Hoje os “mambas" descem à quadra de jogos para tentar surpreender a Argentina e ficar com a liderança do grupo B. A Suíça e a Inglaterra, dois europeus do grupo jogam  pela honra, já que a  sorte está definida.

Angola e França batem-se para a segunda vaga do grupo A, onde a Espanha Já qualificada vai dar rodagem à Holanda. No grupo C o Brasil está em Apuros, depois de se deixar surpreender pela Áustria, é o lusófonos mais próximo do afastamento dos quartos-de-final. Os brasileiros têm a missão quase impossível de ultrapassar Portugal em caso de vitória no jogo de ontem diante da Alemanha, disputado no final da jornada, cujo resultado não nos foi possível apurar antes do fecho desta  edição.

Depois de debicar o Brasil a Áustria procura novo triunfo diante dos germânicos e consumar o salto, do mundial B para os quartos -de - final do mundial. Sem preocupações com a questão do apuramento, a Itália e o Chile defrontam-se para definir o líder do grupo D preliminar. As duas equipas  venceram os dois jogos iniciais. Para complementar a última jornada do grupo D a África do Sul e a Colômbia jogam para alcançarem a primeira vitória.
S.C

Técnicos  falam do duelo
Fabien Savreux (França)

O seleccionador francês, Fabien Savreux, está optimista numa vitória da equipa, mas espera por muitas dificuldades no jogo decisivo do grupo A, que vai ser diante da equipa angolana. Em declarações a uma rádio local o treinador realçou o facto de Angola possuir atletas muito tecnicistas, rápidos e que actuam nas melhores ligas de Espanha e Portugal.

“O nosso objectivo é passar à outra fase, sabemos que não vai ser fácil, porque vamos ter de passar por uma equipa experiente, com atletas muito tecnicistas e rápidos que actuam onde há os melhores campeonatos do mundo”, disse. Savreux apelou ao factor casa como uma vantagem que não deve ser mal aproveitada. “Nós jogamos em casa, treinámos no campo onde vamos jogar e temos de considerar esses factores todos a nosso favor”, disse. No mundial disputado em Angola, a França logrou os quartos - de - final e acabou em oitavo, enquanto Angola acabou em nona posição.

Orlando Graça (ANGOLA )
 O seleccionador nacional, Orlando Graça, não quer que a responsabilidade de passar para a outra fase afecte o jogo da equipa, hoje, no decisivo confronto diante da anfitriã, França.O treinador que falava dos Desportos perspectiva um jogo difícil e quer que nenhum factor extra afecte o grupo.
Vamos fazer a  recuperação psicológica e física, ver vídeos e transmitir a nossa postura no jogo com a França aos atletas.

Obviamente, esperamos que os nossos atletas estejam iguais a si próprios e que a responsabilidade de passar para a outra fase não afecte os nossos jogadores. Se isto acontecer, temos a certeza de que seremos bem sucedidos", disse. O treinador considera a actuação diante da Espanha como um assunto do passado que nada tem a ver com a empreitada de hoje.

“Não há vencedores antecipados, aliás no jogo com a campeã provamos isso mesmo, foi por uma questão de sorte que por pouco não vencemos. Temos os nossos objectivos bem claros, que passam por vencer a França, mas sabemos que vai ser um jogo extremamente difícil, é o país organizador, uma barreira muito difícil e que em minha opinião está a jogar muito bem”, comentou.

Incentivo
Tiago Sousa encoraja selecção

O guarda-redes Tiago Sousa, que defendeu a baliza da Selecção Nacional no mundial de 2013, considera que Angola dispõe de um grupo muito bom, capaz de lograr uma boa campanha neste mundial, que decorre em França. O agora treinador da equipa portuguesa da Mealhada que falava ao JD depois da derrota da Selecção Nacional diante de Espanha, considera que a integração de Francisco Veludo na selecção surge em boa hora, porque o jogador fez uma grande época.

“A nossa selecção foi muito competente, mesmo sem poder contar com uma peça fundamental como João Pinto, foi capaz de fazer frente a uma selecção fortíssima como é  a Espanha. Mais uma vez faltou um pouco de sorte, mas a selecção mostrou que tem qualidade e que caso não aconteça nada de anormal ou extra hóquei...  pode levar de vencida a selecção Francesa”, comentou.

Ao falar das escolhas do treinador disse, que “Veludo esteve muito seguro na baliza. O Nery fez um grande jogo, acho que é um diamante bruto que precisa ser lapidado, mas tem muito a dar à nossa selecção. O Márcio começou titubeante, mas depois encontrou o rumo. Deu para ver o grande trabalho que o nosso seleccionador tem estado a fazer”, disse.

Constatação
Brasil sente ausência de Didi

A derrota da selecção brasileira, sexta classificada da edição de 2013, disputada em Luanda e Namibe, diante da recém -promovida Áustria, por 2-3, foi a grande surpresa da jornada inaugural do 42ª edição do Campeonato do Mundo que decorre em La Roche Sur Yon, França. A equipa brasileira, que não conta com Jurandir Silva, que a comandou no último Campeonato do Mundo, apareceu muito apática no jogo e apesar de ter sido a primeira a marcar, nunca se assumiu como uma das seis melhores do mundo.

Problemas relacionados com a insuficiência financeira na preparação da equipa podem ter influenciado o desempenho da equipa que teve de fazer alterações ao grupo inicial de convocados. A França, que joga em casa com ambição de melhorar o oitavo lugar conseguido em Angola, também mostrou uma imagem pálida na primeira partida em que, a jogar diante do seu público devia ter feito melhor  do que perder, 6-1. Já se conhecia que havia poucas oportunidades para os franceses vencerem ou pontuar diante dos campeões mundiais, mas esperava-se um pouco mais dos franceses.

Dos que estiveram entre os oito primeiros classificados do último mundial, o Chile foi o que teve o melhor começo e protagonizou a maior goleada da prova, ao bater a África do Sul por 14-1. Moçambique cumpriu o dever, 6-3 sobre a Inglaterra. A Espanha, Portugal, Itália e Argentina também saíram vitoriosos na ronda inaugural.
S.C